Fundos de investimento - Um guia completo para o investidor



Os fundos de investimento têm empolgado muitos investidores devido ao seu potencial de rentabilidade ter se destacado no mercado de aplicações.

Além de ter a possibilidade de possuir vários ativos em seu portfólio, os fundos de investimento contam com a comodidade de ter um profissional altamente qualificado para fazer a sua gestão.

Por isso, antes de investir, é necessário que o investidor entenda o funcionamento desta aplicação para assim poder escolher os melhores fundos de investimento e compor a sua carteira.

Confira os temas que serão abordados e tenha uma boa leitura!

O que são fundos de investimento? 

Fundos de Investimento

Os fundos de investimento são aplicações de um conjunto de investidores, chamados de cotistas, que passam para um gestor profissional a responsabilidade de investir em uma variada cesta de ativos, em diferentes mercados.

Esses ativos financeiros podem ser, títulos públicos, títulos de renda fixa, ações, derivativos, commodities, cotas de outros fundos, dentre outros.

Para ficar claro, veja esse exemplo comparativo:

O fundo funciona de maneira bem semelhante a um condomínio residencial.

Vamos supor que cada condômino é dono de uma cota (um apartamento) e paga a alguém (síndico ou administrador) para administrar.

Nesse sentido, é necessário que o administrador coordene as diversas tarefas do condomínio (jardineiro, limpeza, porteiro, manutenção de elevadores e equipamentos de academia, entre outros).

Assim, o condômino paga um valor pelo serviço (taxa de condomínio) e fica tranquilo quanto as preocupações de seu ativo.

Nos fundos acontece exatamente assim, o investidor paga uma taxa para um administrador profissional tomar conta de seus recursos.

É interessante lembrar que nos fundos, os investidores são donos das suas cotas, mas a propriedade dos bens pertence ao fundo.

Mas o que é uma cota? 

Cota corresponde a frações de um determinado patrimônio, e sempre são escriturais e nominativas.

A cota, portanto, é a menor fração do patrimônio líquido do fundo. Veja como é simples calcular:

Valor da cota = Patrimônio líquido/Número de cotas

Fundos de investimento – Como funcionam? 

Fundos de Investimento

Para o investidor, os fundos de investimento podem funcionar como uma aplicação normal.

Para isso, é feito a aplicação e os rendimentos podem ser monitorados periodicamente.

Assim, basta escolher aquele que está adequado ao perfil do investidor.

Entretanto, é preciso ficar atento às peculiaridades desse tipo de investimento.

São elas: o recolhimento do Imposto de Renda, as taxas (administração, performance e saída), prazos de resgate, política de investimentos, entre outras.

Por outro lado, existem algumas funções e responsabilidades que os fundos de investimento devem cumprir e obter para que eles possam funcionar. Veja quais são:

  1. Administrador: Responsável legal pelo funcionamento do fundo;
  • Controla todos os prestadores de serviços e defende os interesses dos cotistas.
  • Responsável pela comunicação com os cotistas.
  1. Custodiante: Responsável pela “guarda” dos ativos do fundo;
  • Responde pelos dados e envio de informações do fundo para os gestores e administradores.
  1. Distribuidor: Responsável pela venda das cotas do fundo;
  • Pode ser o próprio administrador ou terceiros contratados por ele.
  1. Gestor: Responsável pela compra e venda dos ativos do fundo;
  • Quando há aplicação no fundo, cabe ao gestor comprar ativos para a carteira.
  • Quando houver resgate, o gestor terá que vender ativos da carteira.
  1. Auditor independente: Todo fundo deve contratar para que audite as suas contas;

Tipos de fundos de investimento 

Fundos de Investimento

No Brasil, existem 6 tipos de fundos de investimento, os quais dentro deles podem se distribuir os diversos setores do mercado financeiro.

Confira agora quais são e suas definições:

Fundos abertos

  • Os cotistas podem solicitar o resgate a qualquer momento.
  • O número de cotas do fundo é variável, e por esse motivo, ele é recomendado para abrigar ativos com liquidez mais alta.

Fundos fechados

  • Nestes, o cotista só pode resgatar as suas cotas ao término do prazo de duração ou em virtude de eventual liquidação.
  • Ainda há a possibilidade de resgate caso haja a deliberação por parte da assembleia geral.
  • Se o cotista quiser vender as suas cotas antes, ele deverá procurar algum outro investidor interessando em ingressar no fundo.

Fundos restritos

  • Já esses, são constituídos para receber investimentos de um grupo restrito de cotistas.
  • Normalmente são membros de uma mesma família ou empresas de um mesmo grupo econômico.

Fundos exclusivos

  • Esse fundo é constituído para receber aplicações exclusivamente de um único cotista.
  • Somente investidores profissionais podem ser cotistas de fundos exclusivos

Fundos de investimento com carência

  • O regulamento do fundo pode estabelecer prazo de carência para resgate, com ou sem rendimento.
  • Seus resgates são feitos após o término da carência.

Fundos de investimento sem carência

  • Resgates a qualquer momento, isto é, liquidez diária.

Modelos de Fundos de Investimento

De acordo com a classificação da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) esses tipos de fundos podem se distribuir em modelos da seguinte forma:

  1. Fundos de renda fixa (FRF): Sua carteira é composta por títulos que rendem uma taxa previamente acordada. Esses fundos se beneficiam em um cenário de queda de juros, mas tem o risco de taxa de juros e eventualmente crédito.
  • FRF de curto prazo: Tem o objetivo de proporcionar a menor volatilidade possível dentre os fundos do mercado brasileiro.
  • FRF referenciado: Tem sua atuação restrita e respectiva nos mercados de derivativos à realização de operações com o objetivo de proteger posições.
  • FRF simples: Fundo que tem seu patrimônio representado por títulos da dívida pública federal.
  • FRF dívida externa: Fundo que tem seu patrimônio representado por títulos da dívida externa de responsabilidade da União.
  1. Fundos de ações (FA): Fundo com carteira de renda variável. Sua performance está sujeita a variação de preços.
  2. Fundos cambiais (FC): Esses fundos têm como principal indicador de sua carteira a variação de preços de moeda estrangeira ou a variação do cupom cambial.
  3. Fundos multimercado (FM): Sua politica de investimento envolve vários fatores de risco, sem o compromisso de concentração em nenhum ativo em especial.
  4. Fundos de investimento em cotas de fundos de investimento (FICFI): Seu principal objetivo é investir em cotas de outros fundos de investimento.
  5. Fundos de investimento em índice de mercado – Fundos de índice: O fundo é uma comunhão de recursos destinados à aplicação em carteira de títulos que vise refletir as variações de um índice de referência, por prazo indeterminado.
  6. Fundos de investimento em direitos creditórios (FIDC e FIC-FIDC): São constituídos por títulos de crédito originado de operações realizadas nas instituições financeiras, na indústria, arrendamento mercantil, hipotecas, prestação de serviços e outros títulos que possam ser admitidos como direito de crédito pela CVM.
  7. Fundos de investimento em participações (FIP): Adquirem ações, debêntures, bônus de subscrição ou outros valores mobiliários conversíveis ou permutáveis em ações de emissão de companhias, abertas ou fechadas. Os investidores que aplicam nesse instrumento financeiro se tornam proprietários de cotas do fundo e participam do processo decisório da empresa investida.
  8. Fundos de investimento em empresas emergentes (FIEE): Carteira direcionada para valores mobiliários de emissão de empresas emergentes. Empresa emergente – Empresa que apresente faturamento líquido anual, ou faturamento líquido anual consolidado, inferiores a R$150 milhões.
  9. Fundos de investimento imobiliário (FII): Destinam-se ao desenvolvimento de empreendimentos imobiliários, tais como construção e aquisição de imóveis prontos ou investimentos em projetos.

Fundos de investimento – Taxas 

Fundos de Investimento

As taxas são cobradas para a manutenção e despesas de um fundo. Nesse sentido, conheça o que pode ser cobrado nessas aplicações.

  • Taxa de administração

Percentual pago pelos cotistas para remunerar todos os prestadores de serviço do fundo.

É uma taxa expressa ao ano, mas calculada e deduzida diariamente.

Essa taxa afeta no valor da cota, porém, a rentabilidade divulgada pelo fundo já vem líquida dessa cobrança.

  • Taxa de performance

Percentual cobrado quando a rentabilidade do fundo supera a de um indicador de referência.

Essa cobrança é feita após a dedução de todas as despesas e tem sua periodicidade semestral.

Linha d’agua – metodologia utilizada para a cobrança da taxa de performance.

  • Taxa de ingresso ou de saída

São cobradas na aquisição de cotas do fundo ou quando o investidor solicita o regate.

A taxa de saída é normalmente mais cobrada, devido existir um prazo para o resgate das cotas e o investidor quer fazer a retirada antes.

Melhores fundos de investimento 

Fundos de Investimento

Normalmente, as pessoas que querem investir em fundos de investimento procuram essas aplicações em bancos comercias ou corretoras.

Porém, devido o mercado financeiro não ser muito “popularizado” no Brasil, as instituições financeiras com mais influência acabam se destacando no setor.

Por conta disso, os fundos de investimento mais procurados são:

  • Fundos de investimento Xp
  • Fundos de investimento BB
  • Fundos de investimento Caixa
  • Fundos de investimento Santander
  • Fundos de investimento Itaú
  • Fundos de investimento Bradesco

Mas, o investidor precisar saber que, os melhores fundos de investimento estão adequados para cada perfil do investidor.

Por isso, para que não seja feita uma escolha errada na hora de investir, conheça os três perfis de um investidor, para assim saber quais são os melhores fundos de investimento.

  • Perfil conservador: Esse investidor possui a segurança como ponto decisivo para suas aplicações.

Em razão de sua baixa tolerância ao risco, busca produtos de investimentos que objetivam a preservação do patrimônio.

Tem por satisfeito uma rentabilidade que corrija a variação da inflação ao longo do tempo, preservando o poder de compra.

A expectativa de rentabilidade para uma carteira conservadora é de 105% do CDI, admitindo uma volatilidade (risco) de 0,70%.

  • Perfil moderado: Já este deseja segurança em seus investimentos, mas aceita algum tipo de risco para obter retornos acima da média.

Busca ganhos a médio-longo prazo e, geralmente, detém algum tipo de conhecimento sobre investimentos.

O investidor de perfil moderado almeja uma rentabilidade que supere a inflação, obtendo ganhos reais para o seu patrimônio.

A expectativa de rentabilidade para uma carteira moderada é de 115% do CDI, admitindo uma volatilidade (risco) de 2%.

  • Perfil agressivo: O investidor agressivo está associado a clientes que possuem total conhecimento e domínio do mercado financeiro e de investimentos.

Este investidor busca retornos expressivos, suportando quaisquer riscos.

O investidor de perfil agressivo almeja elevada rentabilidade para o seu patrimônio e, por isso, lida com naturalidade prejuízos e longos períodos no negativo, se necessário.

A expectativa de rentabilidade de longo prazo para essa carteira é de 140% do CDI, admitindo uma volatilidade (risco) de 8%.

Bom, agora o investidor já pode escolher os seus investimentos de acordo com seu perfil.

Portanto, para exemplificar, vamos abordar apenas um fundo em específico, o qual tem se mostrado um ótimo investimento e cabe na carteira dos três perfis do investidor.

Fundos de Investimento Imobiliário (FII) 

Fundos de Investimento

Os fundos de investimento imobiliário são condomínios de investidores, administrados por instituições financeiras e fiscalizados pela CVM.

Tem por objetivo aplicar os seus recursos no mercado imobiliário, em desenvolvimento de empreendimentos, imóveis prontos ou títulos financeiros do setor, que são os CRIs, LCIs e LHs.

Os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e as Letras Hipotecárias são títulos que tem como base o investimento no setor imobiliário.

Podem participar do patrimônio de um fundo, um ou mais imóveis, parte de imóveis e direitos a eles relativos.

Para investir nesse mercado é muito fácil e prático, basta comprar cotas através do mercado de bolsa da B3 - Brasil, Bolsa e Balcão.

Temos o exemplo do Fundo Square Faria Lima. Com menos de R$ 5,00 o investidor consegue comprar suas cotas através de seu código FLMA11.

Veja algumas vantagens que os fundos de investimento imobiliário oferecem ao investidor:

  • Menor custo – Comparando com uma compra direta de um imóvel, o investidor não terá gastos com taxas de certidões, escritura, registro, entre outros. Esses gastos podem chegar a 7% do valor do imóvel.
  • Acesso a investimentos em imóveis de qualidade – O FII possibilita qualquer investidor a investir em empreendimentos de alta qualidade através da compra de cotas.
  • Diversificação – O investidor pode compor sua carteira com cotas de vários FII de segmentos diferentes, como hotéis, galpões logísticos, shoppings, lajes corporativas, etc.
  • Fracionamento – Possibilita a compra ou venda de cotas por unidade, ou seja, o investidor poderá colocar suas ordens de compra de acordo com sua disponibilidade, ou sua ordem de venda, de acordo com sua necessidade financeira.
  • Transparência – Como as quotas são negociadas no ambiente da B3 (Brasil, Bolsa e Balcão) e tem a visualização de todo mercado financeiro, possibilita-se uma negociação pelo melhor preço no momento.
  • Comodidade - Quanto à gestão, no caso de FII, o investidor tem a comodidade de não ter preocupações de administração dos imóveis, com cobrança e renovação de contratos, manutenção, recolhimento de impostos, entre outras.
  • Benefícios fiscais à pessoa física - Isenção de IR sobre os rendimentos mensais recebidos pelos cotistas, ao contrário da tributação incidente em aluguéis recebidos pelo detentor de um imóvel – IR com alíquota progressiva de 0% até 27,5%.

Em linhas gerais, esse tipo de fundo merece uma atenção especial do investidor que almeja ganhos expressivos ao longo prazo, com segurança, tranquilidade e qualidade.

Fundos de investimento – Considerações 

Literalmente, há muitas opções de fundos de investimento no mercado financeiro do Brasil, por isso, é interessante que o investidor analise bem antes de qualquer escolha.

Pois, existem vários tipos e diferentes modelos para todos os perfis de investidores. Logo, é essencial que se conheça esse mercado para não optar por decisões erradas.

No entanto, se o investidor está iniciando no mercado e ainda possui muitas dúvidas, é aconselhável procurar um assessor de investimentos para que ele possa auxiliar nas escolhas e decisões.

Por fim, os fundos de investimento são um ótimo caminho para o investidor que deseja aplicar os seus recursos de forma diversificada, tranquila e rentável.

Rafael Campagnaro
Rafael Campagnaro Head de Conteúdo

Engenheiro por formação, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado financeiro no FIIs.com.br desde que iniciou no universo das finanças.




Comentários