Valuation – Procure ser sempre independente



Muito se debate a sobre a questão do preço dos ativos.

Preço importa ou preço não importa?

Acreditamos que o preço importa para tudo na vida, PRINCIPALMENTE no mercado de capitais.

Contudo, o desafio maior não é discutir se o preço importa ou não, mas sim descobrir como precificar os ativos, e é aí que entra o Valuation na história.

Valuation é a arte de precificar as coisas.

Não só fundos imobiliários e ações, mas tudo que pode ser comprado e vendido.

A título de exemplificação, um Honda Civic é um excelente carro – e provavelmente poucas pessoas iriam discordar disso – mas você toparia pagar R$ 200 mil em um?

Lembrar desse exemplo ajuda muito na questão do preço dos ativos.

Além disso, é importante procurar manter em mente que a informação e o conhecimento não estão embutidos apenas nos relatórios emitidos pelas gestoras.

A informação e o conhecimento estão, principalmente, na mente das pessoas.

Existem, basicamente, dois tipos de conhecimento: o explícito e o tácito.

O explícito é o formal, claro, regrado e que, via de regra, está presente e pode ser comunicado por meio de relatórios ou documentos de forma sistemática.

Já o tácito é o saber adquirido por meio da experiência de cada indivíduo, difícil de ser sistematizado e formalizado em normas, regras ou padrões, ou seja, não está registrado nos relatórios e documentos formais.

Por sua natureza, portanto, é muito complexo sistematizar o conhecimento tácito, mesmo diante de todos os avanços tecnológicos, pois ele depende de aspectos cognitivos nativos do ser humano.

Dito isso, não tente imitar o racional de uma pessoa, seja ela quem quer se seja.

Ouça as ideias, mas as use para comparar com as suas pessoais e tirar as suas próprias conclusões.

A capacidade individual de cada pessoa de criar conexões a partir de informações é que irá gerar vantagem competitiva não só nos investimentos, mas em todos os aspectos da vida, pois essas interpretações culminarão com a construção de uma visão sobre melhores caminhos a serem seguidos.

Portanto, o Valuation tem muito mais conexão com a capacidade de refletir, pensar, desenvolver raciocínio crítico e gerar conexões com base no conhecimento explícito do que com o modelo de uma equação matemática.

Tudo indica que as novas fronteiras do conhecimento, portanto, serão desbravadas por aqueles indivíduos que conseguirem fazer as conexões adequadas de acordo com as informações que tem à disposição.

Aprender a desaprender é a bola da vez!

Portanto, evite assumir premissas de terceiros, busque ser independente e parta do princípio das suas próprias conexões internas.

Valuation é uma arte, e imitar a arte de outras pessoas pode ser desastroso no longo prazo.

Conte conosco!

Rafael Campagnaro
Rafael Campagnaro Head de Conteúdo

Engenheiro por formação, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado financeiro no FIIs.com.br desde que iniciou no universo das finanças.




Comentários