23 de junho/20: Fechamento e principais destaques do dia

O IFIX apresentou nesta terça-feira (23), uma valorização de 0,04%, fechando o dia aos 2.793,51 pontos. No acumulado deste mês de junho e ano de 2020, a variação acumulada do índice é de +5,01% e -11,70%, respectivamente.

fiis

Mercado de FIIs: Principais destaques e notícias do dia

MALL11 (Tijolo/Shoppings): 6 dos 7 ativos do fundo já estão abertos

No dia 22 de junho/20 (segunda-feira), o Shopping Tacaruna reativou as suas atividades e atenderá 30% da sua capacidade de ocupação total, possibilitando o funcionamento de todas as lojas, exceto operações de lazer e entretenimento, com praça de alimentação atendendo somente por meio de delivery ou ponto de coleta, sendo proibido o consumo no local.

O horário de funcionamento está reduzido, das 12 horas às 20 horas, inclusive fins de semana, excetuando-se o funcionamento das clínicas, laboratórios, bancos, serviços públicos e supermercados, conforme permitido pela Portaria.

Com a reabertura do Shopping Tacaruna, o MALL1 possui 6 dos 7 shoppings que compõem seu portfólio retomando suas atividades, sendo eles: Shopping Park Lagos (Cabo Frio – RJ); Shopping Park Sul (Volta Redonda - RJ); Suzano Shopping (Suzano – SP); Shopping Taboão (Taboão da Serra – SP); Boulevard Shopping Feira de Santana (Feira de Santana – BA) e Shopping Tacaruna (Recife – PE).

 

MAXR11 (Tijolo/Varejo) terá um impacto positivo de 70% em suas receitas

Após tratativas e negociações para regularização do pagamento dos aluguéis, o fundo recebeu os valores referentes ao aluguel de 5 locatários que estavam em situação de inadimplência.

Com isso, o MAXR11 terá um impacto positivo de, aproximadamente, 70,04% em comparação às receitas do meses de março (R$12,94) e abril (R$12,53) de 2020.

O valor recebido representa, aproximadamente, R$ 11,11 por cota.

 

IBFF11 (Fundo de Fundos/FOF): No ano de 2020, já foram distribuídos R$ 2,68 por cota - Destaques de maio

  • Rendimentos foram de R$ 0,50 por cota, o que representa um dividendo de 0,62% (cota base R$ 79,50).
  • No ano de 2020, já foram distribuídos R$ 2,68 por cota, ou 9,20% de dividend yield anualizado.
  • O resultado no mês de maio foi impactado positivamente, principalmente, pela amortização e distribuição de dividendos extraordinários do Fundo TB Office (TBOF11), o qual era a terceira maior posição do fundo.
  • A desvalorização patrimonial foi de 1,16%, passando de R$ 87,42 para 86,41. Considerando o valor de fechamento ao fim de maio, o deságio da cota de mercado comparado a cota patrimonial estava em 16,9%.
  • O resultado ajustado ficou em R$ 445 mil, sendo R$ 525 mil relativos a dividendos de FIIs investidos e R$ 11 mil de receita financeira, descontado as despesas do fundo.
  • O FOF Integral BREI teve média diária de negociação de aproximadamente R$ 130 mil, o que representa uma liquidez de 5,4% no mês.
  • A segunda emissão de cotas do FOF Integral BREI foi aprovada para ser distribuída com base nas disposições da Instrução CVM nº 476, ou seja, para apenas ser colocada junto a investidores profissionais, após o atendimento dos cotistas que exercerem seu direito de preferência e sobras ou, ainda, optarem por um montante adicional.
  • Na visão do gestor do IBFF11, as desvalorizações verificadas no mercado secundário abriram uma janela de oportunidade ímpar para a qual seria necessário o levantamento de recursos, uma vez que o caixa do fundo já está comprometido.

O FII Integral BREI Fundo de Fundos Imobiliários tem como objetivo principal auferir rendimentos e ganho de capital com a aquisição de cotas de outros Fundos de Investimento Imobiliário

 

JPPA11 (Papel/CRI) Não houve movimentações significativas na carteira - Destaques de maio

Foi renegociado apenas uma operação, o CRI San Remo, em que foi necessário proporcionar mais fôlego para o devedor atravessar esse período de crise.

O saldo devedor dessa operação representa 5,6% do valor dos ativos na carteira, portanto, com pequeno impacto no resultado.

Nos rendimentos, o fundo tem resultado acumulado no semestre, que poderá complementar a distribuição.

Foram distribuídos R$ 0,65 por cota no dia 15 de junho (dividendo 0,68%, cota base R$95,50).

A carteira de ativos do JPPA11 permaneceu saudável e adimplente em suas obrigações, chegando ao final do mês com 97,8% da carteira de investimentos alocada em CRI. A parcela remanescente, de 2,2%, estava alocada em instrumentos de caixa.

Não houve movimentações significativas na carteira. Em junho, será realizada assembleia geral de cotistas do CRI Guerini para deliberar sobre o pagamento antecipado da operação. Se aprovado, terá como contrapartida uma multa de pré-pagamento que será incorporada ao resultado do fundo.

 

EURO11 (Tijolo/Galpões) distribuiu R$ 0,70 por cota - Destaques de maio

Atualmente o patrimônio do EUROPAR está composto de 1 Torre de Teste de Elevadores (Torre Atlas) e por 5 galpões logísticos, sendo 3 em São Paulo no Centro de Distribuição Anhanguera (CDA) e 2 do Rio de Janeiro no Centro de Distribuição Rio de Janeiro (CDRJ).

Foi celebrado o contrato de locação dos módulos I e II com área de 11.498,53m² localizado no CDA. O contrato possui vigência de 3 anos.

Em empresa ocupante do módulo III do galpão I com área 7.125,10 está inadimplente com aluguel vencido em abril e parte do aluguel vencido em maio/20, cujo montante, sem considerar os encargos locatícios, é de R$ 159.580,74.

Referente aos resultados de maio, foram distribuídos R$ 0,70 por cota no dia 17 de junho (dividendo 0,38%, cota base R$ 183,99).

FPAB11 (Tijolo/Escritórios): Locatário entrou em falência - Destaques de maio

Nos empreendimentos do fundo, apesar das dificuldades, a gestão continua mantendo tratativas e envidando esforços em conjunto com os locatários, avaliando caso a caso, e encontrando alternativas que contribuam para superação deste período de crise mais acentuada, contribuindo para liquidez e preservação das parcerias.

No mês de maio o fundo teve a visita de 1 empresa buscando área para locação de 5.000 m².

A locatária ocupante do 6° pavimento com área de 1.015,72m² localizado na Torre New York que estava em recuperação judicial entrou em falência. O jurídico do fundo está tomando as medidas cabíveis para retomada do imóvel e recuperação do crédito.

Referente aos resultados de maio, foram distribuídos R$ 1,70 por cota no dia 15 de junho (dividendo 0,52%, cota base R$ 321,70).

 

OUJP11 (Papel/CRI): Carteira do fundo permaneceu adimplente em suas obrigações - Destaques de maio

A carteira do fundo permaneceu adimplente em suas obrigações e chegou ao final do mês com 91,6% dos investimentos alocados em ativos imobiliários, dos quais 89,3% em CRI e 2,3% em FII. O saldo de 8,4% estava alocado em instrumentos de caixa.

Com a movimentação dos CRIs em maio, o saldo devedor das operações renegociadas representa 6,6% do valor dos ativos na carteira, com impacto mínimo no resultado do fundo.

Em 22 de junho foi encerrada a 3ª oferta de distribuição de cotas do fundo, com a captação de R$ 36,3 milhões. O OUJP11 informou que espera alocar rapidamente os recursos em operações que integram seu pipeline e contribuirão positivamente para o retorno médio da carteira.

Em junho o fundo participou da assembleia geral de cotistas do CRI Guerini, que aprovou o pagamento antecipado da operação. O evento terá como contrapartida uma multa de pré-pagamento que será incorporada ao resultado do fundo.

Referente aos resultados de maio, foram distribuídos R$ 0,63 por cota no dia 15 de junho (dividendo 0,62%, cota base R$ 101,35). Esse valor, combinado à desvalorização de 0,40% da cota patrimonial, proporcionou retorno total de 0,22% no mês.

 

HGLG11 (Tijolo/Galpões) 6ª emissão do fundo terá o valor de R$ 150,12 por cota

Fundo divulgou o aviso da 6ª emissão de cotas. A distribuição primária será de até 5.462.296 cotas, podendo ter lote adicional.

O preço de emissão da cota será de R$ 150,12, totalizando a Oferta o valor de até R$ 819.999.875,52. Esse valor não inclui o custo unitário de distribuição, no valor de R$ 5,25 por cota subscrita, a ser pago pelos investidores que subscreverem cotas.

A 6ª emissão foi aprovada por meio da assembleia geral extraordinária de cotistas do HGLG11 realizada em 28 de outubro de 2019.

 

BCRI11 (Tijolo/CRI) 7ª emissão de cotas do fundo será limitada a até R$ 62 milhões

Administrador aprovou neste dia 23 de junho, a realização da 7ª emissão de cotas do fundo. O valor total é de até R$ 62.020.100,00 correspondente a 620.201 cotas pelo valor unitário de R$ 100,00.

Os cotistas poderão manifestar seu direito de preferência, total ou parcialmente, até 13 de julho/20 junto à B3, ou até 14 de julho/20 junto ao Escriturador.

 

FISC11 (Tijolo/Escritórios) está com novo administrador - Destaques de maio

No mês de junho a BR Capital assumiu a administração do fundo, de acordo com a aprovação em assembleia realizada em 23 de março/20.

Quanto aos impactos do vírus, as receitas de alugueis das lojas foram reduzidas por conta de descontos e renegociações de contratos de locação.

Abril foi o mês mais crítico, com redução de 65% em relação ao período anterior à pandemia.

Desde quando o fundo começou a ter receita de locação de escritórios, estas não sofreram alteração.

O Fundo de Investimento Imobiliário SC 401 (FISC11) é proprietário de lojas e conjuntos de escritórios destinados à locação do Square SC, empreendimento multiuso localizado em Florianópolis/SC, e do Mall W Tower, shopping localizado em Caxias do Sul/RS.

 

RECT11 (Híbrido) 5ª emissão de cotas do fundo foi aprovada

Administrador aprovou neste dia 23 de junho, a realização da 5ª emissão de cotas do fundo. O valor total é de até R$ 360 milhões correspondente a 3.600.000 cotas pelo valor unitário de R$ 100,00.

Se forem emitidas novas cotas em quantidade suficiente, será realizado o pagamento de parte do saldo remanescente referente à aquisição de andares do Edifício Canopus, em Barueri e do Edifício Parque Cidade Corporate, em Brasília. O valor aproximado deste pagamento é de R$75 milhões.

Para o restante dos recursos, desde que seja firmado compromisso de compra e venda e/ou escritura definitiva de compra e venda e caso haja recursos suficientes, poderá ser realizada a aquisição de um imóvel que se encontra em fase de negociação, cujo valor totaliza, aproximadamente, R$ 280 milhões.

 

RBCO11 (Tijolo/Escritórios): Movimentação de locatários diminui 23% da vacância do fundo

Foi celebrado novos contratos de locação para uma empresa de tecnologia, pelo prazo de 60 meses com início em Jun/20, com área total de 3.747m². O contrato foi firmado com valor de face por metro quadrado 10% superior à média do edifício.

Foi celebrado o distrato da empresa têxtil, por diminuição de suas atividades e consequente menor demanda de área. O fundo receberá todos os valores referentes às multas por rescisão antecipada.

O fundo foi notificado sobre a intenção do locatário de antecipar o encerramento do contrato para Jul/20, sujeito às penalidades contratuais.

Considerando a projeção para Jul/20, estes acontecimentos resultam em redução de cerca de 23% na vacância física do ativo do fundo, passando dos atuais 29% (Mai/20) para aprox. 6% (Jul/20).

Após as carências e descontos concedidas para os novos contratos, conforme cenário atual de mercado, a distribuição de rendimentos será impactada positivamente em aproximadamente R$ 0,06 por cota.

 

XPIN11 (Tijolo/Galpões): Locatários estão pagando aluguel adiantado – Destaques de maio

O resultado de R$ 0,56 por cota para o mês de maio decorreu do recebimento de 100% do valor de locação devido ao fundo e considerou 100% das novas cotas emitidas e integralizadas na 4ª emissão.

A distribuição de 0,60 por cota (dividendo 0,51%, cota base R$ 115,99) levou em consideração o ganho de capital já obtido com a venda de cotas de fundos imobiliários no mercado secundário ao longo deste mês de junho.

Renovação de contrato da Intercos por mais 36 meses. Neste mês, o fundo recebeu três aluguéis antecipados (maio).

O fundo adquiriu 57 módulos com ABL total de 156,6 mil m² nas cidades de Atibaia/SP, Jundiaí/SP e Jarinu/SP. Com estas aquisições, alcançou a marca de 242 mil m² de ABL.

A última emissão de cotas contribuiu para que o XPIN11 alcançasse uma situação confortável de caixa de aproximadamente R$ 85 milhões, considerando as aplicações em fundos de renda fixa e em cotas de fundos imobiliários do segmento logístico e industrial.

O XP Industrial FII possui 88 módulos nos condomínios empresariais CEA, Barão de Mauá, Gaia, GLP Jundiaí I e GLP Jundiaí II, localizados nas cidades de Atibaia/SP, Jarinu/SP e Jundiaí/SP.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.

Comentários