HOSI11 - Housi aposta em novo formato de moradia e investimento

Acompanhando o movimento crescente da chamada economia compartilhada, que transforma ativos em serviços, surgiu a Housi. Spin off da construtora Vitacon, a startup criou uma plataforma digital de gestão e aluguel de apartamentos que aplica o conceito on demand para a moradia.

A popularidade do conceito já é vista no dia a dia: cada vez mais pessoas deixam de ter carro próprio, ou mesmo uma bicicleta, para usar aplicativos de mobilidade como Uber, Yellow e Lev, por exemplo.

“Hoje, muitos preferem pagar pelo tempo de uso e não pela aquisição do bem. Acredito que esse também será o futuro das moradias”, diz Alexandre Frankel, CEO da Housi.

“Cada vez menos faz sentido o modelo de moradia em que a pessoa se endivida por vários anos para comprar uma casa própria”, continua Frankel.

Moradia On demand

Por enquanto, a Housi opera apenas em São Paulo. Através da plataforma, as pessoas alugam apartamentos decorados em localidades estratégicas pelo tempo que quiserem. Tudo pelo celular.

Além de gerir os anúncios e disponibilidade dos imóveis em vários meios (Rappi, booking, airbnb etc.), a Housi administra obras, decoração, pagamento e gestão de contas, serviços e limpeza.

“Tudo para que moradores e investidores tenham tranquilidade e tempo para fazer o que realmente gostam”, explica o CEO da Housi.

Precificação inteligente e rentabilidade

A precificação dos aluguéis é feita por inteligência artificial.

O algoritmo calcula de acordo com a localidade e período de estadia, de forma a otimizar a ocupação e a rentabilidade. O aluguel dos apartamentos geridos pela Housi varia de R$ 100 a R$ 300 por noite ou R$ 1.800 a R$ 6.500 por mês.

Os valores têm garantido a proprietários que investiram seus imóveis na Housi uma rentabilidade até 40% maior quando comparada ao aluguel tradicional.

Investimentos e crescimento

Visando a expansão do modelo com rentabilidade superior ao aluguel tradicional, foi criado o Fundo de Investimento Imobiliário Housi, coordenado pelo BTG Pactual e pela EasyInvest.

A primeira emissão de cotas será no montante de R$ 350 milhões, voltados à aquisição de ativos – imóveis nos quais será aplicado o modelo de gestão inteligente da Housi – cujo rendimento será distribuído entre os cotistas.

O fundo é voltado para investidores institucionais e não institucionais. O período de reserva se encerra dia 16 de dezembro de 2019 e permite investimentos a partir de R$ 1 mil. Para conhecer mais sobre o fundo imobiliário, acesse este link.

Rafael Campagnaro
Rafael Campagnaro Head de Conteúdo

Engenheiro por formação, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado financeiro no FIIs.com.br desde que iniciou no universo das finanças.

Comentários