Após 5 meses caindo, rendimentos do BCRI11 voltam a crescer

Banestes Recebíveis Imobiliários - BCRI11 - é um fundo imobiliário do tipo papel que foi constituído no inicio do ano de 2015 com o objetivo de investir preponderantemente em títulos de recebíveis imobiliários.

Após a sua 5ª emissão de cotas concluída, seu patrimônio liquido (PL) chegou a R$ 267 milhões.

Carteira de investimentos do BCRI11 possui 51 participações em CRIs de diversos segmentos

O fundo apresenta atualmente 84,6% da sua carteira alocada em certificados de recebíveis imobiliários (CRI) distribuídos em 51 participações , além de 11,7% em cotas de 4 fundos imobiliários e 3,6% em títulos públicos.

bcri11

BCRI11 distribui um dividend yield de 8,06% no ano

No mês de dezembro, o Banestes Recebíveis Imobiliários distribuiu o valor de R$ 0,70 por cota, perfazendo um dividend yield (DY) de 0,56% nesse período. Observe que esse DY foi calculado a partir do valor da cota de mercado, R$125,38.

Repare também que o rendimento voltou a crescer, depois de uma sequencia de baixas que o fundo estava apresentando começando no mês de julho da tabela.

bcri11

No acumulado de 2019, BCRI11 distribuiu R$ 9,91 por cota, perfazendo um DY de 8,06%, equivalente a 162,56% do CDI.

Mercado secundário - Veja como foi a movimentação do BCRI11 em 2019

O mercado secundário de compra e venda de cotas do BCRI11 fechou o último mês de dezembro à R$ 125,38. Veja a baixo como ficou representado a movimentação em 2019.

bcri11

O Banestes Recebíveis Imobiliários é administrado pelo Banco Fator S.A. e seu gestor é o Banestes DTVM. Sua taxa de administração é de 1,0% ao ano sobre seu valor de mercado e sua participação no IFIX é 0,4%.

Com 5 emissões realizadas e uma gestão ativa, atualmente o BCRI11 contém 2,5 milhões de cotas no mercado e cerca de 21,8 mil cotistas.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.

Comentários