A gestão do BTG Pactual Logística FII (BTLG11) mostrou aos cotistas nesta última sexta-feira (8), como a Assembleia Geral Extraordinário pode contribuir para modernizar o fundo em maior geração de valor. A gestora explicou ponto por ponto sobre as pautas a serem votadas pelos investidores. 

As pautas identificadas como de maior importância pela gestora é a incorporação de dois fundos do mercado ao BTLG11, e a exploração pelo BTLG das superfícies de alguns ativos, visando geração de renda via produção de energia fotovoltaica por meio da criação de novo fundo.

Como são pautas que envolvem a estrutura do FII, elas exigem quórum qualificado, ou 25% da base apta para votação. O formato da votação será via Carta Consulta.

Proposta de incorporação dos fundos BLCP11 e VVPR11

A gestora comenta que esses fundos são pequenos em relação ao BTLG11, que possuem ativos que podem agregar valor ao BTLG11. A gestora diz que o primeiro FII evidencia um portfólio de melhor qualidade técnica e uma sensível valorização patrimonial a ser repassada ao BTLG11. 

No caso do VVPR11, a gestora acredita que ele pode contribuir com o BTLG11 por meio de uma renda estável com bom risco de crédito, com possibilidade em aumento de fluxo de caixa proveniente das operações (FFO) e estabilidade de renda.

As vantagens para o fundo com a incorporação dos dois FIIs, é que o BTLG11 “investe em novos ativos sem alavancagem, sem custos de emissão ou necessidade de aportes pelos cotistas”, garanta a gestora. 

Em termos financeiros, a gestora acredita que a incorporação terá um aumento imediato do FFO em 5% e patrimonial em 3%. Além disso, é possível obter ganhos de capital com a venda de ativos, o que poderia levar a uma TIR superior a 26% a.a. na carteira incorporada.

Criação de novo FII para explorar renda de energia fotovoltaica

O BTLG11 quer mais. A gestora propõe à assembleia a criação de um FII próprio para explorar as superfícies dos seus galpões, para criação de receita para os ativos do BTLG11 e valorização patrimonial.

O novo FII vai explorar as superfícies, sendo estruturado dentro do BTLG11. O novo veículo terá o direito real de utilização da superfície dos tetos dos galpões do BTLG11 por prazo equivalente ao contrato dos painéis solares (usina fotovoltaica) para ali explorar comercialmente a área da superfície hoje ociosa. 

A gestora precisa da aprovação dos cotistas para que o BTLG11 possa realizar investimentos em FIIs geridos e/ou administrados pelo BTG Pactual até 30% do seu patrimônio líquido. 

Mudanças em regulamento do BTLG11

Além da incorporação e criação de novo fundo, a gestora quer o aumento do capital autorizado, atualmente de R$3 bilhões, e a exclusão da redação que limita cada nova captação ao valor de R$600 milhões. 

Essas mudanças têm como objetivo melhorar o desempenho e competitividade do fundo quando necessária celeridade para participação em novas concorrências. Nessa linha, a indicação da Gestora é por um novo limite na ordem de R$8 bilhões.

A gestora argumenta que precisa de agilidade na captação de recursos, para permitir que o fundo seja rápido e eficiente em todas suas operações, por por exemplo, na compra de novos ativos ou na expansão dos ativos da carteira. 

Por fim, a Consulta Formal teve início na quinta-feira (7), com término em 30 dias após as votação.

O BTG Pactual Logística é um fundo imobiliário de tijolo com objetivo de obtenção de renda e ganho de capital por meio de investimentos em imóveis destinados a operações de armazéns logísticos e plantas industriais.