VGIR11: Estratégia do fundo busca oportunidades e diversificação



Quer receber todas as notificações desse FII? Seguir FII Seguir Fundo

Valora RE III (VGIR11) é um fundo imobiliário do tipo papel administrado pelo BTG Pactual e tem como finalidade o objetivo de investir principalmente em Certificados de Recebíveis Imobiliários - CRI.

Segundo informou seu relatório divulgado ao mercado nesta sexta-feria, 13 de março de 2020, o fundo encerrou o mês de fevereiro com 93,5% de seu patrimônio líquido alocado em CRI.

Os recebíveis estão distribuídos em 36 diferentes operações, num total investido de R$408,8 milhões. Os demais recursos estão investidos em instrumentos de caixa.

O foco da gestão do VGIR11 (Valora Gestão de Investimentos) é trabalhar com a maior alocação possível em CRI.

O Valora RE III entende que um dos pilares de diferenciação importante da sua estratégia de investimentos é a capacidade da gestora em originar e estruturar operações, muitas delas exclusivas.

Outro pilar fundamental, segundo relatou o documento, é o processo continuo e criterioso de acompanhamento e monitoramento dos ativos, feito diretamente no nível do lastro de cada uma das operações.

VGIR11 - 92,7% de sua carteira está em ativos indexados ao CDI

Pelo fato do VGIR11 ter a vasta maioria de sua carteira atrelada ao CDI, o número de dias úteis dentro do mês tem influência no valor absoluto da distribuição mensal.

Nesse sentido, o mês de fevereiro teve apenas 18 dias úteis, e a distribuição de rendimentos auferida, comparativamente ao CDI, foi superior a média de rentabilidade média apresentada pelo fundo.

Rendimentos:

  • A distribuição será de R$0,55 por cota, equivalente a uma rentabilidade líquida de CDI + 3,64% ao ano com base no valor da cota de R$100,00;
  • Os rendimentos acumulados nos últimos 12 meses foi de R$8,37 por cota (equivalente a CDI + 2,97% ao ano); e
  • Desde o início do fundo foi de R$13,50 por cota (equivalente a CDI + 2,79% ao ano).

Todas essas rentabilidades foram calculadas com base no valor da cota de R$100,00.

O VGIR11 encerrou o mês de fevereiro de 2020 com uma reserva de caixa equivalente a R$ 0,07 por cota para eventuais despesas, incluindo taxa de performance.

Estratégia do VGIR11 busca oportunidades e diversificação nos segmentos dos recebíveis

De acordo com sua estratégia, a minimização da posição de caixa aumenta a eficiência do VGIR11, com o objetivo de entregar rendimentos superiores aos cotistas.

Ao mesmo tempo, a Valora mantem posições em CRI com boa liquidez, o que permite aproveitar eventuais oportunidades de mercado.

Atualmente, sua exposição está praticamente em todos os segmentos do mercado imobiliário, embora seja mais concentrado no segmento residencial.

Para estruturar essa alocação, a gestão entende que os fatores micro (localização, produto, inserção de mercado etc.) são os de maior influência para o mercado imobiliário, embora sempre tendo como base maior os fatores macroeconômicos.

No que tange suas operações, o VGIR11 focaliza seus investimentos em operações exclusivas, em sua maioria estruturadas pela própria gestora.

Isso permite uma participação ativa em todo o processo, desde a estruturação e precificação, até o acompanhamento dos CRI.

Cotas do VGIR11 desvalorizam 5,6% em fevereiro

A negociação das cotas do Valora RE III foi iniciada em 3 de agosto de 2018, com o preço de abertura correspondente a R$100,00.

No dia 28 de fevereiro de 2020, o valor da cota fechou em R$ 101,00. Esse valor é 5,6% menor que o fechamento do mês de janeiro/20 (R$107,00).

Outro ponto de destaque foi o aumento do número de cotistas do VGIR11, que chegou a 28.575 cotistas ao final de fevereiro, frente a 22.225 em janeiro.

VGIR11 é destinado a investidores em geral e possui um patrimônio líquido de R$ 437,4 milhões.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários