O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ segunda-feira‌ ‌(7)‌ ‌em baixa ‌de‌ -0,01%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.827,51 ‌pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ ‌junho ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ 0,29%‌ ‌e‌ -1,48%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

 ‌Também,‌ ‌o‌ ‌índice‌ ‌‌SUNO30‌‌ ‌fechou‌ ‌em‌ alta de 0,10% ‌e‌ ‌103,05 ‌pontos.‌ ‌Veja‌ ‌na‌ ‌tabela‌ abaixo:‌ 

fechamento 07-06

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

ARCT11 contrata XP Investimentos como formador de mercado

A Riza Asset Management, gestora do Riza Arctium Real Estate (ARCT11), comunicou por meio de fato relevante nesta segunda-feira (7), a contratação da XP Investimentos como formador de mercado para o fundo.

Desta forma, por meio do novo contrato estabelecido entre o fundo e a XP Investimentos, a corretora terá a função de manter ofertas de compra e venda de forma regular e contínua durante a sessão de negociação da B3, estimulando a liquidez dos valores mobiliários, facilitando os negócios e mitigando movimentos artificiais nos preços dos produtos.

De acordo com o site da B3, os formadores de mercado devem atuar diariamente respeitando os parâmetros de atuação (quantidade mínima, spread máximo e percentual de atuação na sessão de negociação). 

No entanto, ainda de acordo com publicação da B3, “caso o mercado apresente comportamento atípico, com oscilações fora dos padrões regulares (decorrentes de algum fato econômico, catastrófico ou, até mesmo, algum fato positivo totalmente inesperado que altere em demasia o preço do papel), o formador de mercado poderá ter, com consenso da B3, seus parâmetros alterados ou ser liberado de suas obrigações durante a sessão de negociação”.

Por fim, a B3 como forma de incentivar a atividade de formador de mercado poderá “conceder vantagens de custo nas negociações realizadas pelo mesmo, como, por exemplo, isenção em emolumentos e taxas de negociação”, reforçou publicação da Bolsa de Valores. 

Conheça o ARCT11

O Riza Arctium Real Estate é um fundo de tijolo (galpão) que tem como objetivo de comprar imóveis e alugá-los para o antigo proprietário por um período mínimo de 5 anos. Desta forma, o fundo possui cerca de 1.597.568 cotas emitidas e um patrimônio líquido de R$162 milhões.   

Para quem deseja investir no ARCT11, o valor patrimonial de sua cota é de R$101,74, sendo sua taxa de administração de 1,0%a.a. sobre o patrimônio líquido (mínimo R$ 20.000,00 mensais corrigido pelo IPCA).

VIUR11 é o novo FII a negociar cotas na B3

O fundo de investimentos imobiliários, Vinci Móveis Urbanos (VIUR11), administrado pela BRL Trust e com gestão da Vinci Real Estate, teve sua estreia na bolsa de valores (B3) nesta segunda-feira (07). Com nome de pregão FII VINCI UB e código de negociação VIUR 11, as cotas do novo fundo foram negociadas no valor de R$100,00. 

O VIUR11, de acordo com seu regulamento, tem por objetivo obtenção de renda, mediante a aplicação de recursos correspondentes, a, no mínimo, 2/3 (dois terços) de seu patrimônio líquido em imóveis, para obtenção de renda, seja pela locação, arrendamento, exploração do direito de superfície ou alienação, incluindo por meio de contrato “atípico”, na modalidade built to suit ou sale and leaseback.

A aquisição dos Imóveis pelo Fundo visa a proporcionar aos seus Cotistas a rentabilidade decorrente da exploração comercial dos Imóveis, bem como pela eventual comercialização dos Imóveis.

O VIUR11 poderá realizar reformas ou benfeitorias nos Imóveis com o objetivo de potencializar os retornos decorrentes de sua exploração comercial ou eventual comercialização.

Desta forma, o segmento de mercado que o novo fundo terá atuação é focado em imóveis urbanos dos seguintes setores: varejo, mercados em geral, saúde e educação. 

Em relação ao verejo, o VIUR11 dará prioridade no investimento de lojas de rua e pequenos centros comerciais em locais de grande fluxo de pessoas. No segmento de mercados, o foco está em supermercados e atacarejos. 

Já no setor de saúde, o fundo investirá em imóveis destinados a laboratórios e clínicas médicas.

Por fim, no setor de educação, o foco será em faculdades que possuem cursos das áreas de ciências exatas e biomédicas, com demanda para aulas presenciais e cursos EaD.