O Fundo de Investimento Imobiliário Mogno Fundo de Fundos (MGLG11), administrado pelo BTG Pactual Serviços Financeiros S/A DTVM, divulgou o seu relatório gerencial do mês de novembro, em que descreveu seu resultado e rendimento mensal.

O objetivo do MGLG11 é obter renda e ganho de capital, a serem obtidos através de investimento em imóveis alvo. A taxa de administração é de 1,00% ao ano sobre o valor do patrimônio líquido do fundo. Importante lembrar que o início do fundo foi em 26 de março de 2021.

O MGLG11 disse que a preocupação com a variante Ômicron e a comunicação mais hawkish do Fed trouxeram um mês de dólar forte e queda das bolsas globais. Esses fatores vieram com a continuação da recuperação econômica e das pressões inflacionárias. No Brasil, os números de emprego vieram fortes, porém a indústria e o varejo continuam em queda, já os serviços têm indícios de desaceleração. O

O IFIX teve queda de 3,63% no mês de novembro, enquanto se viu uma queda de 1,53% no Ibovespa. As perdas se espalharam por todos os segmentos, com fundos de tijolo tendo performance menor que os de papéis. Em relação ao setor imobiliário, o fundo reforça a “manutenção de bons fundamentos e indicadores operacionais dos ativos, assim como as oportunidades de aquisição abaixo de preço de reposição”.

Portfólio do Mogno Fundo de Fundos

O MGLG11 diz que a finalização da compra dos ativos Magna e Ceratti está prevista para acontecer em janeiro de 2022. O fundo entende que com esse mercado adverso, se entende que a emissão de um novo CRI é a “melhor escolha de financiamento em termos de geração de valor aos cotistas”.

A gestão do Mogno Fundo de Fundos está em negociações para a estruturação do novo certificado. Desse modo, se estima um resultado na faixa de R$ 0,60 e R$ 0,65 para os próximos meses.

Por segmento dos inquilinos, o MGLG11 tem 3 segmentos:

  • Alimentos - 46%;

  • Automotivo - 43%;

  • Varejo - 9%.

Por Área Bruta Locável (ABL), os inquilinos se distribuem da seguinte forma:

  • Volkswagen MAN - 39%;

  • Supermarket - 29%;

  • Itambé - 13%;

  • Ceratti - 10,7%;

  • Magna - 8,1%.

Por estado, essa ABL é distribuída de 56% no Rio de Janeiro e 44% em São Paulo. Além disso, 100% dos ativos está ocupado.

MGLG11 divulga resultado e rendimentos do mês de novembro

Resultados e rendimentos do MGLG11

O MGLG11 não distribuiu rendimentos durante o mês de novembro. A variação da cota a mercado mais dividendo foi negativo de 14,52%, contra um resultado do IFIX também negativo de 3,64% em do período. O volume negociado foi de R$ 1,6 milhão no mês.

O patrimônio líquido do MGLG11 ao final do mês resultou em R$ 113,39 milhões, enquanto o número de cotistas foi de 1.101. O valor da cota patrimonial terminou em R$ 98,20 e o número de cotas emitidas em 1.154.709.