‌O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ terça-feira‌ ‌(30)‌ ‌em alta de 0,57%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.578,40 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ novembro ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ -3,63%‌ ‌e‌ -10,16%,‌ ‌respectivamente.‌  

Também, o ‌‌índice‌‌ ‌‌‌‌SUNO30‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌em‌‌ alta de 0,55%‌ ‌‌e‌‌ ‌92,95 pontos.‌‌ ‌‌Confira na tabela abaixo:

fechamento fiis

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

CPTS11 faz giro de carteira e realiza ganhos no mês

O FII Capitânia Securities II (CPTS11), com gestão da Capitânia Investimentos, divulgou nesta terça-feira (30) o seu relatório gerencial do mês de novembro, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais, além de descrever seus ganhos por meio da movimentação de sua carteira.

O fundo distribuiu, referente ao mês de outubro, o valor de R$ 1,01 por cota, com no dia 19 de novembro. A gestão disse que este dividendo equivale a 252.5% do CDI (descontado imposto de 15%) em relação a cota de mercado. Veja abaixo:

CPTS11

Giro na carteira de CRIs

Em relação à carteira de crédito, a Capitânia Investimentos destacou que a maior contribuição positiva do resultado veio dos rendimentos dos CRIs. 

Para isso, o fundo fez um maior giro dos ativos. Na verdade, a gestora explicou que a alta recente dos juros pagos pelos títulos públicos dificultou a negociação dos papéis no mercado secundário. 

Porém, a gestão realizou a venda de CRIs que somaram mais de R$ 247 milhões, num total de 20 operações e geraram um relevante resultado para o fundo R$ 6,9 milhões. Mesmo assim, o lucro foi um abaixo do maior volume negociado no ano. 

Além disso, o fundo tem outro destaque positivo, que é a alta atualização monetária incorrida e não distribuída em função dos altos indicadores do IPCA nos últimos meses. A gestão reforçou que isso vai ajudar o fundo a manter bons patamares de dividendos. 

Diante desse cenário de juros elevados e maior inflação, a estratégia do CPTS11 é continuar reciclando a carteira. Tudo isso para repor a alta dos juros reais. 

O objetivo da gestão é manter uma carteira com taxa média ponderada próximo a IPCA + 6,5%, patamar considerado competitivo para a qualidade da carteira. Confira abaixo o perfil do book de CRI do fundo:

CPTS11

Vale destacar que 99% da carteira de CRIs tem como devedores empresa de qualidade que, por sua vez, estão listadas em bolsa. Ou seja, isso traz maior tranquilidade ao fundo em relação ao risco de crédito. 

Book de FIIs: perfil defensivo

Em relação à carteira de FIIs do CPTS11, seu perfil defensivo com ativos do segmento de renda urbana, fundos com contratos de aluguéis atípicos e FIIs de papel, fez com que o fundo tivesse uma performance satisfatória. Confira abaixo o perfil da carteira do fundo:

CPTS11

Além disso, mesmo com a baixa do IFIX, o fundo realizou o giro de sua carteira. A gestão afirmou que irá diminuir a exposição com cautela para abrir espaço para os desembolsos de CRI. 

O Capitânia Securities II, conforme consta no relatório, é um FII constituído sob a forma de condomínio fechado cujo objetivo é proporcionar rentabilidade aos seus cotistas por meio da aquisição preponderantemente de ativos de origem imobiliária.

MALL11 mostra resultados e comenta recuperação do setor de shoppings

O Malls Brasil Plural FII (MALL11), representado por sua gestora BRPP Produtos Estruturados, comunicou nesta última terça-feira (30) os resultados do fundo referente ao mês de outubro. Além disso, a gestora mostrou a recente recuperação do segmento de shoppings no Brasil. 

Referente ao mês de outubro, o fundo distribuiu o valor de R$ 0,60/cota. Dessa forma, a base acumulada de resultados a distribuir para os próximos meses ficou em, aproximadamente, R$ 0,23/cota. Confira abaixo:

MALL11

Na verdade, o fundo gerou um resultado de R$0,63. Mas como o cenário de crise ainda está em curso, o MALL11 prefere manter sua reserva em caixa. 

Em setembro, os ativos do fundo performaram melhor que nos meses anteriores, em termos de geração de NOI/m² e 0,8% maior frente a setembro/2019, veja:

MALL11

A gestão destacou que os shoppings do seu portfólio já apresentam resultados em patamares próximos ou maiores aos da pré-pandemia.  

Os resultados do setor seguem fortes, mas a inflação é uma ameaça

Ainda referente a setembro - com resultado em outubro - houve a terceira taxa negativa consecutiva de inadimplência líquida (-6% em setembro, -7% em agosto e -4% em julho), o que significa que a recuperação de aluguéis de períodos anteriores se sobrepôs ao montante inadimplido no período. Confira:

MALL11

Além disso, a gestão disse que o Maceió Shopping, Boulevard Shopping Feira de Santana, Shopping Park Lagos e Shopping Park Sul apresentaram as vendas totais/m2 em níveis maiores quando comparadas com o mesmo mês de 2019. 

O MALL11 acredita que o avanço da vacinação no Brasil tem contribuído para maior segurança dos consumidores e a retomada no setor de shoppings. Atualmente, quase 75% da população já se encontra parcialmente vacinada e 55,3% completamente vacinada. 

Mesmo com um portfólio formado por ativos dominantes e de elevadas taxas de ocupações, o fundo está atento para possíveis impactos relacionados a novas variantes, a gestão acredita que o avanço da vacinação e normalidade operacional dos shoppings, a geração de caixa dos ativos continuará crescendo. 

Porém, nem tudo foi positivo para o segmento de shoppings. A gestão disse que o volume de vendas do comércio recuou 1,3% m/m em setembro frente a agosto. Na visão da BRPP, o fator determinante no resultado do mês de setembro foi a inflação. 

Por fim, a gestora lembrou que durante o mês de setembro, o portfólio do fundo permaneceu 100% aberto e com horário de funcionamento padrão (10 hs até 22 hs) e isto se reflete nos principais indicadores operacionais dos ativos (NOI, Aluguel faturado e Nível de Inadimplência). 

O Malls Brasil Plural FII é um fundo do tipo tijolo, com foco na obtenção de renda a partir da exploração imobiliária de participações em shopping centers.

PATL11 divulga resultados e informa nova locação de imóvel 

O FII Pátria Logística (PATL11), com gestão da Pátria Investimentos, divulgou nesta terça-feira (30) os resultados e rendimentos do mês de outubro, além de destacar a possível locação de ativo do fundo. 

O fundo distribuiu pelo oitavo mês consecutivo o valor de R$ 0,57 por cota, o que representa dividend yield de 10,3% a.a. aos níveis de preço do final de outubro e 11,1% a.a. nos níveis atuais da cota (base 26/11/2021).

Além disso, o fundo assinou uma carta de intenções para a locação da área disponível no imóvel em Ribeirão das Neves. O acordo comercial já foi superado e as condições precedentes estão evoluindo para finalização. 

Se for concretizada a locação, a expectativa de distribuição de dividendos pelo PATL11 será de R$,58 a R$0,60 centavos por cota. 

Além disso, a gestão optou por não realizar novas aquisições nos próximos meses, considerando um possível novo arranjo dos valores de cap rate de aquisição, que devem refletir o momento macroeconômico de abertura da taxa de juros. 

Por fim, a gestão vem estudando com cautela as formas de alavancagem para viabilizar as transações, uma vez que, no momento, não tem caixa disponível para concluí-las.