O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ quarta-feira‌ ‌(21)‌ ‌em queda de -0,06%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.837,73 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ ‌julho ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ 3%‌ ‌e‌ -1,12%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

BARI11 informa resultados e mostra movimentação de investimentos

A gestão do FII Barigui Rendimentos Imobiliários (BARI11), detalhou em seu Relatório Gerencial divulgado na quarta-feira (21), a performance do fundo no mês de junho. Desta forma, a gestora Barigui Gestão publicou os resultados do FII e descreveu a movimentação dos seus ativos.

Em relação aos seus resultados, o fundo distribuiu R$1,07 por cota. A Barigui Gestão informou que no acumulado do ano, a distribuição foi de R$14,63/cota nos últimos 12 meses e R$7,89/cota apenas no ano de 2021. Confira abaixo:

BARI11

No mercado secundário, a cota apresentou uma queda de 2,40% no valor de mercado e 1,11% quando levado em consideração o yield distribuído. Mesmo assim, a gestão reforçou que o BARI11 supera o seu Benchmark (CDI + 1,5%) e o IFIX, “tanto a partir de sua cota a valor de mercado quanto a valor patrimonial”.

Movimentação da carteira

O fundo adquiriu um novo CRI importante para composição do seu portfólio, o CRI Bari XI Séries 91 a e 92 a, pelo valor total de R$ 29,094 milhões, com taxa média de IGPM+ 11,03% 

Além da aquisição acima, o BARI11 realizou outras operações, tanto no mercado de CRIs quanto de outros ativos, confira: 

  • A aquisição do CRI Bari XI, Séries 91ª (Sênior) e 92ª (Júnior) pelo valor total de R$ 29,094 milhões, com taxa média de IGPM+ 11,03%. 
  • Aquisição de 50.000 cotas do CYCR11 pelo valor total de R$ 5 milhões; 
  • Compra 10.092 cotas do RBRR11 pelo valor total de R$ 1 milhão; 
  • O exercício do direito de preferência na subscrição de 22.179 cotas do VGIP11, pelo valor total de R$ 2,244 milhões.
  • Venda de 6.372 cotas do VGIP11 pelo valor total de R$ 640,6 mil; e 
  • Venda de 6.402 cotas do CVBI11 pelo valor total de R$ 668,1 mil.

Em junho, o BARI11 possuía 16 CRIs, sendo dez de créditos pulverizados, nos quais constavam 146 créditos imobiliários, com ticket médio de R$ 229 mil por contrato e garantia de 1,8 vezes o valor total dos empréstimos. Abaixo, observe o perfil da carteira do fundo:

BARI11

O FII Barigui Rendimentos Imobiliários tem por objetivo a valorização e rentabilidade de suas cotas, por meio de investimentos em ativos imobiliários, principalmente os CRIs e aplicações financeiras.

BCFF11 demonstra resultados e explica suas estratégias

A gestão do FII BTG Pactual Fundo de Fundos (BCFF11), detalhou em seu Relatório Gerencial divulgado quarta-feira (21), a performance do fundo no mês de junho. Desta forma, a gestora BTG Pactual Gestora de Recursos publicou os resultados do FII e também mostrou sobre suas prioridades de investimentos.

Referente ao mês de junho, o fundo distribuiu R$ 0,45 por cota, contemplando também os participantes da 10ª emissão de cotas após a conversão dos recibos em cotas. Observe abaixo os resultados: 

BCFF11

De acordo com a BTG Pactual Gestora de Recursos, “este valor representa um dividend yield de 7.0% ao ano, com base na cota de fechamento do mês, ou ainda o equivalente a 198% do CDI para o período”.

O BCFF11 encerrou o mês com uma reserva de contingência de R$9 milhões, o equivalente a R$0,36 por cota, já considerando a nova base de cotas do fundo.

A gestão explicou que o resultado foi abaixo comparado ao mês anterior, principalmente devido a flutuações pontuais de mercado, principalmente à volatilidade e redução no preço das cotas causadas no fim do mês de junho, em virtude dos “ruídos” em torno da reforma tributária.

Sobre os investimentos do fundo

O BCFF11 realizou uma captação de recursos neste semestre, o que abriu a possibilidade de investir em FIIs com taxas de retorno recompensadoras e que “deverão atingir a maturidade nos próximos meses, contribuindo principalmente para o aumento do FFO do Fundo”, afirmou a gestão. 

Desta forma, o BCFF11 estará sempre com seu portfólio nos diferentes segmentos de FIIs do mercado, porém com posições estratégicas para realização de ganho de capital. Isso foi feito em junho com a alocação de R$ 133 milhões durante o período de queda dos preços no contexto de discussões a respeito da reforma tributária. 

Desta forma, “o fundo deverá aumentar sua participação em FIIs de CRI e CRIs com os recursos da 10ª emissão de cotas, tomando proveito tanto da alta da inflação quanto da alta dos juros no curto prazo, tornando sua carteira ainda mais defensível”, disse a gestora.

Observe no gráfico abaixo os principais investimentos em FIIs do portfólio do BCFF11:

BCFF11

O FII BTG Pactual Fundo de Fundos Imobiliários tem como objetivo principal a aquisição de cotas de outros FIIs, bem como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e outros títulos de renda fixa.

OULG11 divulga seus resultados e rendimentos do mês

A gestão do FII Ourinvest Logística (OULG11), detalhou em seu último relatório gerencial divulgado na quarta-feira (21), a performance do fundo no mês de junho. Além disso, a gestora Ourinvest Asset sobre o patamar de distribuição do fundo.

O Ourinvest Logística é um fundo de Investimento Imobiliário constituído sob a forma de condomínio fechado que tem por objetivo o investimento em empreendimentos imobiliários voltados primordialmente para operações logísticas. O fundo conta hoje com dois imóveis e aproximadamente 80.000 m² de ABL.

A gestora informou que o fundo gerou um resultado de R$ 0,01 por cota, referente à junho. Porém, o OULG11 distribuiu R$ 0,50 por cota, representando um dividend yield anualizado de 8,8% a.a. sobre o preço da cota no mercado secundário (R$ 68,12). Confira na tabela abaixo os resultados: 

OULG11

“A composição da receita ficou em 99% proveniente de aluguéis dos imóveis em carteira e de aluguéis cessantes, e 1% de rendimento de renda fixa”. Desta forma, nos últimos 12 meses, a média dos resultados é de R$ 0,58 por cota. 

Ainda sobre o mês de junho, o OULG11 recebeu o aluguel do imóvel em Juiz de Fora e a terceira parcela dos aluguéis cessantes referente ao imóvel em Duque de Caxias. 

Esses recebimentos geraram um resultado de R$ 0,61 por cota no mês. Porém, esses valores foram repassados para o “condomínio do imóvel de Duque de Caxias de forma a fazer frente a investimentos e adaptações no imóvel, por conta de uma futura ocupação”, destacou a gestão. 

Dessa forma, a gestão explicou que o resultado de R$ 0,01 por cota foi complementado pela reserva em R$ 0,49 por cota para a “manutenção da distribuição em R$ 0,50 por cota”. 

Diante da necessidade constante de manter os imóveis, o fundo possui uma reserva de aproximadamente R$ 375 mil, que também pode ser usado para complementar a distribuição. 

A Gestão reforça que o OULG11 tem capacidade de manter a distribuição de R$ 0,50 por cota ao longo do segundo semestre de 2021, “independentemente da locação do imóvel de Duque de Caxias”, disse a gestora. Porém, a gestão segue na busca em prospectar novos locatários para o imóvel.