Os cotistas do FII BMLC11 decidirão em Assembleia Geral Extraordinária se aprovam a chegada da Suno Asset como a nova gestora do fundo. A convocação da AGE foi anunciada pelo BTG Pactual, administrador FII.

Caso a troca atual gestora, Argucia Capital Management, pela Suno Asset seja aprovada, o FII BMLC11 mudará de nome, chamando-se “Suno Renda Imobiliária Fundo de Investimento Imobiliário”. O BM Brascan Lajes Corporativas (BMLC11) é um FII de segmento híbrido com ativos voltados para o segmento de lajes corporativas. 

Por que a Suno Asset?

De acordo com o fundador da Suno e analista CNPI, Tiago Reis, a Suno sempre é chamada para ajudar na indústria de fundos imobiliários. E em diversas situações, eles contribuíram para encontrar a melhor solução dos problemas específicos do mercado de FIIs.

O analista lembrou que a Suno ajudou na discussão sobre a tributação dos FIIs e também no debate entre a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o FII Maxi Renda (MXRF11)

Reis contou que “cotistas relevantes [do BMLC11], que viam na atual conjuntura do fundo uma série de problemas ou possibilidades de modernização e profissionalização do fundo" buscaram a Suno. 

Entre os principais problemas do BMLC11 está a baixa liquidez do FII no mercado secundário. O fundo movimentou diariamente apenas R$ 44,2 mil nos últimos 30 dias. Como comparação, o FII SNCI11 lançado e gerido pela Suno Asset negociou R$ 2,4 milhões diariamente no mesmo período.

Outro problema citado pelos cotistas, segundo Vitor Duarte, gestor e CIO da Suno Asset, é o desconto grande em relação ao preço de cota e seu valor patrimonial. O indicador está em 0,86, indicando que o fundo está subvalorizado pelo mercado. Para ele, o BMLC11 possui um patrimônio líquido pequeno, de R$ 109 milhões, possuindo um portfólio muito concentrado com apenas dois ativos: dois andares do imóvel Brascan Century Corporate, em São Paulo, e quatro andares na Torre Rio Sul, no Rio de Janeiro.

Tanto Reis quanto Duarte concordaram que uma possível consolidação de FIIs é positiva para o mercado, o que pode incluir a absorção do BMLC11 pela Suno Asset. “O investidor ganha com fundos maiores que possuem um patrimônio mais diversificado. Com o número maior de investidores, existe maior liquidez com possibilidade de custos menores”, destacou o CIO da Suno Asset. 

Diante disso, Vitor Duarte comentou que, se a Suno assumir a gestão do fundo, sua proposta é modificar o regulamento do BMLC11, de forma a permitir maior dinamismo do fundo para futuras emissões, além de modificação de suas taxas internas para maior geração de valor ao cotista. 

A Suno Asset também é gestora do FII SNCI11, fundo de papel com o foco em investimentos em diferentes tipos de dívidas (principalmente CRIs) que fomentam o mercado imobiliário. O outro fundo da casa é o FII SNFF11, que aplica seus recursos em cotas de outros fundos imobiliários. 

A Suno preparou um vídeo para ajudar os cotistas na tomada de decisão sobre a troca de gestão do FII BMCL11. Veja o material completo abaixo:

Conheça o BMLC11

BM Brascan Lajes Corporativas é um FII que investe em empreendimentos imobiliários por meio da aquisição e exploração de imóveis comerciais, prontos ou em construção, terrenos, vagas de garagens ou outros tipos de imóveis onde poderão ser desenvolvidos empreendimentos comerciais. 

O fundo possui patrimônio líquido de R$ 109 milhões. Referente ao mês de março, o BMLC11 distribuiu aos cotistas o valor de R$ 0,63 por cota. Sua base de cotistas é de 1.493 investidores. 

Para quem deseja investir no BMLC11, o preço atual da sua cota é de R$109,25, sendo sua taxa de administração 0,20%a.a sobre patrimônio líquido e taxa de gestão também de 0,20%.