Todos temos nossas próprias crenças e opiniões acerca dos mais variados assuntos. É claro, cada um é cada um.

Somos o resultado do conjunto de experiências que vivemos ao longo das nossas vidas.

O engraçado é que, obviamente, nos investimentos isso não é diferente.

Mesmo assim, no entanto, percebemos que muitos investidores (ou potenciais investidores, ou seja, que ainda não começaram, de fato, aplicar) preferem confiar em opiniões de terceiros para decidir se vale a pena ou não investir em determinado ativo.

A verdade é que, a opinião de dois ou mais investidores, provavelmente, jamais será exatamente a mesma.

Isso porque essa opinião vai depender das premissas usadas por cada um deles.

Uma premissa nada mais é do que uma proposição, um conteúdo ou, ainda, as informações essenciais que servem de base para um raciocínio, ou seja, para uma análise que levará a uma opinião.

Dito isso, é coerente deduzir que as premissas dependem em grande parte das experiências que vivemos ao longo das nossas vidas.

Dependem, também, da quantidade e qualidade das informações que consumimos diariamente.

Informação gera argumentação, que constrói uma premissa para se formar uma opinião.

Como nenhum ser humano jamais vivenciou precisamente as mesmas experiências que outro ser humano, e também jamais consumiu exatamente a mesma variedade e quantidade de informação que outro, é obvio que nenhuma pessoa pensa de maneira rigorosamente igual sobre todos os assuntos.

Mesmo assim, investidores (principalmente iniciantes) se sentem mais confortáveis em "terceirizar" suas opiniões sobre não só Fundos Imobiliários, mas como diversos outros tipos de ativos financeiros.

Como sabemos disso?

Recebemos dezenas de dúvidas todos os dias em nosso Instagram perguntando sobre o que achamos de ativos específicos.

Não faça isso!

É claro que saber a opinião de uma outra pessoa sobre qualquer assunto é interessante, principalmente para refletir e evoluir, enquanto ser humano.

No entanto, jamais confie cegamente na opinião (leia-se recomendação) de qualquer analista, seja ele quem for.

Use a opinião desse profissional como base e até mesmo como contra argumentação as suas próprias premissas.

Reflita, questione-se, duvide de você mesmo.

Talvez você possa até mudar a sua opinião.

E não há problema algum nisso.

Pelo contrário.

O mundo muda numa velocidade extremamente rápida, nos dias de hoje.

Quem não mudar (se adaptar) ficará para trás.

Atualmente, mudar de opinião é uma necessidade.

Com os investimentos é exatamente a mesma coisa.

Dito isso, é válido sim perguntar (talvez até por curiosidade) a opinião de pessoas mais experientes sobre algum assunto.

Mas tomar isso como verdade absoluta, sem questionar, é uma atitude bastante arriscada.

Por isso, repito: Não faça isso!

Você possui gratuitamente todas as ferramentas que precisa para se informar e formar a sua própria opinião sobre Fundos Imobiliárias.

No fiis.com.br você encontra TODOS os documentos importantes sobre os Fundos Imobiliários: relatórios gerenciais, informes mensais e trimestrais, fatos relevantes...

Adicionalmente, no Funds Explorer você conseguirá dados históricos sobre todos os indicadores importantes sobre os Fiis.

Com base nas informações gratuitas que esses portais disponibilizam, é completamente possível um investidor se informar com qualidade e, com isso, tirar as suas próprias conclusões sobre determinado Fundo Imobiliário.

Faça isso.

Seja independente, estude por conta própria, tire suas próprias conclusões e, só depois disso, procure saber a opinião de um especialista.

Se for a mesma que a sua, ótimo.

Caso contrário, tente entender quais as premissas que ele utilizou e as compare com as suas.

Exercitando o seu cérebro dessa maneira, com toda certeza a sua evolução como investidor de Fundos Imobiliários será muito intensa e prazerosa.

Conte conosco!

Rafael Campagnaro
Rafael Campagnaro Head de Conteúdo

Engenheiro por formação, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado financeiro no FIIs.com.br desde que iniciou no universo das finanças.

Comentários