05 de junho/20: Fechamento e principais destaques do dia



O IFIX apresentou nesta sexta-feira (05), uma valorização de +1,02%, fechando o dia aos 2.772,83 pontos. No acumulado deste mês de junho e ano de 2020, a variação acumulada do índice é de +4,26% e -12,45%, respectivamente.

fiis

Mercado de FIIs: Principais destaques e notícias do dia 

VILG11 (Tijolo/Galpões) assina novo contrato de locação com o grupo Magazine Luiza por 60 meses no Fernão Dias Business Park

O fundo, no dia 04 de junho/20, assinou o contrato com a Época Comésticos (empresa do Grupo Magazine Luiza) para locação de 1 módulo com 4.897,35 m² de área bruta locável no Fernão Dias Business Park, localizado em Extrema, MG. O módulo G1 está estrategicamente localizado nas adjacências da nova expansão do Ativo (módulo G0), que está em fase de obras com entrega prevista para outubro/2020, podendo estes dois módulos se interligarem em caso de um único ocupante.

 

HSML11 (Tijolo/Shoppings): FII avança na compra das ações de controladora titular do direito real de uso de 100% do Shopping Metrô Tucuruvi

Fundo assinou o 1º aditamento ao instrumento particular de compra e venda de ações de 100% das ações da REC 2016 Empreendimentos e Participações VII S.A, sociedade controladora da Companhia Metro Norte que, por seu turno, é titular do direito real de uso de 100% do Shopping Metrô Tucuruvi localizado na cidade de São Paulo – SP.

 

TEPP11 (Tijolo/Escritórios) reduz 15% da vacância em temporada sombria de inadimplência

O BRL Trust, administrador do Tellus Properties (TEPP11) divulgou seu relatório de resultados do mês de maio após fechamento de mercado da quinta-feira, 04 de junho/20.

Na ocasião, Tellus Investimentos (gestor) comunicou que maio foi um mês pouco menos demandado em termos de discussões com locatários, já apresentando alguma estabilidade no relacionamento com os inquilinos. No entanto, ainda assim, a manutenção do fluxo de aluguéis tem continuado a ser o principal foco do fundo neste período.

Também destacou que o TEPP11 continua sendo favorecido pela dinâmica de recuperação de preço e diminuição de vacância que é possível observar nas regiões de seus ativos.

De acordo com o relatório, os preços praticados nos prédios detidos pelo TEPP11 ainda apresentam valores de locação consideravelmente abaixo dos valores médios de suas respectivas regiões.

A vacância do TEPP11 reduziu 15% na temporada mais sombria deste ano. A figura abaixo apresenta a relevante diminuição de fevereiro (22%) para março (7%), período esse, que ocasionou o grande caos na economia brasileira.

Carteira de ativos: Seu portfólio é composto por 3 ativos localizados na cidade de São Paulo.

Rendimentos: O TEPP11 distribuiu no mês de maio um dividendo de R$0,50 por cota, fechando o mês com um dividend yield de 7,0% ao ano (12 meses) e 0,58% no mês (cota base R$86,15), equivalente a 204% do CDI.

Rentabilidade: A cota desvalorizou 5,32% em maio. Veja abaixo um comparativo desde o início de suas negociações no mercado.

Rentabilidade: A cota desvalorizou 5,32% em maio. Veja abaixo um comparativo desde o início de suas negociações no mercado.

TEPP11 é um FII do tipo tijolo gestão ativa que possui cerca de 3,6 mil cotistas e atua com prioridade no segmento de lajes corporativas. Seu patrimônio atual é de R$ 349,2 milhões. Nos últimos 12 meses, a variação da cota é negativa em -9,48%.

 

RCRB11 (Tijolo/Escritórios) recebe aluguel atrasado

O fundo recebeu, no dia 04 de junho/20, o pagamento do aluguel em atraso referente à competência abril/20, com vencimento no mês de maio, da locatária Wework Serviços de Escritório LTDA, que ocupa a totalidade da participação detida pelo fundo no empreendimento Girassol 555, que corresponde a 1.926 m² do imóvel.

 

BLCP11 (Tijolo/Galpões) reduz taxa de gestão por 12 meses

A Bluecap (gestor), decidiu de forma voluntária durante o processo de estruturação do fundo e em decorrência das incertezas causadas pelo covid-19, abrir mão de parte da taxa de administração correspondente aos serviços de gestão, por um período de 12 meses contados a partir de 05 de junho/20 ou até que venham a ser emitidas novas cotas de emissão do fundo para distribuição pública, o que ocorrer primeiro.  A redução corresponde a 0,25% na taxa de administração conforme definido em seu regulamento.

O BLCP11 iniciou suas negociações no mercado secundário em 25 de maio/20.  O FII BLUECAP é destinado a investidores profissionais e qualificados.

 

RBVA11 (Tijolo/Outros) divulga documento esclarecendo dúvidas, respondidas, sobre a incorporação do SAAG11

Para acessar o documento, clique aqui, role a página até o final e acesse “Outros Relatórios - 06/05/2020 (R)”.

 

XPSF11 (Fundo de Fundos/FOF) diz que entrou em seu “voo de cruzeiro” – Resultados de maio/20

O XP Selection teve um mês de intensa movimentação em sua carteira. As alocações somaram R$ 26 milhões principalmente em fundos de tijolo e em fundos que foram aprovados na AGE de conflito de interesses ocorrida no final de abril.

A XP Vista Asset (gestor) informou que buscou realizar algumas posições que estavam em patamares interessantes para ganho de capital, bem como abrir espaço para novas oportunidades. Ressaltou também que o fundo atingiu um nível de alocação de caixa confortável e, pela primeira vez, o rendimento distribuído foi equivalente ao resultado gerado no mês, não dependendo do resultado previamente acumulado, mostrando assim que o fundo entrou em seu “voo de cruzeiro”.

O XPSF11 fechou maio em 92,60 reais por cota, com um dividend yield de 8,74% anualizado, representando uma alta de 7,05% no mês. Já a cota patrimonial atingiu 95,63 reais (alta de 0,97%), com um dividend yield de 8,46% anualizado.

 

UBSR11 (Papel/CRI): Dividendo de maio vai ser de 0,76% para cotistas

Face os potenciais impactos sobre o portfólio de CRIs do fundo em decorrência do coronavírus, o consultor de investimento - REC Gestão de Recursos S.A. – informou estar atuando com a máxima diligência para atender aos interesses dos cotistas e intensificou o monitoramento de todo seu portfólio.

Em 15 de junho/20, referente ao resultado do mês de maio, o fundo distribuirá um rendimento de R$ 0,70 por cota. Esse valor representa um dividendo de 0,76% para o mês (cota base R$ 91,40).

O resultado do mês reflete em especial a manutenção de um elevado percentual de recursos alocados em CRIs.

UBSR11 encerrou o mês com 95,4% de seus recursos alocados em CRIs, distribuídos em 51 operações.

FEXC11 (Papel/CRI): Destaques dos resultados de abril/maio de 2020

  • O valor patrimonial do fundo fechou o mês em R$ 241,34 milhões, ou R$ 98,77 por cota, enquanto o valor de mercado fechou em R$ 248,51 milhões.
  • Mesmo em um período de menor liquidez em toda a indústria de FII, o FEXC11 teve um aumento de 12,02% de valor de mercado (variação entre o último dia de março e o último dia de abril), frente a um aumento de 4,39% do IFIX e 10,25% do IBOV, no mesmo período.
  • A distribuição de rendimentos referente ao mês de abril foi de R$ 0,85 por cota, o que representa um dividend yield anualizado de 10,03% se considerado o preço de mercado no fechamento do mês, de R$ 101,70, ou 275% da taxa DI atual.
  • O volume médio diário de negociação das cotas foi de R$ 169,44 mil.
  • Não foram adquiridos novos CRI em abril. Nos últimos meses, operações em estruturação haviam sido adiadas ou canceladas, tendo em vista o foco na proteção do patrimônio do cotista naquele determinado momento de incertezas.
  • Dado o baixo percentual em caixa, 10% do patrimônio, a equipe de gestão está analisando com cautela a estruturação de novas operações.

 

XPCI11 (Papel/CRI) não identificou e não vislumbra nenhum inadimplemento e nenhum default que provoquem interrupção adicional ao fluxo no pagamentos de dividendos

  • O Fundo segue sua estratégia de manter um portfólio composto de CRIs de boa qualidade, com taxas atraentes do ponto de vista de risco-retorno, foco em originação e estruturação próprias e atento a gestão ativa para ganho adicional em operações no mercado secundário.
  • O direcionamento para alocação em papéis mais high grade e middle risk segue trazendo tranquilidade para que o fundo atravesse esse momento volátil e incerto nos mercados, em especial nos de crédito privado, sem maiores impactos, mostrando-se, portanto, uma estratégia adequada.
  • Até o presente momento, a gestão (XP Vista Asset) não identificou e não vislumbra nenhum inadimplemento e nenhum default que provoquem interrupção adicional ao fluxo de pagamentos em nenhum papel.
  • Para o cotista que não teve a oportunidade de analisar o relatório gerencial de março, o gestor sugere a sua leitura, uma vez que explicações e características dos ativos nos quais o fundo investe são explicadas com detalhes e muita profundidade, bem como esclarecimentos acerca da qualidade creditícia e mecanismos de mitigação de riscos e monitoramentos.
  • Os rendimentos e ganhos de capital auferidos segundo o regime de caixa foram de R$ 0,54 por cota, totalizando R$ 3,50 milhões, no mês de maio. O valor representa um dividendo de 0,63% para o mês (cota base R$84,71).
  • No book de crédito Imobiliário os rendimentos recebidos pelo Fundo foram de R$ 3,31 milhões. O book de FII teve um resultado de R$ 537,04 mil entre rendimentos de FIIs e ganhos de capital, já realizando dentro do mês vendas no mercado secundário com expressivo ganho, conforme informado anteriormente sobre a alocação em FIIs que a gestão julga ter elevado desconto em relação aos seus fundamentos.

 

RECT11 (Híbrido) distribui dividendo de 0,89% - Resultados de maio/20

Considerando os potenciais impactos em decorrência do coronavírus, o consultor de investimento do fundo, REC Gestão de Recursos, disse que está atuado com a máxima diligência para atender aos interesses dos cotistas e redobrou o monitoramento sobre os segmentos mais afetados nesse momento de turbulência, mantendo contato próximo junto aos locatários. Veja os destaques do mês de maio/20:

  • Conforme fato relevante publicado no dia 25 de maio, o fundo assinou um contrato para aquisição de 5.934,62 m² no edifício Corporate Emiliano localizado no Condomínio Centro Século XXI, rua Emiliano Perneta, nº 480, Curitiba, PR. O valor total da aquisição é de R$47.616.089,66 a um cap rate de 9,13% ao ano. As unidades adquiridas encontram-se 100% locadas para o Banco do Brasil e Optum. A título de sinal foi pago o valor de R$ 27.616.089,66 e o saldo remanescente será pago até 30 de junho/20, corrigido pelo CDI.
  • De acordo com o comunicado ao mercado, divulgado no dia 29 de maio, encerrou-se o período para exercício do direito de preferência, sobras e montante adicional da 4ª emissão de novas cotas, objeto de oferta pública com esforços restritos da ICVM nº 476. Foram subscritas e integralizadas 556.806 novas cotas, correspondente ao montante total de R$48.998.928. A oferta permanece em aberto para subscrição por investidores profissionais.
  • Distribuição de R$0,81 por cota (dividendo 0,89%, cota base R$ 90,10). No acumulado de 12 meses o fundo distribuiu um montante total de R$10,25 por cota.
  • Os recibos RECT13 e RECT14 farão jus a distribuição de rendimentos de R$0,44 e R$0,08 por cota, respectivamente.
  • A empresa Mezzo Assessoria e Planejamento Ltda, um dos locatários do Edifício Canopus, informou ao fundo sua intenção de devolver um andar, cuja metragem é de 1.037,28 m². O fundo está em tratativas para formalizar esta devolução de área, que deverá respeitar o aviso prévio e multa de rescisão estipulados no contrato de locação.

 

BPFF11 (Fundo de Fundos/FOF): Resultados de maio/20

Em relação aos ativos da carteira, seu gestor (Brasil Plural) reduziu sua posição, principalmente, em KNRI11, ALZR11, e BBPO11, zeraram posição em XPCM11, aumentaram posição em JSRE11, VILG11, BTLG11 e RBED11 e fizeram novas posições em BLCP11 e PATC11.

Com isso, os 90,65% do portfólio alocado ficou dividido em 39 FIIs e o restante da carteira finalizou composta por 7,20% de títulos públicos e 2,15% de CRIs.

No mês, considerando a distribuição de rendimento, a cota patrimonial valorizou 1,32% (R$ 90,35) e a cota de mercado (BPFF11) valorizou 7,86%. A cota a mercado fechou o mês a R$ 97,99.  O volume médio diário de negociação ficou em R$ 285,62 mil no mês.

O fundo distribuirá R$ 0,50 por cota no dia 05 de junho/20, correspondente a 0,51% ao mês em relação ao preço de fechamento de 29 de maio/20.

 

HLOG11 (Tijolo/Galpões): FII vai distribuir R$ 0,63 por cota (dividendo 0,5% no mês) – Resultados de maio/20

Carteira de ativos: O fundo encerrou o mês de maio de 2020 com investimento em três galpões, que somam aproximadamente 66,8 mil m² de ABL. Os imóveis estão inseridos no condomínio Citlog Sul de Minas, empreendimento localizado na cidade de Varginha, concebido para atuar como um hub logístico multimodal.

Rendimentos: O fundo distribuirá R$ 0,63 por cota como rendimento referente ao mês de maio/20. O pagamento será realizado em 15 de junho/20, aos detentores de cotas em 29 de maio/20. O valor equivalente a um dividendo de 0,5% para o mês (cota base R$124,50).

Rentabilidade: A cota obteve uma variação negativa de 0,4% no mês, partindo de R$125,00 em 30 de abril, para R$124,50 em 29 de maio.

Liquidez: No mercado secundário, o valor de mercado da cota foi de R$ 124,50, o que representa um valor de mercado total do fundo de R$ 193 milhões. O valor patrimonial da cota foi de R$ 111,23. Desde o início da negociação de suas cotas, em 23 de dezembro de 2019, o fundo esteve presente em 82% dos pregões da B3.

 

PLCR11 (Papel/CRI): O percentual alocado em CRIs em 29 de maio/20 é de 68%

Em relação aos impactos decorrentes do covid-19 em seu portfólio, nesse mês, o Shopping Estação em Curitiba/PR foi reaberto. Esse é um dos dois shoppings que servem de lastro para a operação de BR Malls.

Quanto aos demais shoppings que o fundo tem em exposição na carteira (Shopping São Gonçalo e Campinas Shopping), eles seguem fechados temporariamente como forma de medida preventiva à propagação do vírus.

Além disso, a cidade de Fortaleza/CE esteve em lockdown durante o mês de maio, o que impactou o avanço das obras do CRI Colmeia.

Em continuidade ao fluxo de operações, no mês de maio houve uma mudança na dinâmica do mercado, com o retorno da estruturação de ofertas primárias e diminuição de oportunidades no secundário, sendo assim, neste mês aumentaram exposição apenas no CRI HBR.

 

MAXR11 (Tijolo/Varejo) não recebeu de 5 locatárias o pagamento do aluguel

Até o dia 05 de junho/20, o fundo não recebeu de 5 locatárias o pagamento do aluguel referente à competência de abril/20, com vencimento em maio/20.

Esta inadimplência representa um impacto negativo mensal de, aproximadamente, R$ 11,85 por cota.

A administradora (BTG Pactual) optou por não realizar a antecipação mensal aos cotistas do resultado auferido referente à competência do mês de abril/20, que seria pago aos cotistas em Junho/20, até que se tenha maior visibilidade quanto aos impactos do coranavírus no fluxo de caixa do fundo.

 

NEWL11 (Tijolo/Galpões): Único locatário do fundo pagou seu aluguel atrasado

O fundo recebeu o aluguel da Brinox Metalúrgica S.A. (R$ 732.881,12). Este reestabelecimento dos pagamentos da locatária é o primeiro passo para o cumprimento de um acordo entre o Grupo Brinox e o fundo, que tem por objetivo principal estabelecer regras de diferimento do pagamento do aluguel durante os meses de maior impacto da pandemia nas operações da locatária.

 

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários