O Fundo de Investimento Imobiliário Tordesilhas EI (TORD11), administrado pela Vórtx DTVM, divulgou nesta sexta-feira (16) o seu relatório gerencial do mês de março, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais.

O objetivo do Tordesilhas EI (TORD11) é proporcionar aos cotistas a valorização e a rentabilidade de suas cotas no longo prazo, através de investimentos em ativos imobiliários, auferindo rendimentos e ganhos de capital advindos destes.

A política de investimento do TORD11 é através da aplicação de seus recursos em ativos,

exclusivamente com lastro imobiliário, como renda fixa, crédito privado, fundos e ações ou cotas de empreendimentos. O resultado negativo contábil do Tordesilhas EI se deu por conta da variação negativa de 3,8% do preço de mercado do HCST11, por uma baixa liquidez e aumento da taxa da NTN-B.

No mês de março, o Tordesilhas EI finalizou a 4ª emissão de cotas do fundo. O TORD11 subscreveu e integrou 13.375.297 novas cotas, equivalentes a quase R$141,8 milhões, já excluindo-se as mais de 28 mil e 159 mil de cotas das retratações parcial e total, respectivamente. Desse modo, o custo total da oferta foi de R$2,8 milhões, que corresponde a 1,97% do valor total captado.

Portfólio do TORD11

O Tordesilhas EI diz que o “progresso das obras no Makaira Beach Resort também continua em linha com o cronograma, bem como a reestruturação organizacional do empreendimento, o que permitirá a implantação do condomínio nos próximos meses”.

O TORD11 destaca que o progresso das obras no Makaira Beach Resort também continua em linha com o cronograma, bem como a reestruturação organizacional do empreendimento, o que permitirá a implantação do condomínio nos próximos meses.

O portfólio do TORD11 por ativo se distribui da seguinte forma:

  • CRI - 41,6%;

  • Equity - 38,6%;

  • Fundo - 12,8%;

  • Caixa - 7,0%;

Já a alocação do Tordesilhas EI por indexador é dividido em:

  • N/A - 51,4%;

  • IPCA - 26,3%;

  • IGP-M - 15,3%;

  • CDI - 7,0%;

A alocação do TORD11 é 58,4% com status não-performado e 41,6% performado. Em percentual do patrimônio líquido, desconsiderando o caixa disponível, Goiás, São Paulo e Bahia se destacam na concentração geográfica, como podemos ver no mapa:

TORD11 anuncia resultados de março e os dados da 4ª emissão de cotas

Resultados e rendimentos

O resultado dos investimentos do TORD11 totalizaram R$ 1,375 milhão em março, acumulando R$ 6,23 milhões em 2021. As despesas do mês foram de aproximadamente R$ 221 mil, trazendo um resultado de caixa de R$ 1,154 milhão.

Os ajustes contábeis do Tordesilhas EI foram de quase R$ 710 mil, alcançando um resultado contábil de R$ 444 mil. A distribuição de dividendos do fundo, referente ao resultado do mês de março é de R$0,06 por cota. Isso representa um Dividend Yield de 0,6% sobre a cota patrimonial que encerrou a R$10,27 em 31 de março de 2021.

Os recibos referentes ao direito de preferência e as sobras da 4ª emissão de cotas receberam quase R$0,047 por recibo e R$0,020 por recibo, respectivamente. Desde a sua estreia no mercado secundário, o TORD11 distribuiu dividendos equivalentes a 13,4% de seu patrimônio líquido médio.

As adesões de cotistas ao Tordesilhas EI continuam crescendo. Houve um aumento de 24,5% em relação ao mês anterior, fechando o mês de março com 45.255 cotistas. Mas ocorreu uma diminuição da liquidez média diária em 27,5% em relação ao mês de fevereiro, ficando a R$1,8 milhões por dia.

O patrimônio líquido do TORD11 é de R$ 283,43 milhões e o market cap ao final do mês foi de R$ 159,71 milhões. O volume financeiro mensal foi de R$ 41,7 milhões e são 13.546.235 de cotas emitidas.