A gestão do FII RBR Properties (RBRP11) comunicou aos cotistas na última sexta-feira (16), os resultados referentes ao mês de março. Somado a isso, a RBR Asset atualizou os cotistas sobre a situação do seu portfólio e a movimentação da sua carteira.

O RBRP11 distribuiu resultados no valor total de R$ 4,4 milhões, equivalente a R$ 0,50/cota.  Repare na tabela abaixo:

RBRP11

Em termos comparativos, a RBR Asset informou que esse valor distribuído equivale a “270,39% do CDI e um dividend yield de 6,72% a.a. (cota base fechamento março/21) e 7,08% a.a. sobre a cota PL”.

Em março, o RBRP11 recebeu 99% da receita prevista nos contratos, sendo a inadimplência apenas de 1%, com apenas um inquilino como devedor. 

Alocação de recursos após emissão de cotas

Com a alocação do caixa da oferta, repasse de IGPM em alguns contratos, acreditamos que os dividendos atingirão a estabilidade ao longo dos próximos meses. 

A gestora também informou que foi concluída a 5ª  Emissão de cotas do fundo. Neste tempo, foi captado R$321 milhões.  

De acordo com a RBR Asset, “o patrimônio do fundo ultrapassou a marca de R$ 1 bilhão de reais”, fato que recebeu bastante destaque da gestão no relatório gerencial.

Porém, a gestão RBRP11 destacou mesmo com este aumento de caixa, o modelo de segue o mesmo: “uma casa ‘fundamentalista em tijolo’” que busca retorno absoluto em investimentos imobiliários. 

Atualização sobre os imóveis do RBRP11

A equipe gestora também explicou aos investidores que o fundo aumentou a participação em ativos que temos posição juntamente com “aumento da participação no RBRL11 – RBR Logística”. 

Ou seja, a maior parte dos recursos captados na emissão de cotas irão para os ativos citados. Porém, o RBRP11 estará atento às oportunidades do mercado e poderá fazer novas aquisições. 

A RBR Asset pontuou que o fundo possui um portfólio diversificado, sendo que alguns ativos estão com preço adequado para venda, “enquanto outros estão sendo reposicionados e/ou renovados”. 

Agora, as atenções da gestão também se volta para os “ativos em desenvolvimento que devem ser incorporados como complemento de geração de valor para este portfólio”, afirmou a gestora. 

A partir de fevereiro, a gestão interpretou um aumento de procura por área nos seguintes ativos: 

  • Ed. Mario Garnero 
  • Ed. Delta Plaza, 
  • River One, que mesmo em obras continua sendo procurado para locação

Na avaliação dos gestores, alguns fatores contribuem para este aumento de procura por locação de escritórios:

  • Aumento da vacinação no país, 
  • Reajuste elevados de aluguéis em decorrência do IGPM 
  • Reorganização de empresas pós pandemia 

O portfólio fechou o mês de setembro com 11 ativos imobiliários dentro da estratégia CORE, com vacância de 10%, localizada em ativos pontuais. 

Além disso, a RBR Asset ressaltou que o RBRP11 definiu limite máximo de 10% de exposição em estratégias de desenvolvimento. No momento, a gestão faz a análise de “terrenos na região de Pinheiros e Vila Olímpia”, com foco de fechamento de negócio nas melhores regiões de São Paulo. 

No gráfico abaixo, é possível analisar alocação de recursos do RBRP11 nos diferentes ativos que compõem seu portfólio:

RBRP11

Conheça o RBRP11

O FII RBR Properties (RBRP11) é um fundo imobiliário de tijolo com investimentos em escritórios.

O RBRP11 possui patrimônio líquido de R$747 milhões e tem cerca de 8.552.712 de número de cotas emitidas. 

Para quem deseja investir no RBRP11, o valor atual da sua cota é de R$88,67 (atualizado dia 16/04), sendo sua taxa de administração de 0,12%a.a. sobre patrimônio líquido.