Antes de ser BM&FBovespa, a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) já era a maior bolsa brasileira.

Desse modo, a BM&F é um mercado no qual as negociações de contratos futuros de commodities, índices, taxas de juros e moedas são bem expressivas.

Portanto, a BM&F é o segmento onde são negociados contratos futuros de commodities e derivativos financeiros de índices e moedas. Ou seja, em vez de Petrobras, Vale e Usiminas, na BM&F o investidor compra e vende contratos de boi gordo, café, soja, milho, índices futuros.

Os grandes investidores do mercado e as pessoas que fizeram fortunas no mercado de capitais estão nos mercados futuros.

Desse modo, nos Estados Unidos é comum nos jornais ter as cotações das commodities, onde os investidores investem seu capital, assim como fazem em uma ação de empresa listada em bolsa.

Com isso, a fusão entre a Bolsa de Mercadorias de São Paulo e a Bolsa Mercantil de Futuros deu origem a BM&F – Bolsa de Mercadorias e Futuros.

Entenda como surgiu a BM&FBovespa 

bm&f

A Bolsa de Mercadoria de São Paulo foi criada por empresários paulistas, que possuíam ligação com exportações, comércio e à agricultura em 26 de outubro de 1917.

Essa foi a primeira bolsa a realizar operações no Brasil e logo tornou-se conhecida pelas negociações de contratos agropecuários principalmente de café, boi gordo e algodão.

A Bolsa Mercantil de Futuros, que já utilizava a sigla BM&F surgiu em julho de 1985, tendo o início dos pregões de negociações no dia 31 de janeiro de 1986.

Logo depois, apesar de jovem, teve um crescimento exponencial e logo ganhou destaque por disponibilizar a negociação de produtos financeiros nas mais variadas modalidades operacionais.

A tradição da Bolsa de Mercadorias de São Paulo e o destaque da Bolsa Mercantil de Futuros fez com que em 9 de maio de 1991 ambas fechassem um acordo e assim unissem suas atividades operacionais.

Com ambição de se tornar umas das principais bolsas da América Latina, em de 30 de junho de 1997 ocorreu um acordo operacional com a Bolsa Brasileira de Futuros, que fora fundada em 1983 na cidade do Rio de Janeiro.

Com isso, o que fortaleceu ainda mais o mercado nacional de commodities, se tornando assim o principal centro de negociação de derivativos do Mercosul e sobre a sigla de BM&F – Bolsa de Mercadorias e Futuros.

Entretanto, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que é focada no mercado à vista de ações, em 26 de março de 2008 consolida a união que deu o novo nome de BM&F Bovespa.

BM&FBovespa – Brasil Bolsa e Balcão (B3)

Em março de 2017 a BM&F Bovespa integrou-se à Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos (Cetip), formando a Brasil, Bolsa e Balcão (B3).

Atualmente chamada B3, é uma das principais empresas de infraestrutura de mercado financeiro no mundo, com atuação em ambiente de bolsa e de balcão.

Uma sociedade de capital aberto, cujas ações são negociadas no Novo Mercado. A companhia também integra o índice Ibovespa entre outros.

Ao mesmo tempo, é uma inovação em produtos e tecnologia e com posição global de destaque no setor de bolsas.

Uma gigante que desenvolve, conecta e viabiliza o mercado financeiro e de capitais.

Definitivamente, podemos mensurar a BM&F Bovespa, atualmente B3, uma empresa totalmente direcionada para a inovação e desenvolvimento e voltada para o benefício constante de seus usuários.

Marcos Baroni
Marcos Baroni Especialista em FIIs (Suno Research)

Marcos Baroni é especialista em Fundos Imobiliários. Professor há 20 anos em cursos de Graduação e MBA nas áreas de Gestão de Projetos e Processos.

Comentários