Securitização de recebíveis – Entenda como funciona esse processo

Você investidor, já ouviu falar do termo securitização de recebíveis no mercado de investimentos?

A palavra securitização provém do termo “securities”, que em inglês se refere a valores mobiliários e títulos de crédito.

Dessa forma, securitizar tem o significado de converter determinados créditos (ativos recebíveis), em lastro para títulos ou valores mobiliários a serem emitidos posteriormente. A securitização de recebíveis serve, portanto, como suporte para a emissão de títulos ou valores mobiliários.

O que é uma Securitização de recebíveis

securitização de recebíveis

Securitização ou titularização é uma prática financeira que consiste em agrupar vários tipos de ativos financeiros convertendo-os em títulos padronizados negociáveis no mercado de capitais.

Fazendo isso, a dívida é transferida, vendida, na forma de títulos, para vários investidores.

Ou seja, a securitização é a conversão de uma dívida (duplicatas, cheques, notas promissórias) em título lastreável e negociável entre instituições financeiras.

Estes títulos podem ser adquiridos diretamente por Bancos, Distribuidoras de Valores ou Fundos de Investimento como forma de rentabilizar o capital investido.

Caberá também ao comprador do título securitizado a cobrança individual de todas as dívidas que compõe o título, isentando a Securitizadora e qualquer intermediário, de qualquer ônus.

Portanto, esses títulos são caracterizados por um compromisso de pagamento futuro, de principal e juros, a partir de um fluxo de caixa proveniente da carteira de ativos selecionados.

Em suma, a securitização é utilizada pelo sistema financeiro para obtenção de fundos e divisão de riscos.

É uma forma de transformar ativos relativamente não líquidos em títulos mobiliários líquidos, transferindo os riscos associados a eles para os investidores que os compram.

Vantagens de uma securitização

  • O risco de perda num portfólio é transferido para os investidores, ou seja, se o portfólio for de má qualidade e se os fluxos de caixa gerados forem insuficientes, será o investidor que irá acarretar com a perda financeira
  • Securitização permite transformar um portfólio ilíquido, num portfólio líquido, tornando possível vender esse portfólio, não a um investidor, mas a vários investidores, nomeadamente ao mercado de fundos
  • Securitização permite gerir o balanço, controlando sua inflação se for considerado como sendo excessiva.
  • De fato, através do reembolso da carteira de crédito, um cedente liberta fundos e pode aumentar a sua atividade ou gerar novos ativos, mantendo o seu balanço num nível controlado, para os ativos saírem de seu balanço
  • A operação de titularização não responde necessariamente a outras necessidades além do desejo de extrair o valor dos ativos
  • Os investidores podem transferir suas ações a qualquer momento e, eventualmente, fazer os ganhos de capital

Desvantagens de uma securitização

securitização de recebíveis

  • O custo da operação e da complexidade do procedimento
  • As despesas importantes durante uma primeira operação tendem a diminuir sensivelmente para as operações a seguir
  • A transferência do risco vai para os investidores
  • Leva à diminuição dos padrões de empréstimo por parte dos bancos

Securitização de recebíveis – Considerações

Existem várias interpretações no mercado financeiro nacional sobre seu significado.

No entanto, aprendemos aqui que a securitização é uma técnica de transformar ativos relativamente ilíquidos em títulos mobiliários líquidos e de transferir os riscos associados a eles para os investidores que os compram.

Por isso, em conclusão, os títulos de securitização de recebíveis são, portanto, caracterizados por um compromisso de pagamento futuro, de principal e juros, a partir de um fluxo de caixa proveniente de uma carteira de ativos selecionados.

Marcos Baroni
Marcos Baroni Especialista em FIIs (Suno Research)

Marcos Baroni é especialista em Fundos Imobiliários. Professor há 20 anos em cursos de Graduação e MBA nas áreas de Gestão de Projetos e Processos.

Comentários