Recebemos diariamente centenas de perguntas através de nossas redes sociais, e ontem (25), uma especificamente nos chamou a atenção.

Um seguidor nos perguntou, não necessariamente nessas palavras, mas algo como:

"Tenho 40 anos. Ainda dá tempo de começar a investir em fundos imobiliários?"

E a nossa resposta para essa pergunta é um categórico e direto "SIM, SEM DÚVIDAS".

E diríamos ainda mais...

Não existe limite etário para quem deseja iniciar nos investimentos.

Obviamente que o fator tempo sempre contribui para resultados positivos no longo prazo.

No entanto, investir é muito mais que apenas juntar dinheiro e aplicar.

É um estilo de vida. É uma terapia. É um hábito prazeroso. É um hobby que possibilita se fazer novos amigos...

Enfim, investir não é apenas sobre o dinheiro, em si. É muito mais que isso.

Como é uma atividade que depende mais de raciocínio do que qualquer outra coisa, não existe idade limite para se iniciar.

É como jogar xadrez, ou pôquer.

Pessoas de qualquer idade podem começar, independentemente de suas condições físicas.

O que é importante é a vontade de aprender.

Portanto, independente da sua idade, comece hoje mesmo, e leve adiante essa filosofia de vida.

Estamos apenas engatinhando aqui no Brasil em termos de tamanho da indústria de fundos imobiliários.

Portanto, quanto mais pessoas você conseguir falar sobre, mais rápido será o nosso desenvolvimento.

Contamos com você nessa missão.

Não importa se você tem 8 ou 80 anos, no mercado todos são plenamente iguais.

O que nos diferencia são apenas as nossas premissas, o que é excelente.

Imagina se todos tivéssemos as mesmas teses sobre todos os ativos?

Simplesmente não existiria liquidez no mercado.

Portanto, comece logo e não pare nunca mais, estude bastante, seja independente e tome suas próprias decisões.

Conte conosco!

Rafael Campagnaro
Rafael Campagnaro Head de Conteúdo

Engenheiro por formação, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado financeiro no FIIs.com.br desde que iniciou no universo das finanças.

Comentários