A Credit Suisse, gestora do CSHG Logística FII (HGLG11), comunicou nesta quinta-feira (09) aos seus investidores, os resultados referentes ao mês de novembro. Também, a gestão aproveitou para informar sobre a gestão de ativos. 

Em relação ao mês de novembro, o HGLG11 apresentou um resultado de R$ 21,5 milhões ou R$ 1,01 por cota. Confira abaixo:

HGLG11

A gestora destacou dois eventos que impactaram os resultados do fundo, a saber: 

  • o recebimento da terceira parcela da venda do terreno em Extrema-MG no valor de R$ 5,0 milhões, com lucro caixa de R$ 0,11 por cota;  
  • recebimento de aluguéis em atraso e multas no valor de aproximadamente R$ 4,8 milhões, que trouxe um resultado de R$ 0,22 por cota. 

A gestão também comentou que a locatária Volkswagen solicitou a alteração do índice de reajuste de IGP-M para IPCA. Essa mudança foi acatada pelo fundo, algo considerado positivo pela gestão, uma vez que o IPCA é menos volátil do que o outro índice. 

Outro fato importante foi a reavalização no valor dos ativos do fundo por uma consultoria independente, que resultou em aumento de aproximadamente 0,91% no valor patrimonial da cota do HGLG11 com base na carteira de fechamento de 29 de outubro de 2021. 

Assinatura de escritura de compra 

A gestão informou sobre a confirmação da compra do ativo CONE G04, concluindo a aquisição da fração ideal de 40% do terreno que faz parte do complexo logístico denominado Cone Multimodal em Cabo de Santo Agostinho, estado de Pernambuco. 

Com a aquisição, em adição à fração ideal de 30% do Ativo que foi adquirida pelo HGLG11 em 20 de novembro de 2020, o fundo agora possui fração ideal de 70% do terreno. No último relatório gerencial, a gestão trouxe detalhes sobre o formato de pagamento, confira aqui, sendo o valor de aquisição total de R$ 30.000.000,00. 

O ativo já possui uma pré-locação de 43% do galpão. O contrato com a empresa Seara Alimentos é de 10 anos de duração para a locação dos módulos 5, 6 e 7 que somam aproximadamente 7.900 m² no valor de R$ 51,00/m². 

Existe ainda um direito de preferência para que o inquilino também alugue o módulo 4, que elevaria a locação para 57%. 

Trata-se de uma pré-locação, uma vez que o imóvel ainda está em construção e com previsão de entrega até o fim do ano de 2021 e, por isso, não impacta a vacância do fundo que apenas contabilizará as áreas deste imóvel a partir da conclusão da obra. 

Foi  estabelecido nos acordos assinados que o vendedor pagará ao fundo, enquanto inexistente fluxo de locação do imóvel. 

O valor corresponde a uma taxa anualizada de 10% calculada sobre o somatório do capital utilizado pelo HGLG11 no período em que o ativo ficar sem locação. 

Parte comercial

Durante o mês de novembro, a gestão disse que não houve alteração na ocupação do fundo, que segue com 7,9% de vacância física e 6,6% de vacância financeira. Confira abaixo:

HGLG11

No HGLG Washington Luiz o fundo fechou uma locação de aproximadamente 2.000 m², cujo contrato deverá ser assinado nos próximos dias. Por isso, só no próximo relatório a gestora trará maiores informações.  

Também existe uma demanda de locação para os prédios do Tech Town, com discussões finais para assinatura do contrato.

Em relação ao HGLG Itupeva, as obras do galpão HGLG Itupeva II seguem “a todo vapor”. 

Da mesma forma,  a obra de construção do galpão CONE G04 também entrou em sua fase final, alcançando o avanço físico de 86,2% e o avanço financeiro de 88,8%. 

Conheça o HGLG11

O CSHG Logística FII tem por objeto a exploração de empreendimentos imobiliários voltados primordialmente para operações logísticas e industriais, por meio de aquisição de terrenos para sua construção ou aquisição de imóveis em construção ou prontos, para posterior alienação, locação ou arrendamento. 

Desta forma, o CSHG Logística possui R$ 3,14 bilhões de patrimônio líquido médio dos últimos 12 meses e tem aproximadamente 300.069 de cotistas. 

Para quem deseja investir no HGLG11, o valor patrimonial de sua cota é de R$147,86, sendo sua taxa de administração de 0,75% até 0.95%a.a. sobre patrimônio líquido.