14 de agosto/20: fechamento e principais destaques do dia



IFIX apresentou nesta sexta-feira (14), uma valorização de 0,30%, fechando o dia aos 2.755,67 pontos. No acumulado do mês de agosto e ano de 2020, a variação do índice é de +0,83% e -13,96%, respectivamente.

fiis notícias

Mercado de FIIs: Principais destaques e notícias do dia

JSRE11: FII híbrido vai distribuir seu maior rendimento em 2020

O JSRE11 informou que vai distribuir no próximo dia 21 de agosto, rendimentos de R$ 0,50 por cota para os investidores do dia 31 de julho. Este valor representa um dividendo de 0,50% (cota base R$ 99,21). Repare que essa distribuição será a maior deste ano.

No campo de sua liquidez no mercado secundário, as cotas movimentaram cerca de R$ 3,8 milhões por dia, registrando uma desvalorização de 1,9%.

Em relação ao portfólio, o JSRE11 conta com um patrimônio de R$ 2,3 bilhões, alocados de forma bem diversificada, atingindo os principais segmentos do mercado de investimentos imobiliários. São 4 imóveis corporativos performados, cotas de FIIs, CRIs e títulos de renda fixa.

 

BRCO11: FII de galpões recebe mais de R$ 100 milhões por ano em receitas de alugueis

O BRCO11 contém um patrimônio bem robusto. São 10 empreendimentos logísticos distribuídos nas regiões sul e sudeste do Brasil, que somam 375 mil m² de área bruta locável (ABL).

Em sua maioria, as propriedades são utilizadas para atender uma demanda que está em constante crescimento no mercado, sendo o setor de varejo, e-commerce e bens de consumo. Além disso, o relatório destaca que mais de 80% dos inquilinos são classificados como grau de excelente qualidade pelas agências de rating.

Nos rendimentos, o valor distribuído no último dia 07 de agosto foi de R$ 0,55 por cota, representando um dividendo de 0,44% para o mês (cota base R$ 123,00).

Desde seu IPO (Dezembro/19), suas cotas movimentaram cerca de R$ 2,5 milhões por dia. Em julho, a cota registrou uma desvalorização de 2,2%, partindo de R$ 125,82 em 30 de junho, para R$ 123,00 em 31 de julho

 

GGRC11 (Tijolo/Galpões) celebra compromisso para nova aquisição em Igarassu, no estado de Pernambuco

O fundo informou no dia 13 de agosto que celebrou um compromisso de compra com o FII Patrimonial IV, cujo objeto é a aquisição de um imóvel localizado em Igarassu, no estado de Pernambuco, pelo valor de R$ 68.416.520,30.

O imóvel se trata de um galpão industrial que foi construído através de um contrato na modalidade de locação atípica built-to-suit (BTS) para a locatária BENTELER SISTEMAS AUTOMOTIVOS que desenvolve, fabrica e entrega produtos, sistemas e serviços para os setores automotivo, de energia e engenharia pelo prazo de 10 anos, com o pagamento do valor mensal à título de aluguel do imóvel no montante de R$ 520.237,76. Será feito uma reforma em sua infraestrutura elétrica e o GGRC11 vai acrescentar um valor de R$ 365.240,18 no preço de aquisição. No entanto, o repasse do aluguel passará a ser R$ 523.069,13.

 

RBVA11 (Tijolo/Outros) explica andamento dos processos movidos por seu locatário Banco Santander (Brasil)

A Rio Bravo investimentos, administradora, atualizou o mercado sobre os 28 processos movidos pelo locatário Banco Santander (Brasil) em face do fundo. Os destaques do comunicado foram os seguintes pontos:

  • Houve um esforço ativo, por parte dos advogados constituídos, tanto para a revogação das liminares que haviam sido aceitas em um primeiro momento, quanto para a rejeição daquelas ainda não apreciadas. Essa ação rápida e consistente da Rio Bravo permitiu um cenário totalmente favorável ao RBVA11 no primeiro momento, com todas as 28 liminares rejeitadas e nenhuma liminar deferida.
  • Na sequência, a locatária teve a possibilidade de recorrer das decisões. No entanto, até às 20h do dia 13 de agosto, dos 28 processos, o Tribunal de Justiça de São Paulo já se manifestou em 16, sendo que todas as manifestações foram favoráveis ao RBVA11.
  • A locatária enviou uma notificação no dia 10 de agosto/20 informando sua intenção de não renovação de 26 contratos de locação firmados com o fundo. Sobre isso, a Rio Bravo reforçou que a não renovação dos contratos não implica em qualquer impacto nas receitas imobiliárias do fundo, de forma imediata e até o fim de sua vigência entre dezembro de 2022 e julho de 2023. Destacou também que não há qualquer sinalização ou notificação por parte do Santander sobre devolução antecipada de nenhum dos imóveis que ocupa.

Com o intuito de esclarecer eventuais dúvidas dos investidores e mercado em geral, será disponibilizado um webcast com os gestores no dia 20 de agosto/20, próxima quinta-feira.

 

RBED11 (Tijolo/Educacional): contratos de locação possuem solidez e segurança jurídica - Destaques de julho

Em vista o atual cenário de instabilidade e incertezas, a Rio Bravo (administrador) esclareceu que os contratos de locação possuem solidez e segurança jurídica, cuja multa rescisória equivale a todo o fluxo de locação desde a rescisão até os seus vencimentos que ocorrem entre 2029 e 2031.

Seu patrimônio de R$ 267,3 milhões é composto por 5 ativos educacionais localizados nas cidades de São Luís (MA), Cuiabá (MT), Belo Horizonte, Betim e Ipatinga (MG).

Dos 84.466,03 m² de ABL, 53% estão em Minas Gerais, 29% no Maranhão e 19% no Mato Grosso. Os imóveis são locados para a Cogna, com contratos atípicos com duração entre 10 e 12 anos.

Nos rendimentos do mês, o resultado foi de R$ 1,02/cota e a distribuição, de R$ 1,00/cota (dividendo, 0,60%, cota base R$ 164,27).

Em termos de liquidez, o número de cotas negociadas aumentou 141,7% frente ao mesmo mês do ano anterior, e o volume médio diário de negociações teve acréscimo de 128,7% no mesmo período.

 

BMLC11 (Tijolo/Escritórios): taxa de ocupação dos ativos é de 98% - Destaques de julho

O Fundo é proprietário de 2 andares do imóvel Brascan Century Corporate localizado na Rua Joaquim Floriano, nº 466, Itaim Bibi, São Paulo/SP, e 4 andares do imóvel Torre Rio Sul, localizado na Rua Lauro Muller, nº 116, Botafogo, Rio de Janeiro/RJ.

O BMLC11 tem 98,27% de ocupação em seus ativos, diversificação de empresas e setores, contratos sólidos e revisões contratuais relevantes concluídas. Em especial na Torre do Rio Sul, responsável hoje por 85% da sua receita.

A distribuição de rendimentos em julho foi de R$ 0,70 por cota (dividendo, 0,73%, cota base R$ 95,10). O fundo também já divulgou os rendimentos referentes a este mês de agosto. Serão pagos R$ 0,54 por cota (dividendo, 0,56%, cota base R$94,99).

No mercado secundário, suas cotas movimentaram cerca de R$ 1 milhão no mês, registrando uma valorização de 1,05%.

 

FIIB11 (Tijolo/Galpões) termina o mês com 2,5% de vacância - Destaques de julho

O empreendimento do fundo (Perini Business Park), é um condomínio idealizado na forma de galpões industriais com áreas que podem ser locadas em módulos a partir de 509 m². Taxa de vacância, 2,58%.

Os blocos servem de instalação para empresas do segmento metal-mecânico, prestação de serviços, logística e transportes, indústrias de transformação de plásticos, eletroeletrônicas, representações e outras.

De acordo com a última avaliação técnica realizada pela empresa Cushman&Wakefield Brasil, o valor de mercado dos ativos integrantes do seu patrimônio é de R$ 281.223.358,96.

Para os cotistas, serão distribuídos R$ 1,75 por cota na próxima segunda-feira, 10 de agosto/20. Esse valor representa um dividendo de 0,36%, cota base R$476,58.

 

XPML11 (Tijolo/Shoppings) divulgou relatório do 2º trimestre de 2020. Veja os destaques da introdução

  • O desempenho do setor de shopping centers no 2º trimestre de 2020 foi duramente afetado pelo fechamento de grande parte dos shoppings do país durante o período. Com o início da pandemia e os primeiros fechamentos a partir da 2º metade de março, pouco se sabia quanto à extensão da crise e o XP Malls decidiu de forma conservadora pela retenção da distribuição do resultado de fevereiro no mesmo dia que foi anunciado o fechamento dos shoppings em São Paulo pelo governador João Doria (18/03).
  • Nos meses subsequentes, com os shoppings fechados, foi decidido novamente pela retenção da distribuição de modo a preservar a saúde financeira do Fundo para fazer frente às eventuais necessidades que viriam dos shoppings do portfólio, principalmente relacionados à aportes nos respectivos condomínios.
  • O XPML11 passou 3 meses sem distribuir dividendos e nos últimos dois meses do semestre, realizou distribuições conforme teve mais visibilidade sobre a recuperação dos shoppings e melhoria das vendas e fluxo de pessoas nos ativos. O fundo encerrou o semestre com uma distribuição equivalente a 100% do resultado do período.
  • Um dos pontos positivos desta que, definitivamente, é a maior crise da história do setor de shopping centers no Brasil, foi a própria redução dos custos condominiais, com os empreendimentos fazendo orçamentos base zero e trabalhando de forma mais espartana possível, destacou a XP Vista Asset.
  • Sobre as perspectivas, a gestão disse que ainda é cedo para antecipar como será a recuperação do setor. O baixo aumento na vacância visto durante a crise levou a crer que a recuperação pode ser mais acelerada, assim que os shoppings possam reabrir por um horário que seja mais produtivo para o empreendimento e os lojistas – a abertura por apenas 4h/dia se mostrou pouco produtiva para o setor.
  • Também ressaltou que podemos esperar algum tipo de renovação dos pacotes de ajuda do governo, seja via liberação de FGTS ou com a prorrogação do auxílio emergencial, que serão importantes para a manutenção da saúde financeira das famílias brasileiras.
  • Do lado do fundo, a XP Asset esclareceu que nas próximas semanas deve ser concluída o restante da aquisição de 1,19% do Internacional Shopping, visto que o vendedor está vem vias de encerrar os procedimentos para liberação da participação que ainda encontra-se onerada.

 

Investir em FIIs é pensar no seu futuro! Acesse nosso pacote FIInforma e não perca mais nenhuma informação dessa indústria que não para de crescer.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários