O Fundo de Investimento Imobiliário Kinea Índices de Preços (KNIP11), administrado pela Intrag DTVM Ltda, divulgou na última quinta-feira (1) o seu relatório gerencial do mês de março, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais, assim como a atualização de seu portfólio.

O gestor do KNIP11, Kinea Investimentos Ltda., ressaltou as movimentações realizadas no mês de março, entre elas, aquisição de cinco CRIs com um montante total de R$ 320 milhões, a uma taxa média de IPCA + 5,80%. Os 5 CRIs obtidos pelo fundo foram:

  • Projeto Francisco Dias Velho – R$ 10 milhões;
  • Rede D’or – R$ 143 milhões;
  • Projeto Manuel da Nóbrega – R$ 49 milhões;
  • Edifício Souza Aranha – R$ 42 milhões;
  • Helbor – R$ 50 milhões;

Em março, o Kinea Índices de Preços aumentou sua posição nos CRIs iTower e CD Via Varejo, alcançando um volume de cerca de R$ 40 milhões a uma taxa média de IPCA + 5,45%. 

Ao final do de março, o KNIP11 alocou um montante igual a R$ 360 milhões a uma taxa média de IPCA + 5,76%. O fundo ressalta que possui uma série de operações em estruturação para “investir a parcela de recursos atualmente em caixa, que serão desembolsadas nos próximos períodos”.

O KNIP11 diz que os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) atrelados à inflação presentes na carteira refletem “as variações do indexador IPCA referentes aos dois meses anteriores à apuração de resultados”. Sendo assim, os resultados apurados ao longo do mês de março refletem a variação do IPCA referente aos meses de janeiro (0,25%) e fevereiro (0,86%).

Rendimentos do KNIP11

Os dividendos do KNIP11 referente ao mês de março serão pagos aos cotistas no dia 14 de abril de 2021, no valor de R$1,02 por cota. Ou seja, o percentual de rentabilidade para pessoas físicas é de 0,96%, considerando a cota média da 7ª emissão, no valor de R$106,41.

Importante dizer que essa rentabilidade do KNIP11 é isenta de imposto de renda para as pessoas físicas e é equivalente a 484% da taxa DI do período, ou seja, do CDI líquido de IR.

Durante o mesmo período ocorreu um volume de R$510,57 milhões em montante negociado, o equivalente a um volume médio diário de aproximadamente R$22,20 milhões para o Kinea Índices de Preços.

No fechamento do mês de março, o valor patrimonial da cota do KNIP11 foi R$101,88, enquanto o valor de mercado da cota foi de R$115,95. Desde a sua 6ª emissão, o KNIP11 teve uma rentabilidade de 0,96%, equivalente a 486% da taxa DI, considerando o valor de referência da cota em R$105,88.

Portfólio e resultados do KNIP11

A carteira de ativos do Kinea Índices de Preços ao final do mês de março era composta por 54 ativos , dos quais 52 são CRIs. Importante dizer que a alocação do fundo é de 92,4% em ativos-alvo e 7,6% em instrumentos de caixa. Dessa forma, a carteira está distribuída em:

  • 91,0% em CRIs;
  • 1,4% em FII;
  • 7,6% em caixa;

Os percentuais para a distribuição por indexador em IPCA, Selic e Caixa são parecidos, com números de 90,0%, 7,6% e 1,5%, respectivamente. Na alocação por setor, as 5 maiores posições do KNIP11 são:

  1. 37,3% em lajes corporativas;
  2. 20,3% em shoppings centers;
  3. 14,7% em galpões logísticos;
  4. 7,6% em caixa;
  5. 4,6% em desenvolvimento;

O total de resultados em CRI obtidos pelo Kinea Índices de Preços no mês de março foi de R$50,7 milhões, enquanto as despesas alcançaram os R$4,6 milhões. Sendo assim, o resultado líquido mensal alcançou aproximadamente R$48,9 milhões, considerando também os resultados menores que correspondem a FII e instrumento de caixa.

O KNIP11 iniciou suas atividades em 16 de setembro de 2016 e acumulou até o fechamento do mês de março um patrimônio líquido de aproximadamente R$4,80 bilhões, além de 52.514 no total do número de cotistas.