O risco e a rentabilidade de um fundo de investimento estão totalmente ligados à sua gestão, que pode ser uma gestão ativa ou passiva.

Neste artigo, em especial iremos falar sobre a gestão ativa e quais são suas características em um investimento.

Na gestão ativa, o desempenho da carteira ou do fundo vai depender das decisões de investimento tomadas pelo gestor. Nesse caso, as carteiras funcionam com revisionais e ocorrem rebalanceamentos periodicamente. Em síntese, o gestor analisa o mercado constantemente buscando encontrar as melhores opções disponíveis, contudo, sempre seguindo a estratégia de investimentos do fundo.

O que é gestão ativa

gestão ativa

Geralmente, o regulamento de um fundo vem indicando qual será o índice de referência que o gestor deve seguir, o chamado benchmark.

Essa referência é como se fosse uma direção que o gestor deve trabalhar para alcançar, também podendo superar, sendo a meta de rentabilidade que deverá atingir.

A gestão ativa de um fundo de investimento é aquela que dá ao gestor maior liberdade para selecionar os ativos e ter, como resultado final, uma rentabilidade superior à do índice de referência.

Nesse caso, o regulamento trará limites de categorias de investimento que poderão fazer parte da carteira dos fundos.

Entendemos que é um trabalho desafiador buscar investimentos que remunerem acima da média do mercado, uma vez que rendimentos assim são geralmente acompanhados de maiores riscos e exigem ainda mais atenção dos gestores.

Os fundos de gestão ativa estão entre os que mais contam com analistas e gestores, uma vez que exigem uma grande dedicação na busca contínua pelas melhores oportunidades.

Exemplos de fundos de gestão ativa estão nos fundos multimercados.

Esse tipo de fundo pode utilizar estratégias diversas como, por exemplo, o objetivo de proteger o capital investido e trazer maior rentabilidade à carteira de investimentos.

O resultado aqui é que o gestor pode alcançar lucros acima da média, mas também, por outro lado, perder recursos devido às oscilações do mercado.

Gestão ativa nos Fundos Imobiliários

gestão ativa

Os tempos de fundos imobiliários passivos, aqueles constituídos para administrar uma carteira específica de propriedades, de olho principalmente na renda, ficaram para trás.

Antes dominantes na indústria, agora são representados em poucos portfólios registrados na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Atualmente, a grande maioria dos fundos imobiliários em operação atuam com gestão ativa, em que o gestor tem independência para tomar decisões, como negociar os ativos.

Com isso, as carteiras podem mudar de acordo com a estratégia e premissas de cada gestor. Essa proporção tem crescido ano após ano desde 2012.

Gestão ativa: Concluindo

Gestão ativa é sim, atualmente, um fator bastante relevante a se levar em consideração no processo de tomada de decisão de um investimento e, por conta disso, entender as características desse tipo de gestão é fundamental.

Em linhas gerais, se o investidor deseja superar seu índice de referência, saiba que precisará de uma gestão ativa. E para isso, terá que correr também o risco de não superar, pois, existem as oscilações e variações do mercado.

Bons investimentos!

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Desenvolvedor de conteúdos

Formado em Engenharia de Produção pela FAACZ, com experiência de mais de 5 anos no mercado financeiro do Brasil. Investidor e desenvolvedor de conteúdos sobre o mercado imobiliário, economia e investimentos.

Comentários