CPTS11B se preveniu e pandemia gerou bons resultados para o fundo



Quer receber todas as notificações desse FII? Seguir FII Seguir Fundo

O Capitânia S.A., gestor do Capitânia Securities II FII (CPTS11B), relatou em seu documento de resultados de março/20 que o fundo aumentou a sua posição em fundos imobiliários conforme previsto no regulamento, visando aproveitar a queda dos preços dos FIIs de CRIs e de tijolos em razão da crise ocasionada pelo COVID-19.

Nesse sentido, disse que o fundo vendeu R$ 16 milhões de CRIs, auferindo um resultado negativo de R$ 556.391,81. No entanto, em contrapartida, o fundo adquiriu R$ 46 milhões em FIIs.

Com isso, ainda em março, o CPTS11B adquiriu R$ 4,8 mm em CRIs no mês e vendeu R$ 14 milhões em FIIs, auferindo um resultado positivo de R$ 1.092.661,27. Veja na figura abaixo como está segmentado a sua carteira.

cpts11b

Nos resultados, foram distribuídos na última quinta-feira, 23 de abril/20, R$ 0,65 por cota. Este dividendo foi equivalente a 252,51% do CDI (descontado imposto de 15%) em relação a cota de mercado (R$91,99).

Desde seu início, em 05 de agosto de 2014, o Capitânia Securities II apresenta um retorno anualizado de 10,75%, considerando 3 fatores:

  • O investimento inicial na cota de emissão a R$ 100,00;
  • Os R$ 63,80 distribuídos no período reinvestidos no fundo; e
  • Venda da cota no preço de mercado (em 31/03/2020) a R$ 89,50. Essa performance é equivalente a 129,80% do retorno do CDI Líquido.

Segundo seu gestor, o CPTS11B possui R$ 0,47 de resultado distribuível acumulado, o que lhe permite suavizar eventuais descasamentos dos ativos.

Liquidez: Com 100% de presença nos pregões, no mês de março foram negociadas 273.452 cotas, sendo 20.664 negócios e volume de R$ 25,1 milhões, o que representa uma média diária de R$ 1,14 milhões.

O número de cotistas do fundo vem batendo seus limites todos o meses, onde encerrou o mês de março/20 com 15.885 cotistas, contra 14.259 de fevereiro/20 e 328% acima de março/19.

cpts11b

Com cerca de 16 mil cotistas, o CPTS11B  é um FII do tipo papel gestão ativa que busca rentabilidade proveniente de títulos e valores mobiliários geradores de renda.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários