Itaú (ITUB4) fecha negócio bilionário e compra prédio mais caro do Brasil, diz site

Um fundo imobiliário fechou uma negociação bilionária com o Itaú (ITUB4) e vendeu um edifício ao banco em transação recorde no Brasil, segundo site.

Itaú (ITUB4) fecha negócio bilionário e compra prédio mais caro do Brasil, diz site
GARE11 vende ativo com lucro milionário; veja o valor por cota. Pixabay

O Itaú Unibanco (ITUB4) adquiriu o edifício Faria Lima 3500, com o pagamento à vista de mais de R$ 1,458 bilhão, segundo informações do site Brazil Journal confirmadas pelo banco, que não fez mais comentários. O vendedor do imóvel foi um fundo imobiliário da Brookfield, chamado FL3500, um fundo exclusivo que não foi listado em bolsa e nem levado ao mercado.

Segundo o jornal, essa é a maior transação envolvendo um edifício na cidade de São Paulo. O ativo conta com várias obras de artes modernistas e uma área privativa de 22.786 metros quadrados, resultando em um preço de venda de R$ 64 mil por metro quadrado.

O Faria Lima 3500 é um edifício cujo desenvolvimento foi realizado pela Tishman Speyer. A criação foi para o próprio Itaú, sob a modalidade “build to suit”. Logo quando as obras do imóvel foram concluídas, ele foi adquirido no ano de 2014 pela Brookfield.

Com essa aquisição, o Itaú ainda terá a opção de expandir a Área Bruta Locável (ABL) do edifício. Isso poderia ser feito após a Operação Urbana Faria Lima ser extinta, ou por meio da aquisição de Certificado de Potencial Adicional de Construção (CEPAC).

Apesar disso, o jornal diz que o edifício conta com uma limitação na relação terreno por ABL, visto que o desenvolvedor do ativo, a Tishman Speyer, não adquiriu os CEPACs no período de incorporação, o que gerou essa limitação ao potencial do ativo. Além disso, o único locatário do prédio desde o início é o Itaú BBA.

Detalhes do edifício comprado pelo Itaú

O imóvel comprado pelo Itaú está situado em frente ao Pátio Malzoni. O Brazil Journal destaca que poucos edifícios chegaram a ser vendidos por um patamar de preço próximo a esse, considerando os R$ 64 mil por metro quadrado.

Um dos exemplos de imóveis envolvidos em transações acima de R$ 60 mil por metro quadrado é o Amauri 255, que é utilizado como sede de gestoras como Spectra e Pragma. Outro exemplo é o imóvel usado como sede pelo BTG Pactual e pelo Banco Master, o Pátio Malzoni.

Em maio de 2022, a GTIS Partners também realizou a venda de sua participação de 62% no edifício Infinity, ativo que também está situado na região da Faria Lima. O imóvel é usado como sede para grandes corporações, como Meta, Goldman Sachs, Credit Suisse e Bloomberg.

A título de comparação com a aquisição feita pelo Itaú, a venda da GTIS tinha sido feita por R$ 850 milhões que, considerando a área vendida, corresponde a R$ 39.170 por metro quadrado.

foto: João Vitor Jacintho
João Vitor Jacintho

Redator profissional, com atuação no mercado editorial na produção de notícias e conteúdos sobre o mercado de ações, criptomoedas, fundos imobiliários e economia popular. Graduando em Engenharia Química pela Unesp, também já trabalhei como consultor financeiro.

últimas notícias