A administradora de fundos BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM e a gestora BTG Pactual Gestora de Recursos LTDA. do fundo imobiliário Hotel Maxinvest (HTMX11), comunicou ao mercado e aos cotistas nesta quarta-feira (30), através de fato relevante, que não haverá distribuição de rendimentos referente ao primeiro semestre de 2021.

Segundo o Hotel Maxinvest, as dificuldades em relação à pandemia, além das incertezas que permeiam o assunto no setor hoteleiro foi o que colaborou para esse fato. Nesse sentido, o HTMX11 terminou o semestre com prejuízo líquido acumulado.

Isso ocorreu, conforme explica o HTMX11, sobretudo pelos “aportes pontuais feitos pelo fundo, neste semestre, em alguns empreendimentos, visando à manutenção da saúde dos empreendimentos investidos”.

O Hotel Maxinvest projeta que para o próximo semestre, conforme a crise atual continue, podem ser necessários novos aportes pelo fundo. Estima-se ainda que o montante total de possíveis novos aportes seja de cerca de 0,24% do patrimônio do HTMX11, considerando o valor atual.

Embora se tenha essas estimativas e projeções, o fundo ressalta que “manterá os cotistas e o mercado informados acerca de qualquer alteração na presente situação”, e ainda que continua “à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais que se façam necessários''.

Saiba mais sobre o HTMX11

O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) Hotel Maxinvest surgiu em 2007. O objetivo do fundo, segundo apontado em seu informativo mensal de maio, é de “aproveitar a recuperação do mercado hoteleiro da cidade de São Paulo, que se previa ocorrer nos anos subsequentes”.

Além disso, o HTMX11 diz que o “aumento na distribuição da renda dos hotéis e a valorização das unidades hoteleiras vêm garantindo ao investidor do Maxinvest uma das melhores rentabilidades do mercado de Fundo de Investimento Imobiliário durante os quatorze anos da sua existência”.

Os investimentos do Hotel Maxinvest

O fundo Hotel Maxinvest começou em agosto de 2011 um novo ciclo de desinvestimentos por conta da valorização de suas unidades de hotel. Vale destacar o mercado imobiliário desacelerou seu ritmo das vendas, que, segundo o fundo, ocorre por conta “do delicado momento econômico enfrentado entre os anos de 2015 e 2017”.

O HTMX11 viu então uma oportunidade de comprar algumas unidades devido aos atrativos preços comerciais dos ativos. Nessa mesma linha de pensamento, nos anos 2016 e 2019, o fundo comprou alguns para sua carteira. A carteira do fundo terminou o mês de junho da seguinte forma, levando em conta classe de ativos e região:

HTMX11 diz que não distribuirá rendimentos do 1º semestre

A carteira do Hotel Maxinvest teve em abril uma taxa de ocupação de 20%. Com isso, se tem uma diária média de R$ 244, resultando em um RevPAR de R$ 49. Em relação a março de 2021 ocorreu um leve aumento da taxa de ocupação.

Segundo o HTMX11, a taxa de ocupação “ainda foi impactada pela adoção da Fase Emergencial no Estado de São Paulo e consequentemente a intensificação das restrições de circulação”.