O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ quinta-feira‌ ‌(19)‌ ‌em baixa de -0,47%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.690 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ agosto ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ -4,72%‌ ‌e‌ -6,25%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

Também, o ‌‌índice‌‌ ‌‌‌‌SUNO30‌‌‌‌ ‌‌fechou‌‌ ‌‌em‌‌ queda ‌de‌ -‌0,55%‌ ‌‌e‌‌ ‌98,12‌ pontos.‌‌ ‌‌Veja‌‌ ‌‌na‌‌ ‌‌tabela‌‌ ‌‌‌abaixo:‌‌ ‌ 

fechamento fiis

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

IRDM11 divulga resultados e demonstra aumento nos dividendos

A gestão do fundo Iridium Recebíveis Imobiliários FII (IRDM11) comunicou aos cotistas nesta quinta-feira (19), os resultados referentes ao mês de julho. Com uma série de compras e vendas de diferentes ativos, a Iridium Gestão de Recursos demonstrou a movimentação da carteira do fundo, além de divulgar aumento no patamar dos dividendos.

A Iridium Gestão disse que a distribuição de rendimento referente a julho foi de R$ 1,15 por cota. Isso equivale a uma remuneração bruta de imposto de renda de 391,85% do CDI. Confira os resultados abaixo:

IRDM11

Nas contas da gestora, o resultado voltou ao patamar dos meses de abril e maio, principalmente pelo aumento do IPCA de maio de 0,84%, lembrando que grande parte dos ativos do fundo estão indexados à inflação.

Confira nos gráficos abaixo a distribuição dos ativos no portfólio do fundo e seus indexadores:

IRDM11

Na verdade, a gestora destacou que o IPCA continua forte (junho com 0,53% e julho com 0,96%). Neste contexto, a alta de juros também gera impactos positivos nos ativos de crédito atrelados ao CDI, que representam 16,42% do patrimônio líquido. 

Em outras palavras, os próximos rendimentos também devem obter acréscimos nos próximos meses, haja vista que a tendência de alta dos juros está garantida até o fim do ano. 

Por fim, a gestora lembrou que o fundo segue sem nenhuma inadimplência em sua carteira, com todos os ativos pagando os prêmios com constância.

Movimentação da carteira do fundo

A equipe de gestão prosseguiu com a estratégia de investir no mercado primário de CRIs, fazendo constantes análises de novas oportunidades.. 

Nas últimas semanas, lembrou a gestora, “com o mercado de FIIs apresentando uma queda acumulada de -4,2% (de 16/07 até 12/08), o fundo está atento para iniciar aquisições oportunistas utilizando parte do caixa recebido da 10ª emissão de cotas”.

Na tabela abaixo, a gestão divulgou todas as aquisições e operações de venda tanto de CRIs quanto de cotas de FIIs:

IRDM11

IRDM11

O Iridium Recebíveis Imobiliários é um fundo imobiliário de papel com investimentos em títulos de valores imobiliários. Seu maior foco é em operações no mercado de CRIs, desde que atendam aos critérios definidos na política de investimento.

MCCI11 divulga resultados e rendimentos do mês de julho

O Fundo de Investimento Imobiliário Mauá Capital Recebíveis Imobiliários (MCCI11), administrado pela BTG Pactual Serviços Financeiros S.A DTVM, divulgou nesta quinta-feira (19), o seu relatório gerencial do mês de julho, em que descreveu seu resultado e rendimento mensal.

O objetivo do MCCI11 é alcançar rendimento e ganho de capital para seus investidores por meio da compra de CRI. O Mauá Capital Recebíveis Imobiliários deve investir no mínimo 67% de seu patrimônio nesse tipo de ativo. A taxa de gestão do fundo é de 0,80% ao ano sobre o patrimônio líquido, enquanto a taxa de administração é de 0,20% ao ano sobre o PL.

A gestão informou que a distribuição do fundo para o mês de julho foi de R$ 1,00 por cota, equivalente a um dividend yield anualizado de 12,2%, quando considerado o preço de fechamento do mês de R$ 104,04. Confira abaixo:

MCCI11

Na expectativa da gestão, a manutenção desse patamar de distribuição de dividendos será mantida ao longo dos próximos meses. 

Ao longo do mês de julho, o fundo realizou alocações estratégias em ofertas restritas de Fundos Imobiliários de CRI no montante total de R$ 75,3 milhões. A expectativa é que essas alocações apresentem um dividend yield ponderado de 14,5% a.a. 

No fechamento do mês o fundo estava integralmente alocado em ativos alvo, sendo 23 CRIs e 6 Fundos de CRI. A parcela do patrimônio alocada em CRI apresenta uma taxa média ponderada de Inflação + 6,6% (79% do Fundo) e CDI + 4,2% (8% do fundo). 

A gestora reforçou que ao longo do mês houve contribuição de aproximadamente R$ 0,12 por cota advindo das cotas dos FIIs investidos, apenas com os rendimentos recebidos, sendo que R$ 0,09 já vieram das novas aquisições realizadas no mês.

Por fim, no fechamento do mês, os FIIs que compunham a carteira do Fundo eram: MCHY11, RBRR11, SNCR11, HGCR11, FLCR11 e VGIR11. “Considerando os preços de aquisição, os pagamentos advindos dos FIIs representam um yield on cost médio de 13,3%, encerrando o mês com 10,7% do patrimônio líquido investidos em fundos de CRI”, destacou a gestora.

PVBI11 informa sobre resultados e emissão de cotas

A‌ VBI Estate Gestão de Carteiras,‌ ‌gestora‌ ‌do‌‌ FII VBI Prime Properties (PVBI11),‌ ‌comunicou‌ ‌nesta‌ quinta-feira ‌(19)‌ os resultados do mês de julho. Também, a gestora deu detalhes sobre a gestão de ativos, emissão de cotas e planos para novas aquisições.

Referente ao mês de julho, a gestou divulgou que a distribuição de rendimentos foi o equivalente a R$ 0,59 por cota. Esta distribuição representa um dividend yield de 7,4% sobre o preço de fechamento e 7,1% sobre o valor da cota patrimonial. Confira abaixo:

PVBI11

Até o último dia do mês passado, a vacância do PVBI11 era de 0,1%, com apenas 1% da área da Torre B do JK disponível. Além disso, o prazo médio remanescente dos contratos é de 7,1 anos. 

Confira nos gráficos abaixo o perfil dos ativos do fundo:

PVBI11

Desta forma, a gestora reforçou que o fundo recebeu a totalidade dos recebíveis de sua carteira de ativos de crédito sem possuir qualquer inadimplência. 

Gestão dos ativos do fundo

Como já divulgado pela gestão em outros relatórios, em outubro de 2020 foram iniciadas as obras de reforma no ativo Faria Lima. Até o fim de julho, as obras do lobby estavam 99% concluídas, encontrando-se em etapa final de paisagismo. 

A gestão informou que esses investimentos visam a “modernização do empreendimento, mantendo seu valor e qualidade, como um dos melhores edifícios Triple A da Faria Lima”. 

Sobre a oferta emissão de cotas do fundo

O PVBI11 divulgou a oferta pública de nova emissão de 3.507.854 cotas, com possibilidade de exercício do lote adicional. 

De acordo com a gestão, a oferta tem como objetivo captar o montante total de R$ 335 milhões (sem incluir lote adicional). 

Desta forma, o preço de subscrição é de R$ 95,50 por cota, já incluindo os custos de distribuição de R$ 0,12 por cota. 

O fundo já tem a destinação certa para os recursos captados, neste caso, 

  • para a aquisição da fração ideal de até 25% do imóvel denominado por Torre B JK, com custos de aquisição estimados em aproximadamente R$ 237,8 milhões para aquisição da totalidade de referida fração ideal; 
  • pré-pagamento dos créditos imobiliários que lastreiam os CRIs, no valor nominal de R$ 56,0 milhões; 
  • pagamento da 2ª parcela referente ao preço de aquisição da fração ideal de 50% do edifício denominado de “Union Faria Lima” no valor estimado de R$ 40,5 milhões; 
  • Complemento do caixa do fundo.

O FII VBI Prime Properties é um fundo imobiliário do tipo tijolo, com o objetivo de rentabilizar no mínimo dois terços do seu patrimônio líquido diretamente em imóveis do segmento corporativo ou comercial, cotas de FIIs e cotas de Fundos de Investimento em Participações.