Como aumento da taxa selic que atualmente está no patamar de 12,75%, muitos investidores estão em dúvida se este é o melhor momento de vender seus fundos imobiliários e migrar de vez para renda fixa. Será esta a melhor estratégia? Na visão de Marcos Correa, especialista em FIIs da Suno, não: definitivamente, não!

Ao ser perguntado no canal da Suno sobre qual a melhor opção, um CDB pagando 14,7% ou fundos imobiliários, o especialista Marcos Correa não fugiu o assunto e respondeu. Veja aqui!

O CDB tem data de “validade”

Em primeiro lugar, o CDB citado tem incidência de imposto de renda. Ou seja, a rentabilidade não é líquida, e por isso o investidor precisa fazer os cálculos sobre o custo desta operação. Por outro lado, os rendimentos dos fundos imobiliários são, até o momento, isentos de imposto de renda, o que deixa esses ativos bastante atrativos em qualquer contexto. 

Marcos Correa comentou que o um CDB de qualquer banco tem “data de vencimento” o que significa que seu investimento está travado. “E quando chegar o vencimento do CDB, o que você vai fazer? Qual sua estratégia?”, questionou Correa.

Neste caso, dependendo da data do vencimento, a taxa de juros poderá estar mais baixa, oferecendo produtos de renda fixa com menor atratividade. 

Por outro lado, uma carteira de fundos imobiliários é para a vida toda. Isso significa que os rendimentos dos FIIs podem se valorizar com o tempo, assim como suas cotas também podem ser vendidas com ganho de capital, incrementando ainda mais a rentabilidade.

Fundos imobiliários é para o longo prazo 

Na visão do especialista, não há problemas um investidor de fundos imobiliários adicionar ativos de renda fixa, como o tal CDB de 14% em sua carteira. O problema, na visão do especialista, é desfazer de seus investimentos em renda variável para pegar um ativo de renda fixa. 

“Fazer isso [venda de FIIs] quando a renda fixa está ‘bombando’ é você, normalmente, vender um prejuízo em valores muito baixos para migrar para renda fixa. Daí, quando os fundos imobiliários retomarem a valorização, a pessoa vai querer resgatar o título de renda fixa para colocar em FIIs, mas possivelmente eles estarão mais valorizados”, destacou o especialista. 

Em outras palavras, esse giro constante de carteira visando encontrar a melhor rentabilidade, pode ser uma máquina de fazer perder dinheiro. Correa frisou que, além disso, outro comportamento ruim que prejudica os investimentos é forçar essa escolha entre “um ou outro”. 

 Por fim, o especialista deu seu recado final: “Se você investe consistentemente e com disciplina em fundos imobiliários, você terá um retorno mais interessante do que renda fixa”. Abaixo, confira a resposta completa de Marcos Correa:

https://youtu.be/hIF8b-ZXPFo