O que são fundos de investimento - Conheça os 6 principais segmentos



Antes de se perguntar o que são fundos de investimento, é preciso compreender que esse tipo de investimento tem atraído investidores que buscam retornos perenes aliado a administração qualificada de seu patrimônio, além da diversificação.

Mas afinal, o que são fundos de investimento? Um fundo de investimento é formado por uma carteira de ativos financeiros.

Ele é gerido por administradoras que disponibilizam as cotas – que são a menor fração do capital do fundo – no mercado para que investidores comprem essas cotas e se tornem cotistas do fundo, com direitos e deveres implícitos, e isso explica um pouco o que são fundos de investimento. De forma didática, um fundo de investimento pode ser considerado um condomínio de investidores, e tem a forma parecida com um condomínio residencial, onde o síndico é o gestor e os moradores são os cotistas.

A diferença primordial é que nos fundos de investimentos a razão maior é o lucro no final de cada ciclo, já nos condomínios residenciais, não.

Quais os tipos de fundos de investimentos

O que são fundos de investimento

Os fundos de investimentos são categorizados, principalmente, de acordo com os ativos financeiros que possuem.

Além dos ativos financeiros que possuem, também são classificados por:

  1. Composição da carteira
  2. Objetivo de longo prazo
  3. Metas de rentabilidade
  4. Prazo de aplicação

Portanto, para escolher dentre vários fundos de investimentos, é preciso definir um ou mais fundos apropriados com os seus objetivos.

Se você é uma pessoa que prefere correr menos risco, opte por fundos de renda fixa e longo prazo.

Caso contrário, os de curto prazo e renda variável são os mais indicados, pois entregam um potencial de ganho maior.

Saiba mais sobre os tipos de Fundos de Investimento:

#1 Fundos de Ações

Os fundos de investimento em ações têm por obrigação possuir ao menos 67% de seus investimentos em ações de empresas listadas na bolsa de valores.

Por se tratar de investimentos em renda variável, esse tipo de fundo possui risco elevado, e não é recomendado para pessoas com perfil conservador.

#2 Fundos de Curto Prazo

São fundos que investem o capital dos cotistas em títulos públicos pré-fixados ou privados (de baixo risco).

Esse tipo de fundo busca bater a meta da taxa básica de juros (SELIC), por isso são indicados para pessoas que querem correr pouco ou nenhum risco.

#3 Fundos de Renda Fixa

Esse tipo de fundo precisa necessariamente ter 80% de sua carteira de ativos em renda fixa pré-fixada ou pós-fixada.

Também são fundos de baixíssimo risco.

#4 Fundos Cambiais

Esse tipo de fundo investe em moeda estrangeira.

Os mais comuns são dólar e euro.

São fundos utilizados para proteção do capital em caso de crises, também conhecidos como fundos de hedge.

#5 Fundos Multimercados

Nesse tipo de fundo o gestor tem liberdade para escolher qual a melhor classe de ativo do momento, de acordo com a situação macroeconômica do país.

Pode ser mesclado investimentos em renda fixa e renda variável.

Esse tipo de fundo é indicado para quem queira diversificar seus investimentos e com isso mitigar riscos.

#6 Fundos Imobiliários

O que são fundos de investimento

Os Fundos de investimento imobiliário, ou simplesmente FIIs, são fundos que investem seu capital majoritariamente em ativos atrelados ao mercado imobiliário.

Nesse tipo de fundo, o gestor se propõe a buscar alternativas de investimento em:

No intuito de gerar renda para os cotistas na forma de aluguel, venda ou rendimentos de juros.

Fundos de investimento - Conclusão

Essa foi uma breve explanação dos fundos de investimentos disponíveis no mercado financeiro atualmente.

Para entender melhor o que são fundos de investimento, continue seus estudos, e não deixe de investir, para que você possa assegurar uma aposentadoria tranquila.

Bruno Sperandio
Bruno Sperandio Autor

Engenheiro por formação, com mais de 7 anos de experiência no mercado de investimentos, trabalha com produção de conteúdo informativo e educacional para o mercado imobiliário brasileiro.




Comentários