09 de setembro/20: fechamento e principais destaques do dia



IFIX apresentou nesta quarta-feira (09), uma valorização de 0,06%, fechando o dia aos 2.788,53 pontos. No acumulado do mês de setembro e ano de 2020, a variação do índice é de +0,23% e -12,79%, respectivamente.

Mercado de FIIs: principais destaques e notícias do dia

VISC11 (Tijolo/Shoppings) celebra nova aquisição e segue com o maior número de participações diretas em shoppings

  • Nesta quarta-feira, 9 de setembro/20, o VISC11 celebrou um compromisso para comprar 98,5% do shopping Praia da Costa, localizado na cidade Vila Velha, estado do Espírito Santo.
  • O valor da aquisição será de aproximadamente R$ 194 milhões e será pago em 4 parcelas.
  • Pode ser adicionada uma parcela a ser paga em 2025, sujeita ao atingimento de um determinado nível mínimo do NOI do shopping entre os anos de 2021 e 2024.
  • A transação representa um cap rate de 10,9% sobre o preço, baseado no NOI de 2019.
  • A compra do Praia da Costa será a 2ª maior contribuição de NOI ao portfólio e a segunda aquisição de controle de um shopping pelo fundo.
  • A expectativa é que a aquisição seja concluída em até 45 dias a partir de hoje.
  • Sua gestão estima que a aquisição do shopping gere, nos próximos 12 meses, um incremento mensal de R$ 0,09/cota.
  • Caso a aquisição seja concluída, o VISC passa ter presença em todos os estados da região Sudeste e permanece como o fundo imobiliário detentor do maior número de participações diretas em shoppings, com 15 ativos em operação.

 

RECR11 (Papel/CRI): dividendos chegam a 0,86% e cota valoriza 2,4% - Destaques de agosto

  • Em 18 de agosto/20, a denominação do fundo foi alterada de FII UBS (BR) RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS para FII REC RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS. O código de negociação na B3 também foi alterado de UBSR11, para RECR11.
  • A REC Gestão de Recursos S.A., assumiu exclusivamente as funções de consultora de investimentos do fundo.
  • No próximo dia 15, referente ao resultado do mês de agosto, será distribuído R$ 0,90 por cota (dividendo 0,86%, cota base R$ 104,08) para os tickers RECR11, RECR13 e RECR14. Para os cotistas que ingressaram em 14 de agosto, no âmbito da 7º oferta e tendo o ticker RECR12, a distribuição corresponderá a R$ 0,48 por cota.
  • O resultado do mês reflete em especial a manutenção de um elevado percentual de recursos alocados em CRIs.
  • O RECR encerrou o mês com 91% de seus recursos alocados em CRIs, distribuídos em 51 operações. Os CRIs que compõem o portfólio foram emitidos por 10 diferentes securitizadoras. (Patrimônio líquido, R$ 705 milhões).
  • No mercado secundário, suas cotas movimentaram cerca de R$ 1,8 milhão por dia, o que gerou uma valorização de 2,4%.
  • O Sr. Moise Politi, representante da REC, consultora de investimentos do fundo, participará de uma live com o tema “As estratégias dos gestores de FII”, que será realizada amanhã (10), às 18h30, no seu canal no Youtube podendo ser acessada pelo seguinte link: https://genial.vc/live-estrategias-fii, contendo como pauta principal o desempenho do segmento de CRI em 2020.

 

XPPR11 (Tijolo/Escritórios): projeções indicam que a distribuição de rendimentos em 2020 orbitará patamares de R$ 0,72-0,77/cota - Destaques de agosto

  • Em virtude do recebimento da multa rescisória de WeWork (locatário), projeções realizadas pela gestão indicam que a distribuição de rendimentos até o encerramento de 2020 orbitará patamares mensais de R$ 0,72-0,77/cota.
  • Houve 2 rescisões de contratos em seus ativos, sem uma parcial.
  • No mercado secundário, suas cotas movimentaram cerca de R$ 1,8 milhão por dia (cota valorizou 4,8%). Este patamar de liquidez, de acordo com sua gestão, é reflexo das incertezas quanto à magnitude e à duração dos impactos da crise provocada pelo COVID-19 no segmento de lajes corporativas, sobretudo nos ativos investidos pelo fundo.
  • Em seus rendimentos, serão distribuídos R$ 0,72/cota no próximo dia 15. O valor representa um dividendo de 0,77% (cota base R$ 93,37).
  • Na composição de seu portfólio, patrimônio segue distribuído majoritariamente em imóveis corporativos, sendo 84% aplicados em empreendimentos de lajes corporativas e os 16% restantes divididos entre cotas de FIIs (4%) e renda fixa e outras aplicações de caixa (12%).

 

VINO11 (Tijolo/Escritórios) recebe 100% das receitas faturadas para agosto - Destaques do mês

  • O fundo recebeu 100% da receita faturada para o mês, fruto das negociações com locatários no período impactado pelo COVID- 19.
  • Nos rendimentos, foram distribuídos R$ 0,35 por cota, representando um dividendo de 0,60% no mês (cota base R$ 58,35).
  • O VINO encerrou o mês, após a distribuição dos rendimentos, com uma reserva de resultado não distribuído, equivalente a R$ 1,01/cota.
  • Gestão estima que o rendimento médio mensal distribuído até o final de 2020, se situe entre R$ 0,34 e R$ 0,37/cota.
  • Agosto encerrou com 39.643 cotistas e um valor de mercado de R$ 580,2 milhões. O volume médio diário de negociação foi de R$ 2,3 milhões que representou um giro equivalente a 8% das cotas.
  • A cota apresentou uma rentabilidade total no mês de 3,5%, o equivalente a 1,7 ponto percentual acima do IFIX no mesmo período.
  • O portfólio possui prazo médio remanescente dos contratos vigentes de 7,8 anos. Em termos de ABL própria, 31% do portfólio são ativos com idade inferior a 3 anos, 36% apresentam idade entre 3 a 5 anos, e os 33% remanescentes acima de 5 anos. ,
  • O VINO possui ainda participação de controle em 6 dos seus 7 ativos, que representam 96% da ABL própria.

 

BPFF11 (Fundo de Fundos/FOF) segue dando preferência aos segmentos logístico, lajes corporativas e recebíveis imobiliários - Destaques de agosto

  • Na composição da carteira do fundo, sua gestão informou que segue dando preferência, principalmente, aos segmentos de logística, de recebíveis imobiliários e lajes corporativas com foco ativos de alta qualidade e bem localizados.
  • Quanto ao setor de shopping centers, fundo está cauteloso, porém continuam monitorando em busca de oportunidades enquanto aguardam por um momento de melhor visibilidade da retomada destes ativos.
  • Na movimentação, fundo reduziu sua posição em VLOL e HGLG, zeraram RBVA, aumentaram posição em ALZR e VGIP, e fizeram nova posição em VRTA.
  • Com isso, 96,21% do portfólio alocado ficou dividido em 37 FIIs e o restante da carteira finalizou composta por 1,74% de caixa e 2,05% de CRIs.
  • Nos rendimentos, foram distribuídos R$ 0,50/cota, correspondente a um dividendo de 0,60% no mês (cota base R$ 84,00).
  • O volume médio diário de negociação ficou em R$ 557,46 mil no mês (cota valorizou 1,8%).

 

XPSF11 (Fundo de Fundos/FOF) mantém concentração em FIIs de CRI e segue estratégia de alocação em ativos de tijolo - Destaques de agosto

  • O XP Selection seguiu sua estratégia de alocação em ativos de tijolo, com destaque para os fundos de galpão, além de manter a sua concentração atual em FIIs de CRI.
  • FIIs de shopping tiveram uma redução de participação no portfólio em virtude da incerteza de recuperação do setor, apesar de o XP Selection ainda manter alguma posição nesta estratégia.
  • Nos rendimentos, foram distribuídos R$ 0,70/cota, correspondente a um dividendo de 0,71% no mês (cota base R$ 98,10).
  • A liquidez média diária na bolsa foi de R$ 1,48 milhões e a cotação no mercado secundário fechou o mês em R$ 97,40 por cota (valorização de 3,6%).
  • Na composição de seu portfólio, patrimônio segue distribuído majoritariamente em cotas de FIIs (96,5%) e os 3,5% restantes divididos entre CRI (3,2%) e renda fixa e outras aplicações de caixa (0,3%).

 

BRCR11 (Tijolo/Escritórios): cotas da 7ª emissão começam a ser negociadas na próxima sexta-feira (11)

A partir da próxima sexta-feira, 11 de setembro/20, as 3,72 milhões de cotas da 7ª emissão (BRCR13 e BRCR14), passarão a ser negociadas na B3, participando em igualdade de condições nas futuras distribuições de rendimentos do BRCR11.

 

FIGS11 (Tijolo/Shoppings) voltou a receber remessas de resultados - Destaques de agosto

  • Com a reabertura do shopping e a retomada do faturamento de aluguéis, ainda que com desconto, o fundo voltou a receber remessas de resultados. No mês, a renda imobiliária foi de R$ 561 mil, sendo o Shopping Bonsucesso o responsável por este resultado.
  • Os investimentos para o ano foram revistos e os projetos que ainda não foram iniciados foram suspensos, até que a situação se normalize.
  • Considerando as incertezas relativas à renda imobiliária do fundo nos próximos meses, sua gestão optou por reter parte do resultado referente ao mês de agosto. Com isso, a distribuição será de R$0,05 por cota (dividendo 0,08%, cota base R$62,75).
  • A liquidez mensal na bolsa foi de aproximadamente R$ 10 milhões e a cotação no mercado fechou o mês em R$ 62,75 por cota (valorização de 4,4%).
  • O FIGS possui participação em dois shopping centers: Shopping Bonsucesso (36,5%) e Parque Shopping Maia (36,5%).

 

RECT11 (Híbrido): denominação do fundo foi alterada de FII UBS (BR) Office para FII REC Renda Imobiliária - Destaques de agosto

  • Em 21 de agosto/20, a denominação do fundo foi alterada de FII UBS (BR) Office para FII REC Renda Imobiliária.
  • No momento, o RECT encontra-se em fase avançada para aquisição de novos ativos, com os recursos disponíveis em caixa. Assim que concretizadas as transações, serão comunicadas ao mercado via fato relevante.
  • O Banco do Brasil e o Promonlogicalis Tecnologia e Participações (locatários) informaram ao fundo a intenção de devolver suas áreas locadas.
  • Ao final de agosto, seu portfólio segue distribuído majoritariamente em imóveis corporativos (82%) e os 18% restantes divididos entre CRIs (9%) e renda fixa e outras aplicações de caixa (9%). (Patrimônio líquido R$ 671 milhões)
  • No mercado secundário, suas cotas movimentaram cerca de R$ 2,4 milhões por dia, o que gerou uma valorização de 2,8%.
  • Nos rendimentos, serão distribuídos R$ 0,72/cota, correspondente a um dividendo de 0,72% no mês (cota base R$ 99,65).

 

Já sabe como analisar os ativos que compõem o portfólio de um fundo imobiliário? Tiramos essa dúvida e muitas outras em nosso checklist gratuito.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários