‌‌‌O‌‌‌ ‌‌‌‌‌‌IFIX‌‌‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌última‌‌‌ segunda-feira‌‌‌ ‌‌‌(14)‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ queda ‌‌de‌‌ -0,35%,‌‌‌ ‌‌terminando‌‌ ‌‌‌o‌‌‌ ‌‌‌dia‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ ‌‌2.753,16 ‌pontos.‌‌‌ ‌‌‌No‌‌‌ ‌‌‌acumulado‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌mês‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ fevereiro ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌ano‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌‌2022,‌‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌variação‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌índice‌‌‌ ‌‌‌é‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌-0,85%‌‌‌ ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌-1,84%‌‌,‌‌‌ ‌‌‌respectivamente.‌‌‌ ‌ ‌

‌‌‌Confira‌‌ ‌‌as‌‌ ‌‌principais‌‌ ‌‌notícias‌‌ ‌‌do‌‌ ‌‌mercado‌‌ ‌‌de‌‌ ‌‌FIIs:‌‌ 

HTMX11 tem queda nas receitas e não consegue pagar dividendos

O Fundo de Investimento Imobiliário Hotel Maxinvest (HTMX11), administrado pelo BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM, divulgou nesta segunda-feira (14) por meio de relatório gerencial, informações sobre seus ativos. Mesmo assim, o fundo ainda não pagará proventos este mês. 

A gestora explicou que a carteira do Fundo Maxinvest apresentou, em dezembro de 2021, uma taxa de ocupação de 53% e uma diária média de R$332, resultando em um RevPAR de R$175. 

Porém, no mercado de São Paulo, o mês de dezembro registrou uma queda na demanda, mais forte na segunda quinzena visto que muitas empresas entram em férias coletivas e não se trata de uma época usual para realização de eventos. Veja abaixo:

HTMX11 fiis

Sendo assim, o RevP AR de dezembro, em relação ao mês anterior (novembro/21), a diária média caiu 13% em relação a novembro/21. 

Apesar do menor desempenho, 10 hotéis realizaram o pagamento de aluguel no mês analisado e outros 4 realizaram a devolução do aporte, solicitado no decorrer da pandemia. 

Os demais prédios que compõem a carteira do FII Maxinvest ainda apresentam prejuízo acumulado e utilizam o resultado positivo para quitar esse saldo e, portanto, ainda não conseguem realizar distribuição de lucros. Confira os resultados abaixo:

HTMX11

Todos os dados apresentados são ponderados e representam o desempenho histórico das unidades hoteleiras da carteira em dezembro de 2021. Portanto, como o saldo de unidades hoteleiras varia a cada mês, os índices de meses anteriores são recalculados para que haja uma análise com bases comparáveis.

Adiamento de emissão de cotas

A Assembleia Geral Extraordinária de Cotistas aprovou a 15ª Emissão do FII Hotel Maxinvest. Porém, devido ao novo cenário existente acarretado pela pandemia do Coronavírus (COVID-19), a HotelInvest em conjunto com a BTG Gestora de Recursos LTDA optaram por aguardar um momento mais adequado para definição da retomada ou não da nova captação. 

Atualmente, o valor patrimonial da cota do HTXM11 é de R$124,96, enquanto o valor da cota do fundo no dia 14 de fevereiro estava em R$80,28. Ou seja, a emissão seria muito abaixo do VP. 

Desta forma, devido à pandemia ocasionada pelo Covid-19, o fundo precisou arcar com aportes pontuais em alguns empreendimentos, como o pagamento de IPTU e taxa de condomínio, visando a manutenção do caixa dos empreendimentos que compõem sua carteira. 

Por isso, a gestora garantiu que o fundo fará de tudo paras que os valores aportados sejam ressarcidos. Por esse e outros motivos que a distribuição de rendimentos será retomada assim que o fundo apresentar resultado líquido positivo após a compensação do prejuízo financeiro acumulado em 2020 e 2021.

O HTMX11 se iniciou em 2007 com objetivo de recuperar o mercado hoteleiro da cidade de São Paulo. Além disso, o fundo ressalta que o “aumento na distribuição da renda dos hotéis e a valorização das unidades hoteleiras vêm garantindo ao investidor do Maxinvest uma das melhores rentabilidades do mercado de FII durante os quatorze anos da sua existência”.

RECX11‌ informa resultados e mostra investimentos

A‌ ‌gestora‌ ‌do‌ ‌‌FII‌ ‌REC‌ ‌Fundo de Fundos ‌(RECX11)‌,‌ ‌detalhou‌ ‌em‌ ‌‌relatório‌ ‌gerencial‌ ‌divulgado‌ ‌na‌ ‌última‌ segunda-feira‌ ‌(14),‌ ‌os‌ ‌resultados‌ ‌do‌ ‌fundo‌ ‌referente‌ ‌ao‌ ‌mês‌ ‌de janeiro.‌ Também,‌ ‌a‌ ‌‌Real‌ ‌Estate‌ ‌Capital‌ informou a movimentação da carteira do fundo.‌ 

Neste aspecto, o fundo distribuirá aos cotistas, referente ao mês de janeiro, o dividendo de R$1,00 por cota. Neste caso, a gestora pontuou que dividend yield do RECX11, calculado sobre a cota de fechamento, é equivalente a 1,09% ao mês, ou 13,12% anualizado. O fundo possui, atualmente, um lucro acumulado de R$ 0,36 por cota a serem distribuídos. 

Confira abaixo:

RECX11

No mês de janeiro o fundo obteve o maior resultado caixa desde o seu início, no valor de 1,26 reais por cota. 

Deste modo, a gestora disse que parte do resultado veio do lucro da venda dos seguintes ativos, BARI11, FLCR11, KNIP11, RECR11, RZTR11, URPR11 e VGHF11. 

E no mês de janeiro, parte destes recursos foi investido nos ativos, GCRI11, HABT11, HSAF11, IRDM11, KNSC11, MORC11 e RBHY11. 

O fundo fechou o mês alocado em 20 FIIs, com um aumento na exposição dos fundos híbridos. Confira o perfil da carteira do fundo:

RECX11

Com relação aos indicadores econômicos, no mês de janeiro, o IFIX apresentou uma desvalorização de 0,99%, o IPCA subiu 0,54% e o IGPM teve uma alta de 1,82%. Por fim, o Comitê de Política Monetária do Banco Central elevou a taxa básica de juros (Selic) em 1,5 ponto percentual, para 10,75% ao ano. 

O principal objetivo do RECX11 é auferir receitas através do investimento e gestão ativa em fundos de investimento imobiliário.