‌‌‌O‌‌‌ ‌‌‌‌‌‌IFIX‌‌‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌última‌‌‌ segunda-feira‌‌‌ ‌‌‌(14)‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ queda ‌‌de‌‌ -0,55%,‌‌‌ ‌‌terminando‌‌ ‌‌‌o‌‌‌ ‌‌‌dia‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ ‌‌2.705 ‌pontos.‌‌‌ ‌‌‌No‌‌‌ ‌‌‌acumulado‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌mês‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ março ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌ano‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌‌2022,‌‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌variação‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌índice‌‌‌ ‌‌‌é‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌-1,33%‌‌‌ ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌-3,57%‌‌,‌‌‌ ‌‌‌respectivamente.‌‌‌ ‌ ‌

‌‌‌Confira‌‌ ‌‌as‌‌ ‌‌principais‌‌ ‌‌notícias‌‌ ‌‌do‌‌ ‌‌mercado‌‌ ‌‌de‌‌ ‌‌FIIs:‌‌

KISU11 informa resultados e rendimentos

A gestão do fundo Kilima FIC de FII SUNO30 (KISU11) detalhou em seu Relatório Gerencial divulgado segunda-feira (14), a performance do fundo no mês de fevereiro. 

A gestora comentou que a atual conjuntura está marcada por grandes incertezas em relação ao cenário macro e geopolítico, principalmente em relação à guerra da Rússia com a Ucrânia. Como agravante,  as sanções econômicas severas em relação à Rússia também aumenta a inflação, além de provocar aversão ao risco.

Em relação ao contexto inflacionário e com taxas elevadas de juros, os fundos de CRI, que representam 35,3% da carteira do KISU11, seguem entregando um resultado importante com maior resiliência de preços no secundário. 

No fim do mês, o fundo estava com 93,8% da carteira alocados em FIIs. A distribuição divulgada em 25/02 foi de R$ 0,065/cota referente ao resultado do mês corrente. O dividendo que será pago em 15/02 representa um dividend yield de 10,30% a.a. sobre a cota de fechamento do mês. Confira abaixo o resultado:

KISU11

Por fim, a gestora disse que os cotistas podem esperar rendimentos pelo menos no mesmo nível ao longo dos próximos meses. 

O KISU11 é um FII (fundo de fundos) que tem por objetivo seguir a carteira teórica do índice de referência SUNO 30 FII. Fundado em outubro de 2020, sua primeira negociação na bolsa foi em janeiro (15) deste ano.

RBVA11 negocia renovação de contrato com a Caixa Econômica Federal

A gestão do Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11) anunciou aos cotistas nesta última quinta-feira (11), os resultados do fundo no mês de fevereiro. Em complemento, a Rio Bravo Investimentos comentou sobre venda de ativos e negociação com renovação contratual de locatária.

Em fevereiro, o fundo teve resultado de R$ 0,92/cota com o mesmo valor para distribuição de rendimentos. Esse valor está linearizado com parte do resultado previsto através das vendas de agências no semestre. Confira:

RBVA11

A equipe de gestão sugere que o resultado do primeiro semestre esteja dentro entre R$ 0,99/cota a R$1,03/cota mensal. Neste aspecto, o resultado traria tanto a receita recorrente, quanto a receita não recorrente gerada através da venda de imóveis. 

Renovação contratual com a Caixa Econômica

O fundo decidiu não comprar o ativo anunciado ao mercado, neste caso, um imóvel em uma das principais avenidas do país, em São Paulo. A gestora explicou que uma das condições relacionadas ao contrato de locação não foi cumprida, o que levou a gestora a desistir do ativo. 

Em janeiro, também recebemos a sinalização da Caixa Econômica para a renovação de 100% dos contratos que vencem no ano de 2022, seguindo a política da instituição de tratar das locações 12 meses antes do seu término. 

Deste modo, a gestora segue em negociação com o banco, visando impactar o mínimo possível o dividendo dos investidores. Há a preocupação ainda com a regularização de 100% dos imóveis, mas o fundo está protegido com cláusulas contratuais, as quais estão sendo amplamente consideradas nas negociações em andamento.

Extensão no prazo de cumprimento de estratégia

Em relação à redução da exposição do fundo ao setor bancário, a gestão alterou seu plano de metas, estendendo por mais 3 semestres seu objetivo de alocação da carteira, fixando para julho de 2024. O objetivo é aumentar a ênfase no setor de varejo, alienando os imóveis ligados aos bancos. Veja:

RBVA11

Porém, o fundo decidiu estender esse prazo a partir do forte resultado que as vendas dos imóveis vêm gerando ao RBVA11. Desta forma, a gestora argumenta que fazer as vendas de maneira mais comedida aumenta a constância de um patamar elevado de resultado, impulsionado pelos ganhos de capital. 

Neste aspecto, a gestão estima que o valor de ganho de capital ficará entre R$20 milhões a R$30 milhões no ano, e o patamar de alienação previsto em uma média de 15% a 25% acima do valor patrimonial. 

O Rio Bravo Renda Varejo é um fundo imobiliário de tijolo focado no mercado de varejo e também no setor bancário. Seus investimentos se concentram na compra, venda e exploração de imóveis dos setores citados, além da aquisição de cotas de outros FIIs.