O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ sexta-feira‌ ‌(23)‌ ‌em queda de -0,20%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.828,23 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ ‌julho ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ 2,66%‌ ‌e‌ -1,46%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

Também,‌ ‌o‌ ‌índice‌ ‌‌SUNO30‌‌ ‌fechou‌ ‌em‌ queda de -0,21% ‌e‌ 103,19 pontos.‌ ‌Veja‌ ‌na‌ ‌tabela‌ ‌abaixo:‌ 

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

BTLG11 divulga resultados e mostra resultado de emissão de cotas

A gestão do BTG Pactual Logística FII (BTLG11) comunicou aos cotistas nesta última sexta-feira (23),os resultados referentes ao mês de junho. A gestora BTG Pactual também demonstrou o quanto captou com a última emissão e como gastou seus recursos.

Em relação ao seus resultados, o BTLG11 distribuiu R$ 0,70 por cota aos seus cotistas referente ao mês de junho, representando um dividend yield anualizado de 7,90%. O BTG Pactual reforçou que em 12 meses, o retorno é de 12,1%. Observe na tabela abaixo:

BTLG11

Como complemento, a gestão disse que o fundo “teve um resultado expressivo não recorrente devido ao recebimento da primeira parcela da venda de 4 ativos”. Na verdade, o recebimento da primeira parte da venda dos imóveis teve um resultado de R$ 8,6 milhões, que representa R$ 0,57 por cota.  

Também, os dividendos de junho incluíram o pagamento dos rendimentos daqueles que participaram da última emissão de cotas do BTLG11, sendo distribuído R$ 0,43 por cota aos investidores que exerceram o direito de preferência e R$ 0,29/cota aos que exerceram nas sobras. O ganho estimado foi de 135% CDI líquido.

Desta forma, a partir do dia 20 de julho, informou a gestora, todas as cotas passaram a ser negociadas na B3. 

Resultado da última emissão de cotas

Em relação aos recursos utilizados da 10ª emissão de cotas, no dia 19 de julho, o fundo concluiu a compra do imóvel em Ribeirão Preto, São Paulo, que se refere a um condomínio logístico com ABL de 57.143 m², AAA.

Além disso, o ativo está 100% locado e possui locatários com nomes importantes no mercado do varejo e e-commerce: Mercado Livre, B2W e Ambev. 

Abaixo, os gráficos demonstram o perfil dos ativos do fundo:

BTLG11

Um dia depois do anúncio de encerramento da 10ª emissão, o BTLG11 assinou o contrato para compra do imóvel. Segundo o BTG Pactual, isso “demonstra o compromisso da gestão em alocar rapidamente os recursos de suas emissões”. O fundo captou R$240 milhões em sua última emissão.  

O BTLG11 é um fundo imobiliário de tijolo com objetivo de obtenção de renda e ganho de capital por meio de investimentos em imóveis destinados a operações de armazéns logísticos e plantas industriais.

HCTR11 demonstra seus rendimentos e investimentos do mês

O Fundo de Investimento Imobiliário Hectare CE (HCTR11), administrado pelo Vórtx DTVM Ltda e com a gestão da Hectare Capital, divulgou nesta sexta-feira (23) o seu relatório gerencial do mês de junho, no qual descreveu seus resultados e rendimentos mensais, assim como a movimentação de seu portfólio com novas aquisições.

Em relação aos resultados e ao patamar de distribuição, o fundo entregou um dividend yield de 1,46%, com pagamento de R$1,70 por cota. Observe abaixo os resultados: 

HCTR11

A Hectare informou que todos os ativos pagaram as obrigações conforme previsto. Os FIIs investidos pagaram um total de R$ 462 mil de dividendos.

Na tabela abaixo, a gestão compartilhou com os cotistas a rentabilidade do fundo e a sua superação em comparação ao CDI:

HCTR11

Movimentação da carteira de investimentos do fundo 

Diante disso, o HCTR11 aumentou sua posição em ativos que já possuía em carteira - dois CRIs e dois fundos imobiliários, neste caso: 

  • CRI Belle Ville Sr. (R$ 2,24 milhões)
  • CRI Ingleses Un. (R$ 5 milhões)
  • FII HCHG11 (R$ 44,44 milhões) 
  • direito de preferência do FII RBHY11 (R$ 33,33 milhões). 

Também, o fundo investiu em novos ativos com as seguintes operações: 

  • CRI Servic Un. (R$ 8 milhões), 
  • CRI LR Loteamentos Sr. (R$ 2,73 milhões), 
  • CRI LR Loteamentos Sub. (R$ 1,73 milhões)
  • CRI GVI Sr. (R$ 51,47 milhões)
  • CRI GVI Sub. (R$ 33,51 milhões) 
  • FII HREC11 (R$ 17,42 milhões). 

Na ponta vendedora, o HCTR11 vendeu parcialmente do ativo CRI WAM Praias Un. (R$ 17,28 milhões). 

Como complemento, houve ainda o pré-pagamento de alguns CRIs, resultando em uma multa de R$ 1,21 milhões. Abaixo, seguem os ativos: 

  • CRI Buona Vitta Sr. (R$ 42,81 milhões) 
  • CRI Buona Vitta Mz. (R$ 9,35 milhões) 
  • CRI Buona Vitta Sub. (R$ 8,37 milhões) 

Desta forma, a gestão do HCTR11 destacou que o fundo fechou o mês de julho a alocação de 100% dos recursos da 9ª Emissão de cotas. Ao todo, o fundo investiu em 22 CRIs (14 novos e 8 aumentos em posições anteriores do fundo) e 5 FIIs (2 novos e 3 aumentos em posições anteriores do fundo). 

O FII Hectare CE é um fundo imobiliário que tem como objetivo proporcionar aos cotistas a valorização e a rentabilidade de suas cotas no longo prazo, por meio de investimentos em ativos imobiliários, auferindo rendimentos e ganhos de capital advindos destes.

XPIN11 informa resultados e divulga movimentação de locatários

O XP Industrial Fundo de Investimento Imobiliário (XPIN11), representado por sua gestora XP Vista Asset Management, comunicou aos seus cotistas nesta última sexta-feira (23) os resultados do fundo referentes à junho. Além disso, a gestão explicou algumas mudanças referentes à sua emissão de cotas juntamente com a movimentação de alguns locatários.

Sobre os resultados do mês, o fundo distribuiu R$ 0,64 por cota, que corresponde ao dividend yield anualizado de 7,6% em relação ao valor da cota de mercado no fechamento do mês (R$ 100,57/cota). Confira na tabela abaixo:

XPIN11

Na verdade, o resultado foi o equivalente a R$ 0,71 por cota, que decorreu, em linhas gerais, “do recebimento de todos os valores de locação devidos ao fundo de acordo com os contratos vigentes”, afirmou a XP Vista. Porém, quatro locatários adiantaram no mês de junho a locação que seria devida no mês de julho. 

No mercado secundário, o volume de negociação da cota com o ticker XPIN11 foi de R$ 30,1 milhões (média diária de R$ 1,4 milhão), o que representou um acréscimo de 18% em relação à média diária do mês anterior. 

Mudanças na emissão de cotas e movimentação de locatários

Também, a gestão explicou algumas alterações da oferta da 5ª emissão de cotas em andamento. Houve redução do volume inicial de emissão, que saiu de R$ 150.000.010,93 (1.534.841 cotas) para R$ 70.000.089,80 (716.260 cotas). Porém, isso não trará prejuízo na possibilidade de colocação de montante adicional. 

Desta forma, em julho, o XPIN11 adquiriu um imóvel no qual será construído um galpão logístico com área total estimada de 13.991,31 m² . 

Em relação às movimentações de locatários ocorridas no mês, a gestão destacou os seguintes fatos: 

  • Redução de 3.712 m², em junho, da área alugada pela Compalead no condomínio Jundiaí I, passando de 13.012 m² para 9.300 m², em razão de uma reestruturação operacional da companhia.
  • Em julho, houve a expansão de 3.712 m²  da área alugada pela Polishop no condomínio Jundiaí I, passando de 13.024 m² para 16.736 m²; 

O XP Industrial Fundo de Investimento Imobiliário tem como objetivo a obtenção de renda e ganho de capital por meio da compra de ativos imobiliários industriais ou logísticos. Isso inclui imóveis que estão em construção ou imóveis prontos para venda, locação ou arrendamento.