RCRB11: FII de lajes se comporta com extrema cautela em suas distribuições

A Rio Bravo Investimentos, administrador e gestor do FII Rio Bravo Renda Corporativa (RCRB11), divulgou ao mercado o relatório de resultados referente ao mês de abril/20.

Tendo em vista o atual cenário de incertezas devido aos avanços da pandemia e seus efeitos econômicos, a Rio Bravo afirmou que está buscando todas as alternativas possíveis para manutenção dos aluguéis vigentes.

Contudo, ressaltou que tal cenário tem gerado baixa previsibilidade na distribuição de rendimentos no curto prazo. Devido a este motivo, esclareceu que o nível de distribuição atual será monitorado e ajustado com extrema cautela, sempre visando o interesse dos cotistas, a saúde financeira do fundo e da disponibilidade operacional dos locatários mais afetados pela crise.

RCRB11: Acontecimentos importantes no mês de abril e início de maio

  • Inadimplência da locatária Vip Office - Locação de Escritórios e Serviços LTDA, que ocupa 11 andares do edifício Parque Santos, o que corresponde a 5.135 m² de ocupação. A inadimplência representa um impacto negativo de aproximadamente R$ 0,11 por cota.
  • Outra locatária, cuja receita contratada representa R$ 0,01 por cota no resultado, ficou inadimplente.
  • Duas outras locatárias, cujas receitas representam, somadas, R$ 0,03 por cota no resultado, fizeram acordos para postergação dos aluguéis para o segundo semestre, com devidas correções monetárias podendo ser aplicadas.
  • Foi assinado um CCV (“Compromisso de Compra e Venda de Imóvel”) para uma possível alienação da participação em um dos imóveis que compõem o portfólio do fundo, o que deverá gerar resultado extraordinário para os cotistas.
  • Foi divulgado o resultado da consulta formalizada que aprovou alterações importantes no regulamento do fundo.

Carteira de ativos: O patrimônio do RCRB11 é composto por 11 ativos localizados nas cidades de São Paulo (92,6%) e Rio de Janeiro (7,4%). O Edifício mais significativo representa 16,6% da Área Bruta Locável (ABL) e o inquilino de maior peso, 17,3% da receita.

Os locatários do fundo também é amplo e diversificado, abrange cerca de 15 setores diferentes, sendo os principais alimentos e bebidas, financeiro, de tecnologia e de saúde, e que somados correspondem a mais de 50% da receita.

Ainda que eventualmente impactos de curto prazo possam acontecer, a Rio Bravo tem convicção de que o fundo possui um portfólio de excelente qualidade, com localizações irreplicáveis e com difícil reposição.

Estes fatores, de acordo com o relatório, aliados a um trabalho de gestão realizado por uma empresa experiente no mercado de fundos imobiliários, com mais de 20 anos de atuação no setor, indicam que o fundo deverá permanecer gerando renda imobiliária sustentável e de longo prazo.

Rendimentos: No mês de abril, o RCRB11 apresentou um resultado de R$ 0,54 mas distribuiu R$ 0,75, ambos por cota. Para o mês, a distribuição foi equivalente a 0,44% (cota base R$ 169,00).

rcrb11

Rentabilidade: Suas cotas valorizaram 10,33%, saindo de R$ 150,00 em 31 de março, para R$ 165,50 em 30 de abril. No dia de ontem, 21 de maio/20, a cota fechou sendo negociada a R$ 164,00.

Liquidez: O número de cotas negociadas teve aumento de 226% e o volume médio diário negociado aumentou em 220%, ambos frente o mesmo mês de 2019. O valor de mercado do RCRB11 teve aumento de 32,4% em 12 meses.

rcrb11

Histórico do RCRB11 sob gestão da Rio Bravo Investimentos

rcrb11

RCRB11, fundo imobiliário com gestão ativa do tipo tijolo, possui cerca de 20,5 mil cotistas e tem por objetivo a realização de investimentos em lajes corporativas, priorizando os segmentos comercial e empresarial. Sua taxa de administração e gestão é de 0,7% ao ano sobre ser valor de mercado.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Desenvolvedor de conteúdos

Formado em Engenharia de Produção pela FAACZ, com experiência de mais de 5 anos no mercado financeiro do Brasil. Investidor e desenvolvedor de conteúdos sobre o mercado imobiliário, economia e investimentos.

Comentários