Mercado Imobiliário – Tire todas as suas dúvidas e faça o melhor investimento

O mercado imobiliário movimenta muito a economia, devido ser um setor que não sofreu tanto com a crise econômica.

Pois, quem expressa a demanda do mercado imobiliário são os investidores de imóveis, também atuantes do mercado.

Portanto, este artigo foi elaborado para que o investidor saiba exatamente o que fazer neste negócio. Logo, veja o que será explanado:

  1. O que é o Mercado Imobiliário?
  2. Fundos de Investimento Imobiliário é uma excelente opção para quem quer investir neste mercado
  3. O que o investidor ganha ao investir em um FII no mercado imobiliário?
  4. Mercado Imobiliário – Como investir em FII – Passo a passo
  5. Mercado Imobiliário – FII – Informações importantes para o investidor
  6. Mercado Imobiliário – 2018
  7. Mercado Imobiliário – 2019
  8. Mercado Imobiliário – Crise
  9. Mercado Imobiliário Brasileiro
  10. No mercado imobiliário é melhor comprar um terreno ou um imóvel?
  11. Riscos que podem atormentar o mercado imobiliário
  12. Mercado Imobiliário - Considerações

O que é o Mercado Imobiliário?

Mercado Imobiliário

O mercado imobiliário é um comércio no setor de imóveis que negocia com terrenos e também como qualquer ocupação construída neste dado espaço.

Atuantes no mercado são os fundos de investimento imobiliário (FII), as imobiliárias, que agem na intermediação de venda ou locação de imóveis, tais como, casas e apartamento, salas e escritórios, dentre outros.

Fundos de Investimento Imobiliário é uma excelente opção para quem quer investir neste mercado

Mercado Imobiliário

Os FIIs são uma opção interessante para o investidor que tem interesse no mercado de imóveis.

Se a intenção é comprar um bem para alugar ou construir e vender, essa aplicação pode ser a opção certa.

Os fundos de investimento imobiliário representam um condomínio de investidores, que juntam seu dinheiro em busca de uma finalidade comum.

Seus recursos destinam-se ao desenvolvimento de empreendimentos imobiliários, tais como construção de imóveis, aquisição de imóveis prontos, ou investimentos em projetos.

Tudo isso visando viabilizar o acesso a habitação e serviços urbanos, inclusive em áreas rurais, para posterior alienação, locação ou arrendamento.

Estes fundos destinam-se a investidores que procuram imóveis como uma forma de diversificar seus investimentos.

Vale destacar que são investimentos de renda variável e negociados em bolsa.

Contudo, FII é uma forma extremamente inteligente para um investidor que deseja investir.

Por isso, com muito menos recurso do que precisaria para comprar um imóvel, em um FII pode-se comprar cotas e obter rendimentos mensais.

Um exemplo para se destacar é o Fundo Floripa Shopping, que teve a melhor performance em 2018, contabilizando até o mês de agosto. Seu código de negociação na B3 é FLRP11.

É interessante notar também que, se o investidor opta em comprar um terreno ou imóvel, ele terá algumas preocupações como:

  • Regulamentação de documentos;
  • Manutenção e melhorias do empreendimento;
  • Controle de inquilinos com cobranças e contratos;
  • Pagar imposto de renda sobre o imóvel e rendimentos;

Já o investidor fazendo parte desse condomínio que são os FIIs, ele não terá nenhuma dessas preocupações.

O que o investidor ganha ao investir em um FII no Mercado Imobiliário?

Mercado Imobiliário

Um dos maiores atrativos desse tipo de aplicação é que o investidor pode adquirir cotas de fundos que detém edifícios comerciais de grande porte, shopping centers dentre outros empreendimentos de sucesso por valores muito mais acessíveis.

Entre as principais vantagens, está a exposição imobiliária diversificada, que reduz o risco de vacância (desocupação do imóvel).

Também, pode haver a deterioração imobiliária em certas regiões.

Com isso, se o investidor só tem um imóvel, acaba sendo bastante prejudicado.

Outro ponto positivo é a gestão profissional, onde trabalha sempre na análise do mercado, observando e adquirindo as melhores oportunidades.

A questão tributária também é um diferencial importante, isso porque, os rendimentos provenientes de aluguéis são isentos de todos os impostos.

Porém, é importante destacar que, é preciso pagar imposto de renda apenas sobre a valorização das cotas, caso o investidor venda.

Mercado Imobiliário – Como investir em FII – Passo a passo

Mercado Imobiliário

Se o investidor está interessado em investir no mercado imobiliário, confira agora o passo a passo para esta oportunidade:

  • Cadastre-se em uma corretora de valores:

As cotas dos fundos são negocias na B3 – Brasil, Bolsa e Balcão, por isso é necessário que o investidor crie sua conta.

  • Escolha o FII:

É importante analisar alguns dados do fundo antes de escolher, como quais imóveis fazem parte da carteira e seu histórico de rentabilidade.

Com isso, é interessante considerar o valor dos aluguéis dividido pelas cotas do fundo.

Assim, o investimento é considerado atrativo sempre que se aproximar ou ser maior que a taxa referência de mercado, que é a do CDI.

  • Envie a ordem para a corretora:

O envio da ordem é feito como no mercado acionário.

Nesse sentido, o investidor consegue comprar pelo home-broker (programa que permite a compra e venda de títulos pela internet).

Basta digitar o código do fundo, a quantidade de cotas desejada e o preço.

Deste modo, se houver alguém interessado em vender as cotas nessas condições, a transação é concluída.

Mercado Imobiliário – FII – Informações importantes para o investidor

Mercado Imobiliário

Custos - FII

Taxa de corretagem - Cobrada pela realização da ordem do investidor junto à B3. Algumas corretoras não cobram essa taxa.

Taxa de administração - Cobrada pela gestão do fundo, mas em geral, são baixas. Os rendimentos finais ainda são mais atrativos se comparados a outras opções.

Imposto de renda – os investidores não pagam IR sobre a renda mensal gerada pelos aluguéis, porém, recolhem o imposto quando vendem suas quotas por um valor superior ao da compra.

Riscos - FII                                                                         

  • Inadimplência – O locatário do imóvel pode não pagar o aluguel ou pagar com atraso.
  • Liquidez – O número de negócios com cotas aumentou muito, mais ainda há fundos que sofrem com deságio, dificultando vende-las rapidamente.
  • Mercado – O empreendimento pode perder valor e, portanto, afetar as cotas.
  • Vacância – O imóvel está exposto ao risco de passar por períodos desocupados.

Vantagens dos FIIs

  • Gestão profissional
  • Possibilidade de ser sócio de grandes empreendimentos
  • Facilidade de negociação na bolsa
  • Custos menores

Mercado Imobiliário – 2018

Mercado Imobiliário

Para compreender, 2017 foi um ano de melhorias para o mercado imobiliário corporativo em comparação com o período desde 2013.

Logo, o mercado de imóveis corporativos dá sinais claros de recuperação no setor.

Isso é um resultado de fatores como a queda na inauguração de novos empreendimentos, somado aos sinais de recuperação econômica.

Portanto, com a economia se reconstruindo, o mercado imobiliário em 2018 pode ter um forte destaque em seu crescimento. Veja as vertentes:

As 6 maiores tendências para o Mercado Imobiliário 2018

  1. Facilidades no crédito imobiliário - Com o índice da taxa básica (Selic) baixa, melhora o crédito para investimentos.
  2. Queda da inflação - Com a inflação baixa, o consumidor ganha poder de compra.
  3. Maior confiança do investidor – A retomada da economia faz o investidor voltar a ter mais segurança.
  4. Modernização e automação – Com o objetivo de atrair compradores, as construtoras tem investido em tecnologia e outros diferenciais.
  5. Uso de realidade virtual – Já imaginou poder visitar um empreendimento que ainda não foi construído?
  6. Criação de mais plataformas imobiliárias – Anúncios mais atraentes, funcionalidades e otimização de dados.

Mercado Imobiliário – 2019

Mercado Imobiliário

O mercado imobiliário em 2019 deve ter uma nova fase de crescimento, o que faz o setor ficar mais aquecido.

Isso porque será sustentando pela perspectiva de oferta de crédito barato para construção e aquisição de imóveis.

Também, devido a um cenário macroeconômico com taxa básica de juros em torno de 8% ao ano e inflação estabilizada no patamar de 3% a 4%.

Portanto, daí se explica que a expectativa é de um novo ciclo de crescimento neste mercado a partir do próximo ano.

No entanto, em um país com a taxa de juros baixa e a inflação sob controle, viabiliza-se um desenvolvimento constante e crescente para o setor.

Porém, é importante destacar que, isso só será possível se o país for capaz de reequilibrar as contas públicas, o que depende da aprovação de importantes reformas, como a da previdência.

Para isso, temos a corrida eleitoral em 2018, que indicará fortemente qual será a direção para que este cenário seja positivo.

Mercado Imobiliário – Crise

Mercado Imobiliário

A instabilidade econômica brasileira se tornou alvo de muitas dúvidas e preocupações.

E apesar de ser um assunto bastante popular, não faltam dúvidas sobre como essa situação pode afetar diretamente o mercado, especialmente o setor imobiliário.

Logo, podemos dizer que, em momentos de crise, os investidores tornam-se mais conservadores e inseguros, devido às incertezas.

Mas, em linhas gerais, a economia e o mercado imobiliário andam juntos, pois, qualquer variação nos indicadores econômicos pode afetar a oferta de crédito.

Com isso, se estabelece uma aceleração ou desaceleração nos investimentos neste setor.

Por outro lado, o Brasil vem se recuperando positivamente através de seu desenvolvimento macroeconômico.

Isso faz com que a crise se desacelere, atribuindo condições desejáveis nessa linha de investimentos imobiliários.

Mercado Imobiliário Brasileiro

Mercado Imobiliário

De acordo com levantamento da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o desenvolvimento imobiliário no Brasil cresceu 5,2% em 2017.

No mesmo período, as vendas de imóveis avançaram 9,4%. A pesquisa leva em consideração dados de 23 cidades e regiões metropolitanas do país.

Isso está condicionado a alguns fatores, entre eles a disponibilidade de crédito e a regulamentação dos distratos.

Nesse sentido, as projeções para o mercado imobiliário brasileiro estão sendo positivas para os próximos anos.

E alguns fatores ajudam a entender essa projeção otimista. Aqui, podemos destacar a regulamentação dos distratos, a disponibilidade de crédito e a redução dos juros para o consumidor final.

É importante lembrar que, não fosse pela decisão do governo de adiar a reforma da previdência, as melhorias já estariam bem mais visíveis.

Contudo, de uma forma geral, a redução e o controle da taxa básica de juros é muito interessante para a nação, pois estabelece um equilíbrio econômico e, consequentemente um cenário positivo para o mercado dos imóveis.

No Mercado Imobiliário é melhor comprar um terreno ou um imóvel?

Mercado Imobiliário

No mercado imobiliário do Brasil existem vantagens e desvantagens, por isso é preciso estar bem informado sobre as possibilidades.

É importante levar em consideração a quantia disponível para o investimento e o tempo desejado.

Uma das principais vantagens de comprar um terreno e construir um imóvel é a idealização do empreendimento.

No entanto, projetar uma construção da forma que se deseja requer tempo, recursos e mão de obra qualificada.

Todavia, adquirir um imóvel pronto é algo que pode ser mais prático, porém pode ser necessário fazer algumas reformas e modificações.

Riscos que podem atormentar o Mercado Imobiliário

Mercado Imobiliário

De fato, é necessário atentar-se a alguns riscos no mercado imobiliário. Confira os cinco riscos que demandam uma atenção especial:

  • Risco de Mercado - Ele representa as flutuações no preço do imóvel, além da oscilação de outras variáveis envolvidas na operação.
  • Risco de Liquidez - Pode ser que no momento que se desejar recuperar o seu investimento à mercado, simplesmente não existam compradores interessados.
  • Risco de crédito - Nesse caso, se um comprador tiver problemas em honrar com o pagamento do imóvel, o retorno pode ser comprometido.
  • Risco de sinistro - Acidentes originados por falhas humanas como incêndios ou uma simples engenharia mal planejada.
  • Risco de desapropriação - Se o governo decidir desapropriar a localidade do seu terreno, infelizmente nesse caso não há muito o que fazer.

Mercado Imobiliário - Considerações

Em suma, diante desse cenário favorável, o investidor precisa estar preparado para analisar e fazer as suas escolhas.

Por isso, ter uma ideia do potencial de crescimento do mercado imobiliário brasileiro pode ajudar consideravelmente na hora da escolha.

Isto posto, saber que pode haver momentos de vacas magras, por exemplo, faz com que o investidor entenda que é necessário proteger seu patrimônio.

Dessa forma, podemos destacar o mercado imobiliário como um excelente método de aplicação, devido ao seu grande potencial de desenvolvimento no Brasil.

Rafael Campagnaro
Rafael Campagnaro Head de Conteúdo

Engenheiro por formação, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado financeiro no FIIs.com.br desde que iniciou no universo das finanças.

Comentários