HTMX11 - Com 12 anos no mercado, FII já está na 14ª emissão de cotas

O Fundo Imobiliário Hotel Maxinvest - HTMX11 - foi criado em 2007 com intuito de aproveitar a recuperação do mercado hoteleiro da cidade de São Paulo, que se previa ocorrer nos anos subsequentes.

Em documento apresentado nesta quinta-feira (28), sua administradora BTG Pactual disse que, o aumento na distribuição da renda dos hotéis e a valorização das unidades hoteleiras vêm garantindo ao investidor de suas cotas uma das melhores rentabilidades do mercado de FIIs durante os doze anos da sua existência.

Ainda segundo seu administrador, no seu informativo mensal divulgado neste mês, sua carteira apresentou em setembro, uma de taxa de ocupação de 74% e diária média de R$347, resultando em um RevPAR (receita por quarto disponível) de R$257.

Para critério de comparação tendo referencia o mesmo mês de 2018, a taxa de ocupação foi superior em 1%, a diária média cresceu 9% e o RevPAR foi 10% acima.

Ainda para setembro, o relatório destacou que a cidade de São Paulo recebeu poucos eventos, no entanto, os hotéis permanecem com estratégias rígidas para o crescimento da diária média.

Nesse sentido, como o saldo de unidades hoteleiras varia a cada mês, os índices de meses anteriores são recalculados para que haja uma análise com bases comparáveis.

No geral, todos os dados apresentados, segundo o administrador, são ponderados e representam o desempenho histórico das unidades hoteleiras da carteira em setembro.

Fundo já está em 14ª emissão de cotas

Conforme fato relevante divulgado no último dia 18 de novembro, foi encerrada a 14ª emissão de cotas com o volume total da oferta integralmente distribuído, de R$ 19 milhões.

Em vista disso e de acordo com o aprovado em assembleia, os recursos serão utilizados para a aquisição de 56 unidades hoteleiras no Hotel Ibis Morumbi. A conclusão da transação está prevista para o mês de dezembro de 2019, com a assinatura de escritura e o pagamento ao vendedor.

Desempenho e movimentações do HTMX11 em outubro

Durante outubro, uma unidade hoteleira foi vendida por um valor aproximadamente 1 vez o valor da compra atualizado por IPCA, gerando uma receita, deduzidos os custos de aquisição, de R$ 247.099,49 que após a dedução da taxa de performance, resultou em lucro líquido de R$ 242.737,45 ou aproximadamente R$ 0,2169 por cota.

Desde que o ciclo de desinvestimento do fundo iniciou, foram vendidas 380 unidades hoteleiras perfazendo o valor de R$44,61 por cota amortizada.

Já para o início de novembro, a carteira do fundo começa operando com 403 unidades hoteleiras em 22 hotéis.

Voltando em outubro, o rendimento que foi distribuído está composto pelo resultado operacional das unidades hoteleiras em agosto (R$ 0,8071) mais o lucro da aplicação financeira (R$ 0,0184) e o lucro com a venda de uma unidade (R$ 0,2169), totalizando R$ 1,04.

Fundos de tijolo como o HTMX11 tem o objetivo de comprar ou construir imóveis para alugar e gerar uma renda mensal. FIIs desse tipo, geralmente buscam uma renda constante com potencial de valorização e reajustes de aluguéis.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Desenvolvedor de conteúdos

Formado em Engenharia de Produção pela FAACZ, com experiência de mais de 5 anos no mercado financeiro do Brasil. Investidor e desenvolvedor de conteúdos sobre o mercado imobiliário, economia e investimentos.

Comentários