O‌ ‌‌IFIX‌‌ fechou ‌a‌ ‌última‌ terça-feira‌ ‌(29)‌ ‌em alta de 1,48%,‌ terminando ‌o‌ ‌dia‌ ‌em 2.746,10 pontos.‌ ‌No‌ ‌acumulado‌ ‌do‌ ‌mês‌ ‌de‌ ‌junho ‌e‌ ‌do‌ ‌ano‌ ‌de‌ ‌2021,‌ ‌a‌ ‌variação‌ ‌do‌ ‌índice‌ ‌é‌ ‌de‌ -2,49%‌ ‌e‌ -4,32%,‌ ‌respectivamente.‌ ‌

 ‌Também,‌ ‌o‌ ‌índice‌ ‌‌SUNO30‌‌ ‌fechou‌ ‌em‌ alta de 1,31% ‌e‌ 100,34 pontos.‌ ‌Veja‌ ‌na‌ ‌tabela‌ ‌abaixo:‌ 

fechamento 29-06

Confira as principais notícias do mercado de FIIs:

RBBV11 divulgou seus resultados e rentabilidade do mês

O JHSF Rio Bravo Fazenda Boa Vista Capital Protegido FII (RBBV11), representado por sua gestora Rio Bravo, comunicou nesta terça-feira (29) aos cotistas do fundo, os resultados financeiros do mês de maio.

O fundo objetiva gerar rendimento por meio de participação indireta na receita líquida a ser gerada pelo empreendimento Fazenda Boa Vista, loteamento residencial fechado de alto padrão localizado na cidade de Porto Feliz – SP e incorporado e construído pela JHSF Participações S.A.

O RBBV11 persegue rentabilidade de IPCA + 9,00% ao ano, que, na prática, depende do desempenho de vendas das unidades do empreendimento Fazenda Boa Vista. 

DEST RBBV11 distribuiu R$ 2,64 por cota em rendimentos referentes ao quarto trimestre de 2020. A gestão destacou que nos últimos 12 meses, o valor distribuído foi de R$ 5,77 por cota, que representa um dividend yield de 6,38% se considerada a cota média em bolsa dos últimos doze meses (R$ 90,40/cota). Confira na tabela abaixo:

RBBV11

Em relação à rentabilidade do fundo, considerando a aquisição das cotas na primeira emissão ao valor de R$ 100,00/cota, a rentabilidade nominal auferida pelo investidor até o final do trimestre em análise, levando em conta as distribuições de rendimentos até então realizadas, é de 7,13% ao ano (equivalente a IPCA + 1,17% a.a.). 

SNFF11 divulga resultados e explica suas primeiras alocações

A Suno Asset, gestora do Suno Fundo de Fundos (SNFF11), informou nesta última terça-feira (29) o patamar de distribuição de rendimentos referente ao mês de maio. Além disso, a gestão explicou a composição do seu resultado no mês e as principais alocações do fundo. 

Desta forma, a Suno Asset analisou o contexto econômico e destacou sobre o crescimento do PIB no primeiro trimestre de 1,2%. Para a gestão, esse crescimento superou as expectativas do mercado, inclusive, com maior possibilidade de recuperação econômica expressiva. 

Em relação ao mercado imobiliário, a derrubada dos vetos em relação ao FIAGRO dá maior fôlego ao setor, reforçou a Suno Asset. Além de beneficiar diretamente o agronegócio, a gestora apontou que os vetores representam “um forte sinal na direção da manutenção das regras fiscais que impactam os fundos imobiliários”. 

A composição do resultado do fundo

No que se refere ao primeiro mês do SNFF11 após sua primeira emissão de cotas, a gestão reforçou que, por questões regulatórias, o fundo ficou impedido de investir em fundos geridos ou administrados pelo mesmo administrador do Suno Fundo de Fundos. 

Embora isso tenha atrasado algumas alocações, a gestão conseguiu “mapear oportunidades no setor industrial e logístico”, além de identificar ativos com preço bastante descontado no setor de shopping. 

Já no setor de renda urbana, as alocações foram feitas principalmente por meio do mercado secundário, mas ainda há muito o que se investir em relação a esse setor, ressaltou a gestora. 

Observe no gráfico abaixo as alocações por setor durante o mês:

SNFF11

No mês de maio, o SNFF11 teve resultado caixa de R$0,135, sendo distribuído aos cotistas o valor de R$0,12 por cota. A Suno Asset ressaltou que esse valor está “50% acima da expectativa que contava no estudo de viabilidade”. 

Em relação à rentabilidade, o SNFF11 (-0,45%) ficou acima dos principais índices do mercado, superando o IFIX (-1,56%) e o SUNO30 (-1,58%). Diante disso, a gestão destacou que a rentabilidade do consolidado leva em consideração o resultado de todas as operações do fundo, e portanto, a movimentação real sobre o patrimônio líquido”. Confira no gráfico abaixo:

SNFF11

O Suno Fundo de Fundos tem como objetivo investir em cotas de outros fundos de investimento imobiliário e, complementarmente, em ativos ligados ao setor, podendo ser  em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs); letras hipotecárias (LH), letras de crédito imobiliário (LCI) e outros ativos de renda fixa. 

XPML11 comunica compra de ações do Cidade Jardim Shops

O Fundo de Investimento Imobiliário XP Malls (XPML11), gerido pela XP Asset Management, divulgou nesta terça-feira (29) a compra de 30% das ações do Cidade Jardim Shops. 

Ontem, foi paga a última parcela do preço de aquisição das ações do ativo, com a assinatura do termo de fechamento entre as partes. 

A XP Asset afirma que a “transação atende integralmente a Política de Investimentos constante do Regulamento do Fundo e reforça a estratégia de comprar participações minoritárias em shopping centers em operação, nas principais cidades do país e cujo administrador seja renomado nacionalmente”, reforçou a gestão.  

Em relação aos impactos positivos na distribuição, a gestão informou que isso dependerá da “performance operacional dos ativos imobiliários investidos pelo Fundo, incluindo o Shops”.  

Diante disso, a gestora estima que o resultado da aquisição do ativo para o XPML11, será de R$ 2.187.557,15 no primeiro ano de operação, já líquido das despesas operacionais e impostos, representando assim uma potencial distribuição de dividendos bruta de R$ 0,12/cota (doze centavos por cota). 

O imóvel em questão está localizado no bairro dos Jardins, no coração da região mais nobre da cidade de São Paulo, possuindo aproximadamente 6.000 m² de ABL, divididos em 68 lojas. 

O XP Malls FII tem como objetivo a obtenção de renda por meio da exploração imobiliária de shopping centers, bem como o ganho de capital, mediante a compra e venda de ativos do setor.