Valores patrimoniais dos FIIs devem crescer em 2024, avalia Baroni; veja detalhes

O head de Fundos Imobiliários da Suno também destacou sobre a importância da diversificação dos fundos imobiliários no portfólio

Valores patrimoniais dos FIIs devem crescer em 2024, avalia Baroni; veja detalhes
Mercado de FIIs movimenta mais de R$ 2 bilhões em emissões e tem anúncios de liquidações. Foto:Pixabay.

Os valores patrimoniais dos fundos imobiliários (FIIs) devem crescer, na média, no ano de 2024, segundo a avaliação do head de Fundos Imobiliários da Suno, Marcos Baroni.

Em seu canal do YouTube, o professor pontuou que alguns fundos que têm cotas de outros fundos, em sua visão, estão com os preços erráticos e que esses preços também impactam os valores patrimoniais.

“Quando eu olho no geral, estou otimista de que os valores patrimoniais devem encerrar 2024, na média, maiores do que fechou em 2023”, avaliou.

Para o professor, esse movimento já se iniciou no final do ano anterior, com a entrada para o ciclo de baixa dos juros e, com isso, uma taxa de desconto mais favorável.

Ao longo do segundo semestre de 2023, o Copom (Comitê de Política Monetária) reduziu a taxa básica de juros quatro vezes, a última em reunião realizada em 13 de dezembro. Hoje a Selic está em 11,75%. A previsão do mercado é de que os juros caiam para um dígito em 2024.

Diversificação dos FIIs na carteira

Além de avaliar o desempenho dos FIIs e o cenário macroeconômico, é importante que os investidores tenham uma carteira diversificada.

Dessa forma, o professor pontuou que os fundos imobiliários que se destacaram em 2023 pode não apresentar a mesma performance positiva em 2024.

“Os fundos de shopping valorizaram cerca de 25% e não quer dizer que eles irão valorizar isso agora, por isso a importância de ter uma carteira diversificada”, explicou Baroni.

O professor ressaltou que os investidores que estavam mais expostos à recebíveis acabou sofrendo um pouco mais em 2023. No entanto, já com uma carteira de investimentos mais diversificada em 2024, pode compensar e obter melhores rendimentos, com uma potencial valorização das cotas.

“Nunca criem expectativas de que os FIIs que foram bem em um ano, necessariamente se sairão bem no outro”, afirmou o especialista.

foto: Vanessa Loiola
Vanessa Loiola

Jornalista formada pela PUC-SP e pós-graduanda em jornalismo de dados, automação e data storytelling pelo Insper. Possui experiência na cobertura das editorias de economia, finanças, bolsa de valores, política, setor elétrico, eletromobilidade e entretenimento.

últimas notícias