Saiba quanto renderam os fundos imobiliários em 2018

Os fundos de investimento imobiliário são uma alternativa para aquele investidor que tem por tradição comprar e alugar imóveis. Como forma de diversificar seu portfólio de investimentos, o investidor que gosta do setor imobiliário deve ficar atento nos fundos imobiliários em 2018.

Com a expectativa de melhora do cenário macroeconômico do país, aliada à mínima histórica da taxa básica de juros, há o desenvolvimento de um cenário favorável aos fundos imobiliários em 2018, visto que a rentabilidade da renda fixa sai prejudicada pelos fatores acima mencionados.

Historicamente os fundos imobiliários entregam uma rentabilidade perene e acima do CDI, acrescido da vantagem de não ser descontado o imposto de renda. Essas características fizeram dos fundos imobiliários em 2018 excelentes investimentos para o pequeno e médio investidor, que viu suas economias crescerem muito acima da média da renda fixa ao longo do ano.

Mas antes de mostrarmos os FIIs que mais renderam em 2018, vamos para uma breve explicação de como eles funcionam na prática.

Como funcionam, na prática, os Fundos Imobiliários

Fundos imobiliários 2018

Os fundos de investimento imobiliário, ou FIIs, são conhecidos por condomínios fechados de investidores que acumulam seu capital, através de um processo chamado emissão inicial de cotas, no intuito de investir no mercado imobiliário através da aquisição de:

  • Lajes corporativas
  • Casas
  • Hospitais
  • Faculdades
  • Shoppings Centers
  • Galpões Logísticos
  • Terrenos
  • Títulos de renda fixa lastreados no mercado imobiliário

O patrimônio do fundo é dividido em cotas e distribuído entre os investidores do FII de acordo com o montante que cada um aporta.

Portanto, as cotas representam um valor mobiliário do fundo, e quem as possui pode participar do rateio do lucro do FII, pois é um sócio do patrimônio desse fundo.

O Fundo é administrado por um gestor qualificado, que é o responsável pela manutenção dos ativos pertencentes ao FII.

É dele a missão de comprar, vender ou alugar, arrendar ou até mesmo financiar móveis, no intuito de gerar renda para o Fundo.

Essa renda mensal é compartilhada com todos os cotistas.

Quem possui cota de um determinado fundo imobiliário, tem o direito de receber, no mínimo, 95% de todo o lucro proveniente dos alugueis, arrendamentos e, rendimentos de títulos de renda fixa.

Rentabilidade dos fundos imobiliários 2018

Fundos imobiliários 2018

Segue abaixo uma planilha com as rentabilidades dos principais fundos imobiliários negociados em bolsa.

Os fundos serão apresentados em ordem decrescente de liquidez, ou seja, do que possui mais negociações diárias média ao menos negociado.

Segue abaixo os 10 fundos imobiliários mais relevantes do Brasil e suas rentabilidades:

TICKER NOME DO FUNDO VARIAÇÃO DA COTA EM 2018 VARIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO EM 2018 VARIAÇÃO COTA + DISTRIBUIÇÃO EM 2018
BRCR11 BTG Pactual Corporate Office Fund -6,25% 3,77% -2,48%
BBPO11 BB Progressivo II -3,31% 7,79% 4,48%
KNRI11 Kinea Renda Imobiliária -4,54% 6,14% 1,60%
VISC11 Vinci Shopping Centers -1,53% 6,33% 4,80%
ABCP11 Grand Plaza Shopping 3,13% 5,93% 9,06%
SAAG11 Santander Agências -2,10% 7,49% 5,39%
HGRE11 CSHG Real Estate -6,45% 5,94% -0,51%
XPML11 XP Malls -2,47% 4,84% 2,37%
MALL11 MALLS BRASIL PLURAL 0,73% 5,87% 6,60%
KNCR11 Kinea Rendimentos Imobiliários FII 3,17% 6,62% 9,79%

Considerações

Além de tudo que foi apresentado, Fundos Imobiliários também são interessantes investimentos para quem já está aposentado e quer incrementar sua renda mensal, pois uma das melhores características dos FIIs é que eles distribuem a renda todo o mês.

Todas essas informações corroboram para uma única decisão: investir nos fundos imobiliários em 2018. O investidor encontra menos risco, mais simplicidade e maior rentabilidade na comparação com outros investimentos.

Rafael Campagnaro
Rafael Campagnaro Head de Conteúdo

Engenheiro por formação, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado financeiro no FIIs.com.br desde que iniciou no universo das finanças.

Comentários