22 de setembro/20: fechamento e principais destaques do dia



O IFIX apresentou nesta terça-feira (22), uma valorização de 0,06%, fechando o dia aos 2.788,81 pontos. No acumulado do mês de setembro e ano de 2020, a variação do índice é de +0,24% e -12,62%, respectivamente.

Mercado de FIIs: principais destaques e notícias do dia

RNGO11 (Tijolo/Escritórios): vacância se mantém abaixo da média da região - Destaques de agosto

  • Nos rendimentos, a distribuição foi de R$ 0,42 por cota (dividendo 0,58%, cota base R$ 72,47).
  • Sua vacância se mantém abaixo da média da região e a gestão já observa a volta gradual do fluxo de pessoas no condomínio, com o retorno também de boa parte das empresas e lojas que compõe o empreendimento.
  • O RNGO é proprietário de duas das quatro torres comerciais do denominado “Centro Administrativo Rio Negro”, além do “Deck Park” (torre destinada a estacionamento) e das lojas.

 

XPPR11 (Tijolo/Escritórios) vai realizar a 2ª emissão e gestor aplica um desconto de 20% em sua remuneração

  • O administrador Vórtx aprovou a 2ª emissão de cotas do XP Properties. O valor da cota ainda será calculado, mas o montante, sem considerar a taxa de distribuição, será de R$ 301 milhões.
  • A XP Investimentos foi a empresa escolhida para ser a instituição distribuidora líder para intermediar a oferta.
  • O gestor do XPPR assumiu o compromisso de aplicar um desconto de 20% em relação à parcela da taxa de administração no período de 1 ano contado a partir da data de publicação do anúncio de encerramento da oferta.
  • A oferta ainda não foi registrada, servindo o comunicado apenas para divulgar a sua aprovação.

 

MXRF11 (Híbrido) atingiu a marca de 242 mil cotistas, o maior da indústria de FIIs - Destaques de agosto

  • No mês, a gestão continuou com a tese de aproveitar as oportunidades no mercado secundário, por conta das distorções geradas pela volatilidade dos mercados, buscando ativos com bons fundamentos, preços descontados e que com características defensivas para atravessarem o atual período.
  • Destaque para o elevado crescimento de cotistas em sua base, chegando a mais de 242 mil cotistas, o maior da indústria de FIIs no Brasil, na data base do presente relatório, segundo dados da B3.
  • O MXRF11 segue sua estratégia de manter um portfólio composto de CRIs de boa qualidade, com taxas atraentes do ponto de vista de risco-retorno, foco em originação e estruturação próprias e atento à gestão ativa para ganho adicional em operações no mercado secundário.
  • Para o cotista que não teve a oportunidade de analisar o relatório gerencial de março, o gestor sugere a sua leitura, uma vez que explicações e características dos ativos nos quais o MXRF investe são explicadas com detalhes e muita profundidade, bem como esclarecimentos acerca da qualidade creditícia e mecanismos de mitigação de riscos e monitoramentos.
  • A distribuição de R$ 0,07 por cota comunicada no último dia útil do mês de agosto foi realizada em 15 de setembro/20 (dividendo 0,65%, cota base R$ 10,67). Esse resultado equivale a 369,76% do CDI no período, já livre de impostos, ou ainda 435,01% do CDI com um gross up de 15% de impostos. No semestre foi distribuído o montante equivalente a 97,96% dos lucros apurados segundo o regime de caixa.
  • No mercado secundário, a liquidez média diária na bolsa foi de R$ 7,66 milhões, girando cerca de 10,6% do total de suas cotas.
  • Seu portfólio terminou o mês alocado em CRI (70%), coptas de FIIs (5%), imóveis (5%) e ativos em caixa (20%).

 

IRDM11 (Papel/CRI) distribuiu R$ 1,05 por cota, o que equivale a 788,26% do CDI - Destaques de agosto

  • O fundo concluiu a sua 7ª emissão de cotas, captando R$ 341,9 milhões, sendo que 74,77% desse volume foram exercidos no direito de preferência.
  • Na carteira, a equipe de gestão focou na alocação desses novos recursos e manteve o viés de gestão ativa. Foram reduzidas as posições em CRIs e FIIs que apresentaram uma valorização relevante e que nesses preços não apresentam mais grandes potenciais.
  • Adicionalmente, o IRDM fez investimentos em FIIs, tanto em IPOs como em follow-nos, e CRIs nos mercados primário, secundário e em operações taylor made (processos contratuais que beneficiam tanto o contratante como o contratado).
  • A distribuição de rendimento de agosto foi de R$ 1,05/cota (dividendo 0,88%, cota base R$119,24), o que equivale a 788,26% do CDI.
  • Seu portfólio está diversificado em CRIs (52,7%), cotas de FIIs (29,7%) e ativos de renda fixa (17,5%).
  • Na visão da gestora, alguns fundos imobiliários já superaram valores que são entendidos como “justo” dado o cenário de relevantes incertezas com relação ao mundo pós COVID. Sendo assim, o fundo segue ativo e com viés de venda no mercado secundário da sua posição em FIIs. Os recursos oriundos dessas vendas tem sido realocados em CRIs.
  • No mercado secundário, suas cotas movimentaram R$ 113 milhões (média diária de R$ 5,4 milhões).

 

ALZR11 (Híbrido): gestor mantém sua renúncia à taxa de gestão e número de cotistas cresce 5,8% - Destaques de agosto

  • A partir do dia 23 de setembro/20, as cotas integralizadas na 3ª emissão (captação de R$ 180 milhões) passarão a ser negociadas na B3 e participarão em igualdade de condições nas futuras distribuições de rendimentos.
  • Deste montante, 64,2% foram subscritos nos períodos de direito de preferência e de sobras, e o residual foi então direcionado aos investidores profissionais através da etapa de oferta restrita. Os recursos serão investidos na aquisição de imóveis de um pipeline em avançado estágio de negociação.
  • Gestão mantém sua renúncia à taxa de gestão até que a alocação dos recursos derivados da 3ª emissão, em conjunto com o residual do captado na 2ª emissão, seja efetivamente concluída em montante que a gestora considera adequado.
  • Nos rendimentos de agosto foram distribuídos 0,57/cota (dividendo 0,41%, cota base R$ 138,51). A gestora explicou que a redução da distribuição (referente a jul/20) foi devido aos gastos da auditoria anual para validação de suas demonstrações financeiras.
  • No mercado secundário, o volume médio diário de negociação foi de R$ 1,4 milhão.
  • A base de investidores cresceu 5,8% referente a jul/20, alcançando 62.412 cotistas.
  • No dia 10/09, o ALZR anunciou a celebração de um CVC (contrato de venda e compra) de Imóvel com a Decathlon para a aquisição de seu principal imóvel comercial (flagship store). A concretização da aquisição, de valor de R$ 71,1 milhões acontecerá em conjunto com a formalização de um Sale&LeaseBack pelo período mínimo de 10 anos.

 

BTLG11 (Tijolo/Galpões): aquisição de 2 novos ativos pode gerar um rendimento adicional de R$ 0,15 por cota

  • Seu administrador, BTG Pactual, divulgou que os documentos finais da transação envolvendo a aquisição de 3 ativos, e cujo fechamento da operação estava sujeito à verificação de determinadas condições suspensivas, foram assinados na última sexta-feira (18).
  • Uma vez superadas as condições referentes a dois dos três ativos, ficou acordado que a aquisição final representará 2 ativos, sem alteração nos principais termos contratuais e no cap rate previamente acordados.
  • Com isso, a operação foi liquidada no valor de R$ 153,6 milhões, aproximadamente. Os imóveis (ativo Castelo Branco e WestRock) estão localizados nos estado de São Paulo.
  • O cap rate envolvido na operação permaneceu de 8,71%. Com essa aquisição, a gestora estima que a receita mensal do fundo será impactada positivamente cerca de R$0.15/cota.

 

LVBI11 (Tijolo/Galpões) comunica ao mercado o resultado final de alocação da 3ª emissão de cotas

O fundo divulgou nessa segunda-feira (21) que serão integralizadas 4.237.288 novas cotas, que somam o equivalente a R$499.999.984,00.

 

CPTS11 (Papel/CRI): portfólio do fundo apresentou uma relevante performance em agosto - Destaques do mês

  • Depois de dois meses seguidos de deflação no IPCA, o que afetou a atualização monetária de cerca de 68% da carteira de CRIs do fundo, no mês de agosto os CRIs tiveram uma correção positiva.
  • O resultado também foi positivamente impactado pelo ganho de capital na carteira de CRIs e FIIs e teve uma boa performance, com destaque para os FIIs de CRI que tiveram uma significativa valorização no mês.
  • Em 24/08 o FII soltou um fato relevante informando que a cedente de grande parte dos CRIs em carteira do Fundo exercerá o direito de recompra, cujo pagamento acarretará o resgate antecipado dos CRIs, o que desencadeou uma reprecificação do papel para um valor mais próximo da cota patrimonial.
  • A carteira do CPTS11 é composta por CRIs que financiam imóveis prontos, operacionais e com bom histórico de resultado dos 3 setores que a gestão acredita serem mais resilientes: shoppings, lajes corporativas e logístico.
  • Para os próximos meses o CPTS vai diminuir aos poucos sua posição em FIIs, posição esta que gerou bastante resultado nos últimos meses e começa a se aproximar do seu potencial, destacou a gestão no relatório.
  • Nos rendimentos, foram distribuídos R$ 0,75 por cota (dividendo 0,77%, cota base R$ 96,34). Este dividendo equivale a 576.7% do CDI (descontado imposto de 15%).
  • No mercado secundário, suas cotas movimentaram cerca de R$2,2 milhões por dia.
  • O Capitânia Securities II encerrou o mês de agosto com 30.034 cotistas, uma variação de +1.7% contra o mês anterior.

 

RCRB11 (Tijolo/Escritórios) foi o 3º FII com melhor desempenho no pagamento de proventos entre os fundos imobiliários na crise - Destaques de agosto

  • Nos rendimentos, o resultado foi de R$ 0,66/cota e distribuição de R$ 0,85/cota (dividendo 0,47%, cota base R$ 179,20).
  • No mês, seus ativos não foram significativamente afetado por diferimentos e inadimplências, o que mostra que os locatários podem ter passado pelo pior momento de turbulência que afetou relevantemente a economia do país.
  • De acordo com seu relatório, o Rio Bravo Renda Corporativa foi o terceiro fundo com melhor desempenho no pagamento de proventos entre os fundos imobiliários na crise (comparação fevereiro vs. junho, amostra IFIX – 120 fundos).
  • Sobre sua 8ª emissão de cotas, no valor de até R$ 154.428.719,68 (com custos), correspondentes a 892.858 novas cotas, a emissão deve ser encerrada nas próximas semanas.
  • A 8º emissão de cotas terá como principal objetivo dar continuidade ao projeto de retrofit do Edifício Alameda Santos 1800 e reforçar o caixa para novas aquisições.
  • Em termos de liquidez, suas cotas movimentaram cerca de R$ 1 milhão por dia e o número de cotas negociadas aumentou 32% frente ao mesmo período do ano anterior e o volume médio diário negociado no mês também teve crescimento de 39% no mesmo período.
  • O patrimônio do continua composto por 11 ativos localizados nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

 

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários