O‌‌‌ ‌‌‌‌‌‌IFIX‌‌‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌última‌‌‌ terça-feira‌‌‌ ‌‌‌(19)‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ alta de 0,15%,‌‌‌ ‌‌terminando‌‌ ‌‌‌o‌‌‌ ‌‌‌dia‌‌‌ ‌‌‌em‌‌ ‌‌2.784 pontos.‌‌‌ ‌‌‌No‌‌‌ ‌‌‌acumulado‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌mês‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ julho ‌‌‌e‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌ano‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ ‌‌‌2022,‌‌‌ ‌‌‌a‌‌‌ ‌‌‌variação‌‌‌ ‌‌‌do‌‌‌ ‌‌‌índice‌‌‌ ‌‌‌é‌‌‌ ‌‌‌de‌‌‌ -0,41 ‌‌‌e‌‌‌ -0,73%‌‌,‌‌‌ ‌‌‌respectivamente.‌‌‌ ‌

Em resumo, DEVA11 informa sobre dividendos e emissão de cotas, enquanto o IRDM11 mostra estratégia para manter ganhos mesmo com inflação em possível baixa. 

Confira‌‌ ‌‌as‌‌ ‌‌principais‌‌ ‌‌notícias‌‌ ‌‌do‌‌ ‌‌mercado‌‌ ‌‌de‌‌ ‌‌FIIs:‌‌

DEVA11 reduz dividendos, mas mantém caixa para próximas distribuições

O Devant Recebíveis Imobiliários (DEVA11), fundo de papel gerido pela Devant Asset, reduziu os dividendos em relação ao mês anterior. Mesmo assim, a gestora afirma que o fundo possui caixa para distribuições futuras. 

Referente ao mês de junho, o fundo distribuiu um total de R$ 19,6 milhões em rendimentos. Deste modo, os dividendos do DEVA11 foram de R$ 1,41 por cota, equivalente a um dividend yield de 1,43%.

Após a distribuição dos rendimentos, a gestora confirma que o fundo manteve R$ 0,25 por cota de resultado retido para futuras distribuições.

Em linha com a modelagem inicial do DEVA11, a taxa média ponderada da carteira de CRI fechou em 10,36% + inflação, contando com uma duration baixa de 2,7 anos e ativos com robusta estrutura de garantias.

Por fim, o fundo fechou o mês alocado 92% em 57 CRIs, 7% alocado em cotas de outros FIIs e 1,0% permaneceu em caixa.

Como o DEVA11 está em período de emissão de cotas, os cotistas do fundo podem exercer seu direto de preferência até o dia 27 de julho. O valor da nova cota é de R$ 99,32 + custos da emissão.

O DEVA11 é um fundo imobiliário do tipo papel. Seus investimentos são direcionados para Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), com patrimônio líquido de R$1,34 bilhão, com valor patrimonial de sua cota a R$96,46.

IRDM11 vê inflação em queda, mas explica como manterá lucros

A gestão do fundo Iridium Recebíveis Imobiliários FII (IRDM11) informa aos cotistas nesta terça-feira (19), os resultados referentes ao mês de junho. Também, a Iridium Gestão de Recursos mostra sua estratégia para manter os lucros do fundo mesmo com a inflação com “sinais de queda”.  

Os dividendos do IRDM11 referentes ao mês de junho foram de R$ 1,28 por cota. A gestora ressalta que esse valor equivale a uma remuneração bruta de imposto de renda de 155,6% do CDI. 

Neste aspecto, o fundo observa que no mês de junho houve sinais de “arrefecimento da inflação”, com indícios de queda nos próximos meses.

 Apesar disso, o fundo apresentou um resultado consistente ao longo do mês, tanto na parcela de FIIs quanto de CRIs. Mesmo com a redução dos dividendos deste mês em relação ao anterior, o IRDM11 acredita em sua estratégia, priorizando a alocação em fundos de papel.

Por outro lado, o IRDM11 continuará com sua redução de investimentos em cotas de FIIs, aproveitando o ágio em alguns ativos da carteira para fazer ganho de capital. 

Em relação aos CRIs em seu portfólio, a gestora entende que as últimas alocações ajudaram a diminuir o efeito da queda marginal do IPCA. O fundo investiu em ativos com spreads de crédito maiores praticados, o que trouxe bons resultados ao fundo.

Por fim, o fundo também planeja nova emissão de cotas, para aumentar seu caixa e fazer novas alocações em contexto de grande volatilidade do mercado.

O Iridium Recebíveis Imobiliários é um fundo imobiliário de papel com investimentos em títulos de valores imobiliários. Seu maior foco é em operações no mercado de CRIs, desde que atendam aos critérios definidos na política de investimento.