GGRC11: Inadimplência causa decréscimo em rendimentos de março/20

GGR Copevi Renda (GGRC11) fundo de investimento imobiliário do tipo tijolo, comunicou que devido ao inadimplemento de um de seus inquilinos, terá um decréscimo de aproximadamente R$0,11 por cota nos rendimentos dos mês de março/20.

O aluguel da locatária representa cerca de 13%  da receita imobiliária total do GGRC11.

Segundo informou o documento, foi firmado em 12 de novembro de 2018 entre o GGRC11 e a locatária o contrato atípico de locação na modalidade “Sale and Leaseback” pelo prazo de 12 anos e o valor mensal à título de aluguel a ser recebido pelo fundo é de R$727.500,00, perfazendo um Cap Rate de 11,25%.

Seu administrador, CM Capital Markets, destacou que desde a data do vencimento até a data do efetivo pagamento sobre a importância, passará a incidir cumulativamente a multa moratória de 5%, juros moratórios de 1% ao mês e atualização monetária calculada pela variação positiva do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), nos termos do contrato de locação.

Também cabe ressaltar que o Administrador e a Gestora estão envidando todas as medidas judiciais e extrajudiciais necessárias para a preservação dos direitos e interesses do GGRC11 e de seus cotistas, bem como buscando a regularização de tal atraso pela locatária com a maior brevidade possível.

O GGRC11 deixa bem claro que todos os cotistas serão devidamente informados sobre qualquer desdobramento em relação ao inadimplemento ora informado através da divulgação de um novo comunicado.

O rendimento distribuído no último dia 08 de abril/20, portanto, foi no valor de R$ 0,76 por cota, representando um dividend yield de 0,64% para o mês de março/20.

O GGRC11 é um FII que veio ao mercado com o objetivo de realizar investimentos em imóveis comerciais, predominantemente no segmento industrial e logístico, com a finalidade de locação atípica (built to suit, sale and leaseback ou retrofit) ou venda.

Com suas atividades iniciadas em abril de 2017, o fundo hoje possui um patrimônio liquido com cerca de R$ 771,7 milhões e uma taxa de administração e gestão de 1,10% ao ano.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.

Comentários