XPCM11 - Administrador convoca assembleia para falar sobre troca de Gestor

A  administradora (Rio Bravo) do XP Corporate Macaé FII (XPCM11) informou aos seus cotistas que fará uma assembleia no próximo dia 28 de novembro, onde terá como pauta deliberar a substituição da gestão do fundo, da XP Gestão de Recursos Ltda, pela XP Vista Asset Management Ltda.

Os cotistas que estiverem inscritos no registro de cotistas hoje (06) poderão participar da assembleia. A aprovação do assunto dependerá da maioria de votos dos cotistas presentes.

A gestora ressaltou, no entanto, que nos termos do seu regulamento, os cotistas também poderão votar por meio de comunicação escrita ou eletrônica, por meio da entrega de voto eletrônico, desde que recebidos pela administradora antes do início da assembleia.

Em relação à nova gestão proposta, o documento informou que a XP Vista é a gestora do Grupo XP responsável pela gestão de Fundos de Investimento Imobiliários e demais fundos estruturados.

Nesse sentido, diversos outros fundos imobiliários que ficavam sob a gestão da XP Gestão também tiveram sua gestão migrada para a XP Vista, tais como:

Em nota, foi destacado também que a substituição da gestora não implicará em alteração da taxa de administração vigente, que atualmente é de 0,80% ao ano.

Resultados, informações e rendimentos do XPCM11

Conforme o seu comunicado ao mercado divulgado no último dia 10 de julho, a Petrobras formalizou sua intenção de desocupar o imóvel Corporate Macaé no final de dezembro de 2020.

Com isso, a locatária deverá cumprir alguns acordos, sendo eles:

  • Realizar o pagamento integral dos aluguéis;
  • Cumprir com o total da multa prevista, que é de R$ 21,5 milhões, ou R$ 8,91/cota;

Em seu último relatório gerencial referente a setembro/19, o gestor e o consultor imobiliário anuciaram que estão  aprofundando o diagnóstico da região, em conjunto com algumas empresas de corretagem, para prospecção de potenciais locatários para alugar o imóvel quando da entrega pela Petrobras.

Além disso, inteiraram também que, conforme comunicado ao mercado publicado em setembro útimo, em decorrência da formalização da Petrobras da intenção de desocupar o imóvel, o administrador e o gestor optaram por reduzir as distribuições de R$ 0,85 para até R$ 0,81 por cota, com o objetivo de aumentar o caixa disponível do fundo para a realização de eventuais adequações e investimentos no imóvel exigidas por novos locatários.

Portanto, devido a este motivo, a última distribuição de dividendos foi de R$ 0,81 por cota, já paga em 14 de outubro.

Por fim, cabe destacar, também, que no primeiro semestre, foi distribuído montante superior a 95% dos lucros, evidenciando a conformidade da política de distribuição de rendimentos do fundo, que determina a distribuição de, no mínimo, 95% do resultado financeiro semestral.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Desenvolvedor de conteúdos

Formado em Engenharia de Produção pela FAACZ, com experiência de mais de 5 anos no mercado financeiro do Brasil. Investidor e desenvolvedor de conteúdos sobre o mercado imobiliário, economia e investimentos.

Comentários