AZ Quest lança fundo com retorno potencial de quase 15% ao ano

Novo fundo lançado pela AZ Quest pode alcançar um retorno médio líquido de CDI + 4,6%; saiba mais

AZ Quest lança fundo com retorno potencial de quase 15% ao ano
AZ Quest lança fundo com retorno potencial de quase 15% ao ano. Foto: Divulgação

A gestora AZ Quest lançou nesta segunda-feira (15) mais um fundo de participações em infraestrutura, o AZ Quest Infra-Yield II FIP-IE (AZIN11). Em sua primeira oferta de cotas, o fundo arrecadou R$ 101,55 milhões. Nas projeções da gestora, o novo produto terá uma distribuição mensal média de R$ 1,19 por cota, o equivalente a um dividend yield médio (anual) de 14,7%. 

O retorno médio líquido para o investidor poderá alcançar a marca de CDI + 4,6%. Porém, tais valores são estimativas, não configurando garantia ou promessa de retorno.

A estratégia do fundo busca lastrear a rentabilidade dos ativos à variação do CDI mais spread de crédito dos emissores. O fundo é negociado na B3. 

Segundo o prospecto da oferta, o AZIN11 tem um pipeline de R$ 403 milhões de investimentos em diversos setores do mercado de infraestrutura, seguindo a seguinte proporção nos segmentos:

Pelo menos 45% do portfólio conta com “kickers de perfomance”, que são “remunerações extras” quando os tomadores da dívida do fundo alcançam retornos acima da média.

Além do AZIN11, o outro fundo FIP-IE da AZ Quest tem performance positiva em 10 meses na bolsa 

Além do AZIN11, a gestora também conta com outro FIP-IE em seu portfólio, o AZQI11. O “irmão” do AZ Quest Infra-Yield II FIP-IE, lançado em março de 2023, possui um histórico uma performance bruta de 15,23%. 

No mesmo período, o CDI acumulado foi de 9,62%. Neste caso, o dividend yield médio do fundo desde seu IPO é de 15,92%.

Segundo a gestora, o lançamento do FIP-IE amplia a estratégia de infraestrutura da casa para quase R$ 1 bilhão, superando os R$ 2 bilhões sob gestão em fundos do agronegócio, infraestrutura e imobiliários. 

Com R$ 24 bilhões sob gestão, a AZ Quest agora possui cinco fundos alternativos com R$ 2,5 bilhões de patrimônio líquido na área. O CEO Walter Maciel disse ao Valor Econômico que a gestora quer que a fatia de alternativos alcance o total sob 50% em cinco anos.

A grande vantagem dos fundos do tipo FIP-IE é sua dupla isenção fiscal. Por se tratarem de fundos de estímulo ao investimento em infraestrutura, tanto os proventos quanto o ganho de capital na venda das cotas são isentos de imposto de renda.

Tags
foto: Gustavo Silva
Gustavo Silva

Jornalista com doutorado pela UFMG e produtor de conteúdo da unidade de mídias da Suno. Também trabalha no Suno Notícias e Funds Explorer, fazendo a cobertura de FIIs, Fiagro e FI-Infra.

últimas notícias