17 de abril/20: Fechamento e principais destaques do dia



O IFIX apresentou nesta sexta-feira (17), um leve ganho de +0,36%, fechando o dia aos 2.559,48 pontos. No acumulado deste mês de abril e ano de 2020, a variação acumulada do índice é de +3,71% e -20,54%, respectivamente.

ifix

Mercado de FIIs: Principais destaques e notícias do dia

XPML11: O fundo divulgou que assim como ocorrido no mês passado, não realizará distribuição de rendimentos neste mês de abril. Seu administrador, BTG Pactual, disse que em decorrência da pandemia, todos os empreendimentos investidos pelo XP Malls estão fechados e em função disso, optou por não distribuir rendimentos mensalmente. Desta forma, o fundo poderá fazer uma distribuição única de rendimentos quando da apuração do resultado semestral, ou seja, quando do encerramento do semestre vigente.

UBSR11 divulgou a atualização do cronograma da oferta que está realizando. É a oferta pública da sua 7ª emissão, que serão distribuídas por meio de 4 milhões de cotas, com preço de emissão de R$ 100,00 cada, perfazendo o valor total de R$ 400 milhões.

CXTL11: Locatária do imóvel de propriedade do fundo localizado em Duque de Caxias, realizou o pagamento de 80% do valor contratualmente previsto e fará o mesmo durante os próximos 2 meses. A companhia informou que, em razão dos efeitos causados pelo novo coronavírus, sua atividade foi fortemente impactada, pois presta serviços de lavanderia industrial a hotéis, indústrias e hospitais. Com isso, haverá impactos nas distribuições de rendimentos do fundo.

RBRF11: Fundo deseja alterar o valor da sua 5ª emissão de cotas, excluir a previsão de cobrança da taxa de distribuição, alterar o montante inicial e mínimo. Essa mudança está relacionada a alteração imprevisível do mercado em decorrência da pandemia da covid-19.

BCFF11: O fundo espera para este ano uma forte contração econômica e uma redução dos dividendos dos FIIs investidos no curto prazo, seguido por uma normalização logo no médio prazo. Veem também uma oportunidade única para a compra de FIIs descontados ao valor patrimonial e para desenvolver uma estratégia de ganho de capital no longo prazo, mesmo que implique a queda do rendimento no curto prazo. Em março/20, o fundo distribuiu R$ 0.40 por cota, o que representa um dividend yield mensal de 0,5%, com base na cota de fechamento do mês (R$ 78,99) e um rendimento de 185% do CDI para o período.

ALZR11: O fundo anunciou que todos os aluguéis devidos pelos inquilinos de seus imóveis foram pagos em suas respectivas datas de vencimento. Segundo seu relatório de resultados, o ALZR11 é proprietário de um conjunto de imóveis locados via contratos de locação atípicos, ou seja, instrumentos fortes que criam incentivos contrários a qualquer medida de inadimplência. Está previsto para o dia 26/04/2020 o pagamento de R$ 0,58 por cota, o que representa um dividend yield mensal de 0,52% (cota base R$ 111,66), relativo ao mês de março para a base de investidores do fechamento do dia 16 de abril/20.

LUGG11: Neste mês o fundo destaca o lançamento do terceiro empreendimento Luggo, o Luggo Lindoia em Curitiba. Até o momento não foi identificado nenhuma variação no volume de inadimplência que gere um impacto relevante em suas receitas. Entendemos que o aluguel residencial long stay tende a ser mais resiliente nesse cenário, por se tratar da moradia dos locatários, destacou seu relatório.

MXRF11: No mês de março o fundo concluiu a captação de sua 5ª emissão de cotas no montante total de R$ 505,57 milhões. A equipe de gestão disse que essa captação ocorreu em um momento de mercado deprimido e gerará boas oportunidades em termos de risco-retorno. Por isso, permaneceu focada na alocação e gestão ativa dos recursos em CRI, cotas de FIIs e permutas financeiras. Os rendimentos para março foram de R$ 0,08 por cota (DY mensal de 0,78%, cota base R$ 10,16).

LVBI11: Em 31 de março, todos os empreendimentos do fundo estavam em operação e os inquilinos seguiam adimplentes com suas obrigações, no entanto, na distribuição de rendimentos, o fundo optou por reter parte dos dividendos com o objetivo de manter uma maior linearidade das distribuições futuras. Fundo acredita que impactos da pandemia deverão impactar a economia de forma significativa, incluindo o mercado de imóveis logístico, ainda que a magnitude seja incerta. Ao final do mês de março seu caixa somava R$ 97,5 milhões, considerando os recursos provenientes da 2ª emissão. O fundo distribuiu R$ 0,60 por cota (DY mensal 0,58%, cota base R$ 101,99), efetivamente pagos no dia 07 de abril.

BTLG11: Em fevereiro/20, o fundo obteve um resultado de R$0.63 por cota e distribuiu R$0.60 por cota aos investidores detentores das cotas até a 6ª emissão, com base na cota de fechamento do mês de fevereiro. Em relação à análise de mercado, o fundo relatou que é difícil ter uma leitura clara dos impactos econômicos da Covid-19 no setor logístico no curto prazo. Entretanto, até a data deste comunicado (17 de abril/20), todos seus ativos seguem em operação normalmente.

VILG11: O fundo, na data de hoje, informou que assinou o documento de renovação de contrato do locatário Netshoes (grupo Magazine Luiza), que ocupa 4 módulos (28,7 mil m²) do imóvel Fernão Dias Business Park, localizado na região de Extrema, MG.

RBDS11: O fundo destacou em seu relatório que está em período de desinvestimento, ocorrendo neste período apenas as distribuições do fluxo de caixa dos projetos investidos, já com resultados consolidados. Portanto, ressaltou que não é recomendado a consideração das distribuições para cálculo de yield e parâmetro para aquisição de quotas no mercado secundário.

VISC11: Para enfrentar a crise, o fundo anunciou que dispõe de R$ 372 milhões em aplicações financeiras, portfólio altamente diversificado, o que minimiza seus impactos, pois os impactos da crise devem ser diferentes em cada região do país, e conta com R$ 0,56 de resultado acumulado não distribuído, que pode ser utilizado para amenizar o impacto da queda de receitas do seu portfólio de shoppings.

RBRL11: Foi informado que suas cotas não estão mais restritos à negociação nos mercados secundários de valores mobiliários e o início de suas negociações ocorrerá a partir da próxima segunda-feira, 20 de abril/2020.

QAGR11 diz que embora o setor Agro tenha uma maior resiliência no cenário atual, uma vez que fornece alimento, os possíveis impactos devem ser monitorados constantemente. Por este motivo, dado a função essencial dos centros de recebimento para o escoamento da produção agrícola, 100% dos ativos do seu portfólio continuam em plena operação. Em adição, disse que não irá alterar a política de distribuição de rendimentos mensais. Neste momento, as operações em discussão envolvem 6 locatários diferentes e somam mais de R$ 400 milhões.

XPSF11: No final de fevereiro o XP Selection estava cerca de 50% do patrimônio alocado em caixa, além de uma concentração relevante em fundos de CRI e CRIs diretos. Suas alocações priorizaram nomes de março, a proteção de patrimônio, e o fundo encerrou o mês com 13% em caixa, além de 17% em CRIs diretos e 38% em FIIs de CRI. Desta forma, o fundo obteve uma queda de patrimônio na ordem de 8,5%, bem menor que o seu benchmark, o IFIX.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários