RBIV11: FII explica os impactos em sua carteira de investimentos

O Rio Bravo Crédito Imobiliário IV (RBIV11), considerando o atual cenário de instabilidade e incertezas no mercado local e global, publicou uma carta na tarde desta terça-feira, 24 de março/20, informando sobre os possíveis impactos do COVID-19 em suas alocações.

Seu administrador, BRL Trust, disse que no fechamento de fevereiro o RBIV11 apresentava 98,8% do patrimônio alocado no ativo alvo da estratégia de gestão, totalizando 11 CRIs e 1,2% em instrumentos de liquidez para eventuais despesas e acontecimentos extraordinários.

rbiv11

RBIV11 - Entenda as características das alocações

  • 29% está alocado em ativos de varejo, como Grupo Pão de Açucar e o WalMart, setores que estão indo muito bem neste momento de crise, com vendas bem acima do normal para o período nos últimos dias;
  • 10% alocado em lajes corporativas onde, por ora, o RBIV11 não visa muito risco para o segmento. Vale ressaltar que ambas as operações têm fundo de reserva e estão 100% compostos caso necessário para esta crise;
  • 27% está em residenciais (risco pulverizado), tanto loteamento como incorporação, onde também o fundo não enxerga muito risco para o segmento, uma das operações tem fundo de reserva (100% composto) e a outra reforço de crédito;
  • 15% do fundo alocado no segmento logístico, que, na visão no Rio Bravo (gestor), será bastante impactado pela crise, porém com uma garantia extremamente forte que é uma fiança bancária do Bradesco S.A. no valor de R$145 milhões (operação de R$84 milhões);
  • 18% alocado em shoppings centers, setor de mais risco do portfólio. O RBIV11 está acompanhando de perto e obtendo acompanhamentos semanais com os tomadores do crédito para eventuais tomadas de decisões por parte da gestão; e
  • O restante, 1%, está em caixa para eventos extraordinários que, no momento, o RBIV11 pretende não utilizar.

Além disso, 8 das 11 operações do portfólio, apresentam alienação do Imóvel e 11 dos 16 ativos estão fora do estado de São Paulo, estado que deve ser o mais afetado.

O administrador também ressaltou sobre o resultado do fundo referente a março/20. Disse que a maioria dos pagamentos das operações já foram realizadas e o RBIV11 deve receber neste mês as receitas de maneira integral.

Portanto, de acordo com o documento, a estimativa para os rendimentos referentes a março é de aproximadamente R$ 0,35 por cota.

Entendemos que os impactos do COVID-19 serão sentidos a partir de abril/20 e qualquer novidade neste sentido, bem como com mais definições do cenário atual, será informada oportunamente para o mercado em geral, destacou o Rio Bravo.

O FII Rio Bravo Crédito Imobiliário IV iniciou suas atividades no dia 16 de dezembro de 2019 e tem como objetivo proporcionar um retorno que seja acima do CDI por meio do investimento em ativos imobiliários de renda fixa, preponderantemente em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI).

As cotas do RBIV11 começaram a ser negociadas no dia 27 de dezembro de 2019 e, atualmente, o fundo possui cerca de 2,5 mil cotistas, prazo de duração indeterminado, pagamento de rendimentos mensais e um patrimônio de aproximadamente R$ 100 milhões.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Desenvolvedor de conteúdos

Formado em Engenharia de Produção pela FAACZ, com experiência de mais de 5 anos no mercado financeiro do Brasil. Investidor e desenvolvedor de conteúdos sobre o mercado imobiliário, economia e investimentos.

Comentários