A administradora de fundos CM Capital Markets DTVM Ltda., do fundo imobiliário AF Invest Recebíveis Imobiliários (AFCR11), comunicou ao mercado e aos cotistas na quarta-feira (18), o relatório gerencial do mês de julho, em que descreveu seu resultado e dividendo mensal, assim como a atualização de portfólio.

O objetivo do AFCR11 é comprar ativos financeiros de natureza imobiliária, com foco especial na aquisição de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI). A taxa de administração do fundo é de 1% ao ano, enquanto a taxa de performance é de 20% sobre o que exceder 110% CDI.

O fundo diz que o AFCR11 se destaca por “buscar oportunidades diferenciadas de crédito imobiliário customizadas com fortes mecanismos de proteção para eliminação ou mitigação dos riscos identificados, sempre levando em consideração eventuais cenários de estresse”.

No mês de julho de 2021, o Ibovespa teve uma queda de 3,94%, o que fez com que voltasse ao patamar de 122 mil pontos, o que reflete a queda das bolsas mundo afora frente a um novo temor com a variante Delta. Além disso, se viu o aumento da pressão inflacionária com expectativa de alta da Selic, o que se confirmou na última reunião do COPOM que foi para 5,25% ao ano.

Portfólio do AF Invest Recebíveis Imobiliários

A gestão do AFCR11 tem critérios rígidos para analisar as operações-alvo do AF Invest Recebíveis Imobiliários. Geralmente se trata de operações em fase inicial de estruturação, já que é nesse estágio que a “expertise do time do AFCR11 em análise e mitigação de riscos em operações estruturadas de crédito pode ser incorporada aos instrumentos do CRI”, conforme explico o fundo.

O AFCR11 tem algumas premissas, como:

  • Saúde financeira;
  • Financiamento integral;
  • Expertise/histórico do incorporador;
  • Liquidez do imóvel;
  • Histórico de vendas;
  • Carteira de Recebíveis.

O AFCR11 já teve a análise de 133 operações desde a sua captação, o que representa um total de cerca de R$ 4,01 bilhões. Nesse sentido, o lastro são os contratos de aluguéis típicos e atípicos, assim como os imóveis residenciais de baixa, média e também de alta renda. Isso inclui também os:

  • Imóveis comerciais;
  • Loteamentos;
  • Contratos de geração de energia;
  • Empreendimentos de multipropriedade.

Por classe de ativo, o AFCR11 possui 95,40% alocados em CRI, enquanto 4,60% está em caixa. Importante dizer que 100% dos ativos do fundo estão sob o índice IPCA. A distribuição geográfica do fundo se distribui nos seguintes CRIs:

  • Palatium - Fortaleza - CE;
  • Shopping Alegria - Várzea Grande - SP;
  • Co - Porto Alegre - RS;
  • Co - Porto Alegre - RS;
  • Parque - Porto Alegre - RS;
  • Life Park - Canoas - RS;
  • Like - Porto Alegre - RS.

AFCR11 divulga resultado e dividendo do mês de julho de 2021

Resultados e rendimentos do AFCR11

O patrimônio líquido do AFCR11 alcançou a marca dos R$ 121,27 milhões, que em meio a 1.187.269 cotas emitidas, se tem um valor patrimonial da cota de R$ 102,14. Já o valor de mercado da cota atingiu R$ 107,95 por cota no dia 30 de julho de 2021. Esse valor foi para R$ 106,49 até o dia 16 de agosto de 2021.

No dia 9 de agosto de 2021 o fundo realizou a distribuição de R$ 1,10 por cota, que representa 310% do CDI mensal, assim como 364% do CDI após o efeito tributário, considerando o gross-up.

A receita total líquida do AFCR11 foi de R$ 3,73 milhões no mês de julho, o que inclui R$ 2,8 milhões em receitas de juros e amortização de CRI. O total de despesas do AF Invest Recebíveis Imobiliários no mês foi de R$ 126,42 mil, adquirindo assim um lucro líquido em regime de competência de R$ 3,6 milhões, o equivalente a R$ 3,04 por cota.