Construção Imobiliária - Empresas do setor estão em constante crescimento

O setor de construção civil brasileiro se mantém em constante crescimento e tem feito o número de unidades desse ramo crescer consideravelmente.

Depois de aproximadamente 6 anos, em 2019, a esfera de construção obteve um avanço positivo onde o reaquecimento das obras impulsionou os investimentos.

Por conta disso, a construção civil é apontada como um bom termômetro para investimentos e emprego, pois mobiliza muita mão de obra.

E isso não é por acaso. Vivendo essa minima história da taxa de juros (Selic), a todo momento, pessoas e empresas planejam realizar reformas em casas e escritórios e por conta isso, o setor de investimentos imobiliários pode ser uma grande alternativa para começar os investimentos neste próximo ano de 2020.

Nesse sentido, de acordo com informações disponibilizados pela Economatica, vamos mostrar algumas empresas deste setor, que registraram uma retomada na lucratividade e atingiram sua maiores altas no mercado.

Leia também:

Mercado Imobiliário – Tire todas as suas dúvidas e faça o melhor investimento

Construção - Empresas do segmento registram seu maior valor de mercado

O levantamento abaixo de empresas do setor de construção de edifícios residenciais listados em bolsa foi elaborado considerando os seguintes critérios:

  • Empresas com dados disponíveis trimestralmente de dezembro de 2014 até setembro de 2019;
  • Os valores do levantamento são todos nominais, sem nenhum ajuste por inflação;
  • Foram considerados os demonstrativos financeiros consolidados entregues à CVM de dezembro de 2014 até setembro de 2019;
  • A amostra considera 11 empresas listadas em bolsa.

Receita liquida operacional com Vendas

Receita líquida operacional trimestral das empresas da amostra no 3° trimestre de 2019 é de R$ 4,2 bilhões.

Para os últimos 4 trimestres as receitas do setor têm se mantido em níveis acima de R$ 4,0 bilhões, valor que não era registrado desde dezembro de 2015.

O pior trimestre da amostra aconteceu no 1° trimestre de 2018 quando as empresas do setor registraram R$ 2,7 bilhões e o melhor registro no 4° trimestre de 2014 com R$ 5,3 bilhões.

A MRV é a empresa com maior volume de receitas no 3° trimestre de 2019 com R$ 1,56 bilhões, seguida pela Cyrela Realt com R$ 934,7 milhões. A Even com R$ 357,9 milhões é a empresa que tem a maior queda percentual de vendas entre o 3° trimestre de 2019 e 2° trimestre de 2019, a empresa perdeu 39,4% no período.

Lucro líquido com crescimento constante

Nos últimos 20 trimestres (de dezembro de 2014 até setembro de 2019) o setor teve oito trimestres com prejuízo, sendo o pior momento no 4° trimestre de 2016 quando registrou prejuízo de R$ 488 milhões.

Nos últimos 4 trimestres o lucro consolidado do setor é positivo e com crescimento constante.

O melhor registro da amostra é no 4° trimestre de 2015 com R$ 631 milhões.

No 3° trimestre de 2019 as empresas do setor têm lucro de R$ 434 milhões.

A MRV é a empresa mais lucrativa no 3° trimestre de 2019 com R$ 160,1 milhões, seguida pela Cyrela Realt com R$ 104,3 milhões.

Três das onze empresas da amostra registram prejuízo no 3° trimestre de 2019 e a Tecnisa é tem o maior prejuízo com R$ 52,0 milhões.

Rentabilidade sobre o Patrimônio (ROE)

O ROE avalia a qualidade do lucro das empresas e na mediana o indicador do setor no 3° trimestre de 2019 é de 7,02%.

O setor não registrava ROE positivo há 11 trimestres e o melhor registro da amostra é no 3° trimestre de 2014 com 12,07%.

O pior momento do setor da amostra foi no 3° trimestre de 2017 com mediana de ROE de -8,24%.

No 3° trimestre de 2019 a Trisul tem o melhor ROE entre as empresas da amostra com 15,06%, seguida pela MRV com 14,19%. Somente as duas empresas têm ROE acima de 10%.

Lembramos que o ROE é calculado com o lucro líquido acumulado nos últimos quatro trimestres.

Dívida Total Líquida

A dívida total líquida (Dívida bruta – caixa) do setor vem caindo pelo nono trimestre consecutivo e no 3° trimestre de 2019 é de R$ 5,28 bilhões, registrando o menor valor da amostra desde dezembro de 2014

A MRV é a empresa com o maior valor de dívida total líquida no 3° trimestre de 2019 com R$ 2,46 bilhões, seguida pela Helbor com R$ 1,4 bilhões.

Três empresas têm dívida líquida negativa, o que na prática significa que as empresas têm caixa maior que a dívida. A Eztec com R$ 1,3 bilhões é a empresa com maior dívida líquida negativa.

Caixa (Disponibilidades)

O caixa das empresas no 3° trimestre de 2019 é de R$ 6,4 bilhões, que é o quinto maior registro da amostra. O maior nível foi no 1° trimestre de 2015 com R$ 6,67 bilhões.

No 1° trimestre de 2018 tivemos o menor valor com R$ 4,13 bilhões.

O volume do caixa do setor teve uma contribuição forte da Eztec que no 3° trimestre de 2019 registra R$ 1,4 bilhão, valor bem superior aos R$ 420,8 milhões do 2° trimestre de 2019.

A Cyrela Realt é a empresa com maior nível de caixa, com R$ 1,49 bilhão no 3° trimestre de 2019.

Valor de mercado

O valor de mercado consolidado das empresas do setor de construção no dia 21 de novembro de 2019 é de R$ 42,4 bilhões, com crescimento contínuo nos últimos seis trimestres.

Em junho de 2018 o valor de mercado das empresas do setor registrava R$ 15,83 bilhões contra R$ 42,4 bilhões em novembro, crescimento de 167,9%.

A Cyrela Realt é a empresa com maior valor de mercado do setor com R$ 10,5 bilhões no dia 21 de novembro de 2019. A Eztec a segue de perto com R$ 9,97 bilhões e a MRV está no terceiro lugar com R$ 7,79 bilhões.

Todas as empresas registram crescimento de valor de mercado no ano de 2019.

Definitivamente, podemos acreditar em um grande avanço no mercado imobiliário. É importante que a economia se movimente nesses novos patamares, o que permitirá, com isso, o desenvolvimento de grandes projetos que, consequentemente, impulsionarão o avanço do setor imobiliário no Brasil.

Texto adaptado: Economatica

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.

Comentários