17 de setembro/20: fechamento e principais destaques do dia



O IFIX apresentou nesta quinta-feira (17), uma desvalorização de 0,10%, fechando o dia aos 2.800,04 pontos. No acumulado do mês de setembro e ano de 2020, a variação do índice é de +0,64% e -12,38%, respectivamente.

fiis

Mercado de FIIs: principais destaques e notícias do dia

BARI11 (Papel/CRI) informou que realizou algumas alterações em seu regulamento

A Oliveira Trust, administrador, informou que realizou a alteração do regulamento do fundo, com a finalidade de adequar algumas informações. Portanto, o regulamento do BARI11 atualizado passou a vigorar em 16 de setembro de 2020.

 

RBVA11 (Tijolo/Outros): propriedade do fundo inaugurou a primeira loja de rua do grupo Centauro

  • Uma das propriedades do fundo inaugurou nessa quinta-feira (16), uma loja de produtos esportivos.
  • Ele é locado para a SBF Comércio de Produtos Esportivos Ltda. (sob a bandeira “Centauro”). De acordo com o documento, esta é a primeira loja de rua do locatário.
  • O Imóvel foi adquirido em 17 de jul/19 e passava por obras de adequação do espaço.
  • O contrato de locação tem prazo de vigência até jul/2039 (20 anos).

 

CVBI11 (Papel/CRI): gestor isenta taxa de performance e reduz taxa de gestão - Destaques de agosto

  • Ao final do mês, 97,6% do patrimônio líquido (R$ 352,8 milhões) estava alocado em CRI com uma rentabilidade média ponderada de 10,7% a.a., prazo médio de 5,5 anos e spread médio de 3,9% a.a. Adicionalmente, 1,3% estava alocado em cotas de FIIs, que têm como política investir preponderantemente em CRI.
  • O CVBI projeta uma rentabilidade média ponderada da carteira de CRI de 9,6% a.a. nos próximos 12 meses e de 10,7% a.a. ao longo do prazo médio de 5,5 anos da carteira de CRI.
  • Gestor decidiu de forma voluntaria, isentar a cobrança da taxa de performance a partir deste segundo semestre/20. A taxa era de 20% dos resultados que superassem 100% do CDI.
  • A gestora decidiu também, de forma voluntária, antecipar a redução da taxa de gestão a partir de setembro/20 para 0,9% ao ano independentemente do atingimento dos patamares do escalonamento da taxa de gestão prevista em regulamento.
  • Nos rendimentos, o resultado do mês foi de R$ 0,89/cota. No entanto, serão distribuídos R$ 0,67/cota (dividendo 0,72%, cota base R$ 92,63). Com isso, o CVBI fecha o mês acumulando um resultado não distribuído de R$ 0,25 por cota.
  • Em relação a cota inicial de R$ 100,00, esta distribuição representa um dividend yield no mês de 0,7% e de 8,0% anualizado. Em comparação com a taxa DI do mês, essa rentabilidade representou 419%. Em relação ao valor de mercado da cota no final do mês de R$ 90,70, esta distribuição representa um dividend yield no mês de 0,7% e de 8,9% anualizado.
  • A VBI ressaltou que a crise do vírus trouxe impactos negativos para a economia e que poderá impactar a carteira do fundo também no curto prazo. Mas, frisou que o CVBI possui uma carteira de ativos com forte estrutura de garantias, fundo de reserva e colchão suficiente na relação entre o valor das garantias e o valor das dívidas para absorver eventuais impactos de curto prazo.
  • No mês, todos o CRI da carteira pagaram conforme os seus respectivos cronogramas de amortização.
  • No mercado secundário, suas cotas apresentaram uma liquidez média diária de R$ 0,5 milhão e seu valor de mercado era de R$ 90,70, enquanto o valor patrimonial era de R$ 100,05.

 

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários