16 de setembro/20: fechamento e principais destaques do dia



O IFIX apresentou nesta quarta-feira (16), uma valorização de 0,02%, fechando o dia aos 2.802,76 pontos. No acumulado do mês de setembro e ano de 2020, a variação do índice é de +0,74% e -12,28%, respectivamente.

Mercado de FIIs: principais destaques e notícias do dia

QAGR11 (Tijolo/Outros) esclarece suas potenciais aquisições no relatório de agosto

  • Em 2020, o fundo anunciou 4 operações diferentes que somam 81 estruturas entre silos e armazéns graneleiros, que totalizam uma capacidade estática de 600 mil toneladas, além de um centro de distribuição. Do total dos recursos envolvidos na aquisição destes imóveis, o QAGR ainda deve desembolsar cerca de R$ 60,7 milhões.
  • Uma das operações segue nas etapas de diligência e discussão dos contratos.
  • Considerando a conclusão dessas operações, o fundo atingirá aproximadamente 60% do patrimônio líquido alocado em ativos-alvo.
  • Seus recursos finalizaram agosto alocados em ativos-alvo (40%) e aplicações de renda fixa.
  • Sobre a aquisição do imóvel no Paraná, a ser locado para Companhia Agroindustrial, a gestão projeta que a assinatura da escritura deve ocorrer até o final do mês de outubro (e não de setembro, conforme anteriormente estimado).
  • Em relação aos rendimentos, foram distribuídos R$ 0,29 por cota (dividendo 0,35%, cota base R$ 84,00).

 

RBRD11 (Tijolo/Varejo): cotas registram uma desvalorização de 15% em agosto - Destaques do mês

  • O processo de desocupação dos dois imóveis devolvidos pela Líder (RJ e RN) foi finalizado em agosto.
  • A expectativa da equipe de gestão, ainda que de forma tímida, é que o cenário encaminhe para a de normalização, o que tende a movimentar o setor varejista, e fornecer aos proprietários dos imóveis um pouco mais de previsibilidade em suas análises.
  • Nos rendimentos, foram distribuídos R$ 0,04 por cota (dividendo 0,06%, cota base R$ 71,23).
  • No mercado secundário, suas cotas movimentaram cerca de R$ 4,8 milhões e registraram uma desvalorização de 15%.
  • Seu patrimônio (R$ 150 milhões) está composto por 4 propriedades comercias, sendo 2 megalojas, 1 centro de distribuição e 1 corporativo.

 

FIIB11 (Tijolo/Galpões) rendimentos voltam a patamares que antecedem a crise - Destaques de agosto

  • Devido a pandemia do vírus, foi apresentado em seu relatório, uma demonstração dos impactos na receita bruta por cota para o período de abril/2020 a dezembro/2021, considerando os acordos formalizados.
  • Taxa de vacância está em 2,58% e 3,08% dos inquilinos estão inadimplentes. Os contratos com locatários vencem, em sua maioria, nos anos de 2022 e 2023. O segmento dominante na ocupação de seus ativos é o metalúrgico (37,6%).
  • Nos rendimentos, o valores voltaram a patamares que antecedem a crise. Foram distribuídos R$ 2,37 por cota (dividendo 0,51%, cota base R$ 464,45).
  • De acordo com a última avaliação técnica realizada pela empresa Cushman&Wakefield Brasil, o valor de mercado dos ativos integrantes do patrimônio do fundo é de R$ 281.223.358,96.
  • O FIIB11 foi constituído em 29/07/2011, através da cisão parcial do patrimônio do FP. F Andrômeda Fundo de Investimento Imobiliário.

 

LGCP11 (Tijolo/Galpões): administrador aprovou 2ª emissão de cotas do LOGCP no valor de R$ 150 milhões

O Inter DTVM, administrador, aprovou a 2ª emissão de cotas do LOGCP no valor de R$ 150.061.188,59. Serão 1.565.257 novas cotas com o preço unitário de R$ 100,00 já incluso a taxa de distribuição. A oferta é destinada a investidores em geral.

 

BCIA11 (Fundo de Fundos/FOF): portfólio está mais concentrado nos setores de lajes e logístico - Destaques de agosto

  • A cota patrimonial do BCIA apresentou valorização de 1,64% no mês, com impacto positivo dos segmentos de varejo, educacional e shoppings, e impacto negativo do setor de agências.
  • Sua distribuição de rendimentos foi de R$ 0,75/cota (dividendo 0,55%, cota base R$ 136,50), totalizando R$ 6,70/cota no ano, o que equivale a um dividend yield anualizado de 8,8% sobre a cota patrimonial e de 7,5% sobre a cota de mercado, ambas em 31/08.
  • Neste 2 semestre/20, o fundo fará jus à receita extraordinária advinda da liquidação do FVBI11; a amortização e uma parcela dos rendimentos foram recebidos em agosto, mas com reconhecimento em setembro, e há expectativa de recebimento do residual no mês de outubro.
  • No mês, foi concluído a 3ª emissão de cotas, acumulando o montante de R$ 239.999.800,50.
  • Seu patrimônio está alocado em cotas de FIIs (94,5%), CRI (2,3%) e ativos de renda fixa (3,2%). A maior parte da alocação está em ativos de lajes corporativas e galpões logísticos.

 

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários